Após prorrogação emocionante, Argentina derrota Suíça e garante vaga nas quartas de final

Sob forte calor em São Paulo e diante de mais de 62 mil pessoas, Argentina Suíça se enfrentaram na Arena Corinthians no penúltimo jogo válido pelas oitavas-de-final da Copa do Mundo. Em partida bastante equilibrada, as seleções empataram no tempo normal por 0 a 0.

Na prorrogação, a emoção tomou conta e, com gol de Di María nos últimos minutos, os sul-americanos garantiram a vaga e esperam o vencedor de Bélgica Estados Unidos, que se enfrentam às 17h dessa terça-feira (1), na Arena Fonte Nova. A desclassificação aumenta o tabu dos europeus de não alcançar às quartas-de-final do Mundial, feito conquistado há 60 anos. Para o duelo do próximo sábado (5), os argentinos não contarão com o lateral-esquerdo Rojo, suspenso.

No primeiro tempo, a Argentina priorizou as fortes jogadas no ataque, mas não conseguia passar pela marcação, principalmente com Messi, enquanto a Suíça explorava os contra-ataques velozes, criando as duas melhores oportunidades, uma com Xhaka e outra com Drmic.

No segundo, os sul-americanos voltaram mais fortes e criaram mais, mas seguiram bloqueados pela defesa europeia. Nas principais jogadas ofensivas da Albiceleste, os lances esbarravam no arqueiro suíço. Os helvéticos, visando o contra-ataque, pecavam na falta de criatividade.

Nos trinta minutos decisivos, o drama foi ainda maior para as duas seleções, afinal somente a vitória interessava. Se na primeira etapa a Suíça procurou trabalhar mais a bola e conseguiu até arrancar gritos de "olé" da torcida brasileira, na segunda a desatenção da defesa, que vinha bem até então foi o ponto crucial para a eliminação. Após um erro na saída de bola, o gol albiceleste saiu e a vaga se foi.

Argentina tem mais volume no ataque, mas Suíça é quem pressiona

Assim como era esperado, aproveitando-se do forte setor ofensivo, a Argentina procurava os espaços na defesa da Suíça, que se protegia bem, usava a marcação como principal ponto forte e saía em contra-ataques velozes. Com o meio-campo povoado, as duas equipes não conseguiam criar uma boa jogada.

O primeiro bom lance da primeira etapa, no entanto, veio pouco antes das meia hora de bola rolando e com os helvéticos. Após boa jogada pela direita de ataque, o destaque da seleção, Shaqiri, cruzou na pequena área para o meio-campista Xhaka finalizar, mas a bola foi em cima do goleiro argentino, que só colocou o pé para afastar o perigo.

Explorando os erros da defesa albiceleste, os suíços tiveram mais um bom momento no jogo. Após lançamento despretencioso de Shaqiri, o atacante Drmic apareceu livre de adversários para abrir o marcador, mas tentou encobrir o arqueiro e perdeu uma grande oportunidade para fazer o primeiro gol da partida.

Argentina volta melhor, cria boas chances, mas Benaglio salva a Suíça

Assim como na etapa inicial, os sul-americanos continuaram fortes no ataque, mas com os europeus mantendo estabilidade na defesa, mesmo sem os treinadores realizarem substituições no intervalo. Logo no início, um lance esquisito. Shaqiri cobrou falta colocada e Romero se atrapalhou sozinho com a bola, que quase sobrou para Mehmedi inaugurar o placar.

Sentindo-se na obrigação de ganhar, a Argentina tentou abrir espaços na defesa da Suíça e teve dois bons momentos, mas esbarrou em Benaglio. Na primeira, após boa troca de passes na entrada da área, a bola ficou o lateral-esquerdo Rojo, que dominou e chutou forte, mas o arqueiro cortou. Na segunda, o mesmo ala-esquerdo cruzou e Higuaín, sozinho, cabeceou no alto, mas o goleiro botou para escanteio.

Se fechando ainda mais no sistema defensivo, Ottmar Hitzfeld resolveu tirar o armador e já amarelado Xhaka e colocou o volante Gelson Fernandes. Do outro lado, Alejandro Sabella colocou Palacio no lugar de Lavezzi. Com mais peças no ataque, os argentinos tiveram uma grande oportunidade. Após sobra na meia-lua, Messi fintou três marcadores e chutou forte, mas Benaglio evitou o gol do camisa 10. Forte na defesa, a Suíça conseguiu se segurar bem nos minutos finais e levou a partida à prorrogação.

Argentina pressiona, acha gol e garante a vaga nas quartas

Na prorrogação, os primeiros quinze minutos foram como todos os outros noventa minutos do confronto, se mostrando equilibrado e com a defesa europeia bem postada. Para aumentar ainda mais o drama dos argentinos, os atletas suíços trocavam passes e ouviam os gritos de "olé" vindos da torcida presente. Tentando dar sangue novo à equipe, Sabella colocou Biglia no lugar de Gago, desgastado.

Na última etapa, o jogo esquentou mais durante os últimos minutos, apesar de um bom lance com o autor do gol ainda no início. Após troca de passes, o lance sobrou com Di María, que chutou forte e Benaglio cortou. Após uma falha na saída de bola de Lichtsteiner, Palacio recuperou a bola, serviu Messi, que arrancou todo o campo de ataque e achou Di María livre de marcação, que só teve o trabalho de chutar deslocando o arqueiro helvético. Pouco depois, a Suíça teve a chance do empate. Shaqiri cobrou falta na pequena área e Dzemaili cabeceou na trave, no rebote a bola foi no joelho do atleta e saiu, selando a vitória e a classificação da Albiceleste. 

VAVEL Logo