Rosário vence Racing pelo placar mínimo e garante vaga na final da Copa Argentina

Em partida válida pela semifinal da Copa Argentina, disputada na noite da última sexta-feira, o Rosário Central venceu o duelo de "academias", passou pelo Racing por 1 a 0 e garantiu vaga na final do torneio. O gol solitário do duelo foi marcado pelo artilheiro Marco Ruben, no fim do primeiro tempo. O palco do embate foi o estádio Padre Martearena, em Salta. Vale lembrar que as fases deste campeonato são disputadas em jogos únicos e em campos neutros.

Pelo lado Canalla, o resultado significa a segunda ida consecutiva à final da competição eliminatória. Na temporada passada, a equipe perdeu o título nos pênaltis para o Huracán. O adversário deste ano será o Boca Juniors, que ontem venceu o Lanús por 2 a 0.

No atual campeão argentino, a eliminação obriga o time a voltar as atenções exclusivamente ao Nacional. Faltando duas rodadas para o término do certame, a Acade postula na quarta posição e depende de uma combinação de resultados para conquistar a vaga direta na Copa Libertadores da América do próximo ano.

Rosário é superior e chega ao gol no fim da etapa inicial

Lo Celso, aos 4 minutos, deu o primeiro chute a gol do duelo. O garoto recebeu pelo lado direito da intermediária e, pressionado pela marcação, concluiu de perna esquerda sobre a meta de Saja, sem criar perigos. Minutos depois, Álvarez fez jogada individual e finalizou fraco do meio da rua, em bola que teve como destino as placas de publicidade do estádio Padre Martearena.

Estes lances iniciais do duelo mostraram uma postura defensiva do Racing. Mais cauteloso do que o habitual, o time de Diego Cocca foi a campo com uma alteração em relação ao último jogo pelo Campeonato Argentino que evidenciou a mudança na postura racinguista: o volante Videla entrou no lugar de Romero. O Rosário, por sua vez, teve a iniciativa, mas não criou uma chance clara de abrir o placar.

Aos poucos o atual campeão argentino passou a equilibrar o cotejo. Aos 17 minutos, Aued recebeu na entrada da área e tentou lançar Pavone. O camisa 11 não pegou na bola como queria, mas por pouco não encobriu o goleiro Garcia e quase inaugurou o marcador. Na sequência, após um perde e ganha na faixa central do gramado, o meio-campista driblou um defensor adversário e arriscou, com a pelota passando sem perigo à direita da meta.

Aos 22 minutos, justamente quando o time de Avellaneda se fazia mais presente no campo ofensivo, os canallas desperdiçaram clara chance de marcar. Lo Celso puxou contra-ataque e acionou Larrondo, posicionado no bico esquerdo da área. O atacante dominou no peito, passou pela zaga e concluiu em cima de Saja, na saída do arqueiro. O camisa 7 ainda foi presenteado com o rebote, de frente para as redes, mas chutou fraco e permitiu que Cerro, em ação milagrosa, salvasse no lance.

Pouco depois, o Racing deixou de lado os chutes de longa distância e assustou na bola parada. Primeiro, Acuña cobrou falta pela direita, Ruben desviou contra o próprio patrimônio e quase marcou contra. Na sequência, o camisa 17 do Alviceleste, jogou na área e Sánchez, de cabeça, mandou na trave. Quando o primeiro tempo já se encaminhava para o fim e o 0 a 0 parecia certo, o artilheiro Marco Ruben tratou de agir. Nos acréscimos, Lo Celso fez grande jogava individual no fundo do gramado e cruzou na cabeça do camisa 9, que cabeceou firme e anotou o primeiro da partida.

Equipes ficam com 10 atletas em campo

O Racing esboçou, no início da etapa final, uma presença ofensiva mais forte. Logo aos 2 minutos, Pavone tentou o passe na área, foi travado pela zaga, pegou a sobra e chutou de perna esquerda pra fora. A chance seguinte, no entanto, só se deu aos 13, quando Acuña aproveitou o rebote da defesa e, na lateral da área, chutou cruzado. O meio-campista, no entanto, esbarrou na ação providencial de Garcia, que jogou pra escanteio a bola que ia na direção de Lollo, na pequena área.

A mudança de postura no time de Diego Cocca não se confirmou. Precisando do resultado, o técnico lançou mão de Romero e Diego Milito, que poderiam servir de companhia a Pavone, que atuou isolado até este momento do jogo. Aos 26, a tarefa racinguista ficou mais complicada. Na intermediária defensiva da sua equipe, Sánchez deu um pontapé em Ruben e recebeu o cartão vermelho direto.

O Alviceleste voltou a acertar o poste rival aos 35. Após cruzamento, Diego Milito encheu o pé da entrada da área e acertou o poste. Na volta, a bola foi na direção de Aued, mas o meio-campista pegou mal e mandou pra fora. Faltando 7 minutos para o fim do tempo regulamentar, os adversários ficaram em igualdade numérica. Lo Celso puxou Camacho quando este tentava puxar contra-ataque, recebeu o segundo amarelo e foi pra rua. 10 jogadores pra cada lado e convite para uma pressão do time de Avellaneda.

Desorganizado, o atual campeão argentino trabalhou mal a pelota e pouco incomodou. Nos minutos finais, a equipe tentou chegar ao gol de empate através de bolas jogadas na área, mas sem sucesso. Aos 46, Milito ainda tentou marcar em lance que chutou de perna esquerda da entrada da área, mas esbarrou na boa defesa de Garcia, que agarrou firme. O Central ainda conseguiu reter a bola no campo de ataque e segurou o placar que o garantiu mais uma vez na final da Copa Argentina.

VAVEL Logo