O fim de uma era: Marc-André ter Stegen no Borussia Mönchengladbach
Ter Stegen se despediu da torcida que o acolheu e agora o tem como ídolo (Foto: D. Wiechmann / Borussia Mönchengladbach)

O jovem goleiro Marc-André ter Stegen, de 22 anos, ainda defenderá a meta do Borussia Mönchengladbach em um jogo - contra o Wolfsburg, na Volkswagen Arena, pela última rodada da Bundesliga 2013-2014 -, mas, sem dúvidas, a partida que simboliza o fim da sua longa passagem pelos Potros foi a vitória por 3 a 1 sobre o Mainz, seu último compromisso no Borussia-Park, casa do Gladbach desde 2004. Foram nada mais e nada menos que 18 anos de serviços prestados ao clube alemão.

Nascido em Mönchengladbach, cidade localizada no estado da Renânia do Norte-Vestfália, no dia 30 de abril de 1992, MAtS ingressou no Borussia M'gladbach, clube do seu coração, em 1996, ainda aos quatro anos de idade. Iniciava-se àquele momento uma longa era nos Fohlen. O garoto tinha como sonho inicial ser ídolo no time da cidade, e pode dizer que o realizou.

Em 2009, aos 17 anos, depois de muito tempo nas categorias de base, ter Stegen ingressou no time B dos Borussen, cuja média de idade é de 23 anos. O Mönchengladbach II disputa a divisão oeste da Regionalliga, competição que equivale ao quarto escalão do futebol da Alemanha. Dois anos depois, foi promovido à equipe principal, mas teve que esperar um bom tempo para obter a titularidade.

Em 2011, o Gladbach passava por um momento difícil. Era o lanterna da Bundesliga e dava indícios de que sofreria o terceiro rebaixamento de sua história, o segundo num curto intervalo de cinco anos. A posição de goleiro era uma das mais criticadas pela torcida. O belga Logan Bailly e o alemão Christofer Heimeroth revezavam-se na posição e não tinham atuações convincentes. Michael Frontzeck foi substituído por Lucien Favre no comando técnico e o problema persistia.

Favre, então, decidiu colocar ter Stegen entre os onze iniciais, decisão aparentemente arriscada, pois o jovem, sem muita experiência, assumiria seu lugar no plantel titular num momento bastante turbulento. Estreou no dia 10 de abril de 2011, na goleada por 5 a 1 sobre o rival Colônia. No final das contas, o Mönchengladbach terminou a BL na 16ª posição e escapou da degola via playoff, derrotando o Bochum, terceiro colocado da 2.Bundesliga, por 2 a 1 no placar agregado (1 a 0 na ida e 1 a 1 na volta). Era apenas o início da consolidação de MAtS como titular debaixo das traves.

Depois de uma temporada sufocante, os Fohlen jogaram um futebol de encher os olhos dos adeptos na temporada 2011-2012 e terminaram o certame na quarta colocação, voltando a uma competição europeia depois de 17 anos de ausência. Ter Stegen foi eleito a revelação do campeonato e começou a ser convocado para a seleção principal da Alemanha. Desde 2007, atuava nas categorias de base da Nationalelf, bastante conhecida pela sua tradição em revelar goleiros de extrema qualidade.

Seu primeiro jogo como titular do selecionado alemão não foi dos melhores: uma derrota de 5 a 3 para a Suíça, em amistoso preparatório para a Eurocopa de 2012. O arqueiro acabou sendo cortado da relação de convocados para a competição continental.

Depois, viria o momento que certamente foi o ápice da sua carreira. Em 15 de agosto de 2012, a Alemanha recebia a Argentina para um jogo amistoso em Frankfurt. Ron-Robert Zieler, substituto do já consagrado Manuel Neuer, havia cometido pênalti e viu o cartão vermelho. MAtS teve que entrar em campo com a difícil missão de defender uma cobrança efetuada por Lionel Messi, melhor jogador do mundo naquela época. E conseguiu, levando os alemães presentes na Commerzbank-Arena à loucura. Com um a menos, os comandados de Joachim Löw perderam por 3 a 1.

Diante de Messi, ter Stegen cresceu (Foto: Kai Pfaffenbach/Reuters)

Seu terceiro jogo como titular na seleção germânica culminou numa nova derrota. Num amistoso jogado contra os EUA em solo norte-americano, a Alemanha foi derrotada pelo placar de 4 a 3 e um dos gols da seleção da casa veio de um domínio de bola mal feito pelo arqueiro, após recuo de Höwedes.

Se no selecionado nacional os motivos para sorrir foram poucos, no Borussia Mönchengladbach as grandes atuações eram mais do que rotineiras. Em 2012-2013, a equipe chegou ao mata-mata da Europa League e terminou a Bundesliga no oitavo posto. Um ano longe do que a torcida esperava, mas a plena confiança no goleiro continuava. Especulações as quais colocavam o arqueiro no Barcelona começaram a vir à tona e eram rapidamente desmentidas.

Na temporada seguinte, ter Stegen manteve seus desempenhos em alto nível e na pausa de inverno confirmou que não teria seu contrato renovado com os Potros. Desde então, começou a contagem regressiva para o fim de sua era no clube do oeste alemão. Posteriormente, seu empresário, Gerd vom Bruch, confirmou o acerto com o clube espanhol, o qual chegou a ser proibido de contratar jogadores pela Fifa, mas teve a punição retirada.

Com a edição 2013-2014 da Bundesliga prestes a terminar, o Gladbach está novamente garantido numa liga europeia - está em sexto e pode encerrar o campeonato, no máximo, na quarta posição - e MAtS pode ser considerado um dos responsáveis. Mesmo com a pouca idade e ncom enhum título conquistado pelos Borussen, obteve o status de ídolo. Agora, com a transferência para os blaugranas, mira o desenvolvimento de sua carreira e, a longo prazo, um lugar na seleção da Alemanha, para afastar a má impressão deixada nas partidas frente à Suíça e aos Estados Unidos.

Em entrevista ao site oficial da Bundesliga, ter Stegen, que ficou visivelmente emocionado na homenagem feita pelo clube e voltou a exalar emoção após o apito final, fez declarações que demonstram o tamanho de sua gratidão pelo clube que o revelou para o futebol.

"Foi um jogo muito emocionante para mim. O apoio dos fãs foi sensacional. Durante o jogo, pude esquecer que era minha última partida em casa, mas depois do apito final foi inevitável", admitiu.

"Guardarei muitas lembranças. O estádio, os torcedores, o clube e, é claro, meus amigos. Comecei a jogar futebol no Gladbach e experimentei tudo aqui, até mesmo alguns momentos difíceis. Sempre dei o meu melhor para o Borussia. O evento mais importante para mim e para o clube certamente foi bater o Bochum no playoff de rebaixamento. Isso provocou muita euforia e nos levou para o outro lado da tabela na temporada seguinte", recordou o arqueiro.

Marc-André ter Stegen não conteve as lágrimas em sua despedida do Borussia-Park (Foto: Getty Images)

"Também foi bom começar minha caminhada nas categorias de base. Eu tive uma boa educação no Borussia e serei Gladbach por completo, para sempre", garantiu ter Stegen.

"Foi importante para mim garantir o Borussia na Europa na próxima temporada, mas ainda temos um jogo muito importante e não vou roubar os holofotes para mim. Continuo focado no Borussia", encerrou.

Marc-André ter Stegen sairá de Mönchengladbach com uma certeza: terá um lugar especial no coração de cada torcedor do Gladbach e as portas do Borussia-Park estarão sempre abertas. A capital da Catalunha e o futebol espanhol já estão na rota. Os torcedores do M'gladbach não hesitam em apontar sua preferência.

"Quem é o melhor: Casillas ou Neuer? Nós preferimos ter Stegen", diz faixa mostrada pela torcida do Gladbach (Foto: Divulgação)

A despedida no Borussia-Park realmente é de emocionar.

VAVEL Logo