Há dez anos, Grécia conquistava a Europa em cima dos portugueses

Nesta sexta-feira (04), completam-se dez anos da conquista da Grécia na Euro 2004. Assim como na estreia da Eurocopa, os gregos venceram e se consagraram como a surpresa do futebol mundial. A famosa "zebra" de azul e branco, que superou Portugal na primeira rodada, repetiu o feito na decisão e, de forma inédita, conquistou o título da competição. O placar da final não poderia ser mais apertado: 1 a 0, com gol de cabeça de Angelos Charisteas.

A única participação europeia dos gregos antes da conquista do titulo, foi em 1980, na Itália, quando o time foi eliminado na primeira fase, perdendo dois jogos e empatando com a Alemanha, que depois ficaria com o título na competição. Em sua campanha, a Grécia foi eliminando favoritos. Na primeira fase, além de vencer Portugal por 2 a 1 na estreia, empatar com a Espanha e foi superada pela Rússia, mas garantiu a segunda posição de sua chave.

Nas quartas-de-final, desbancou a então atual campeã França. Na semifinal, derrotou a até então invicta República Tcheca, e culminou com a vitória na final sobre os portugueses. Curiosamente, na fase final, venceu todos os jogos por 1 a 0. E todos com gols de cabeça.

A vitória da Grécia consagrou, além dos times "pequenos", o técnico alemão Otto Rehhagel. Ele desbancou o brasileiro Luiz Felipe Scolari e se tornou o primeiro "estrangeiro" a ficar com o título continental.

A final contra Portugal e a conquista inédita que calou Lisboa

A partida foi marcada pelo equilíbrio, com raras chances de gols para as duas seleções. A primeira chance saiu aos treze minutos, quando Miguel avançou com liberdade pela direita e bateu cruzado, rasteiro. O goleiro Nikopolidis tocou com a mão direita na bola e evitou o gol.

O troco dos gregos vieram três minutos depois. O ataque fez grande jogada, com troca de passes de pé em pé, até a bola chegar a Charisteas, já dentro da área. O atacante chegou atrasado e na dividida e o goleiro Ricardo fez a defesa.

Aos vinte e quatro minutos, os comandados de Scolari chegaram perto do primeiro gol. Após rebote de escanteio, Maniche dominou na entrada da área e bateu com violência. A bola saiu pela linha de fundo, à direita.

No final da etapa inicial, Portugal tinha perdido o lateral-direito Miguel, que levou uma pancada na costela e foi substituído por Paulo Ferreira, jogador que começou a Euro contra a Grécia como titular e deixou a equipe depois da derrota na estreia.

O panorama da partida não mudou na segunda etapa. Mas, logo aos onze minutos, a Grécia chegou ao gol do título. Depois de cobrança de escanteio da direita, levantado por Basinas o atacante Charisteas se antecipou a Costinha e, de cabeça, consagrou a "zebra" grega.

Em desvantagem no placar, Scolari colocou Rui Costa e Nuno Gomes, nas vagas de Costinha e Pauleta, respectivamente. Portugal se lançou ao ataque e passou o restante do tempo no campo grego, mas não conseguiu marcar.

Aos vinte e nove minutos, Cristiano Ronaldo recebeu lançamento longo do meio-campo, dominou pela esquerda e, dentro da área, mandou por cima do gol. Sete minutos depois, Nuno Gomes bateu cruzado e exigiu boa defesa de Nikopolidis.

A pressão aumentava e ainda mais nos instantes finais. Na melhor oportunidade, Figo fez bela jogada dentro da área, girou em cima dos marcadores e chutou colocado, no canto direito. A bola desviou na zaga grega e saiu pela linha de fundo. Festa grega em pleno Estádio da Luz.

Campanha da Grécia na Euro 2004:

VAVEL Logo