Neymar e Suárez decidem novamente e Barcelona vence BATE Borisov

O começo do returno da fase de grupos da Uefa Champions League teve o Barcelona recebendo o BATE Borisov em seus domínios. E mesmo com protesto pró-Catalunha, a equipe seguiu concentrada, intensa e aproveitou a fragilidade técnica dos bielo-russos para vencer por 3 a 0 e deixar a vaga muito próxima para a fase de mata-mata do torneio. Com ótima atuação, novamente, da dupla Neymar e Suarez, e um bom retorno de Iniesta, os catalães seguem invictos na competição.

Com a vitória, o Barcelona chega aos 10 pontos com quatro partidas disputadas e lidera o Grupo E. Na próxima rodada, à ser disputada nos dias 23 e 24 de novembro, os espanhóis irão até Leverkusen encarar o Bayer. Podem carimbar a vaga neste jogo.

Já o BATE é o lanterna do grupo com 3 pontos e ainda segue com esperanças de classificação. Para isso, precisará vencer a Roma, jogando em sua casa, na rodada seguinte.

Domínio total do Barça, mas gol sai em lance polêmico

Contando com o retorno de Iniesta ao meio de campo, Luis Enrique preferiu escalar Sergi Roberto como ponta direita, auxiliado por Daniel Alves e Rakitic. Os bielo-russos tinham a esperança de esperar um erro e sair rápido pelas laterais.  Jogando no 4-5-1, mas cedendo muito espaço para armação de jogadas, o time amarelo não conseguiu parar o ataque espanhol, sofrendo desde o começo.

Dividindo as atenções do ataque com Neymar, Iniesta mostrava vasto repertório para assistir seus companheiros. A marcação era frouxa e a categoria do camisa 8 tomava forma maestrando a maioria do ataque do Barça. Mas a fase realmente não é. Novamente o Barcelona se viu obrigado à fazer uma alteração por contusão. Rakitic sentiu um problema na panturrilha direita e deu o lugar para Munir. A alteração mudou o o jeito da equipe jogar. Sergi Roberto passou a atuar como meia direita, enquando o jovem Munir foi atuar no lado direito de ataque.

E a jogada do primeiro gol nasceu de seus pés. Dani Alves abriu na direita para Munir. A bola foi na fogueira, mas o atacante deu um leve toque para tirar a marcação e trazer na diagonal. Suarez veio para a tabela, conseguiu dar o passe e Munir ia escapando da marcação quando Mladenović usou o braço para tocar nas costas do garoto catalão. Com isso, o jogador do Barça foi ao chão e ao árbitro mandou o jogo seguir, até ser dedurado pelo bandeira, assinalando pênlati. O lance duvidoso gerou o primeiro amarelo e cobrança calma, técnica, sem chance para o goleiro Chernik, que caiu na esquerda, após chute de Neymar no canto direito. Placar aberto.

O BATE não jogava mal. Tanto que teve algumas chances. A primeira em chute de falta de Stasevich, no canto de Ter Stegen, que caiu bem pra espalmar o chute. Na sequência, o mesmo Stasevich sairia livre na cara do gol, mas novamente Ter Stegen estava atento para sair com os pés e tirar o perigo.

Os lances de perigo dos bielo-russos acordaram o Barça que atacou mais e começou a perder vários gols. Munir, após passe de Neymar, tentou de volêio, parando em Chernik. Sergi Roberto e Dani Alves arriscaram da entrada da área e viram a bola passar muito próxima da trave. A movimentação intensa de Suarez possibilitava várias chances de tabela e infiltração, quebrando a parede defensiva do BATE. Mas ainda que tenha tido maior volume, o placar se manteve com apenas um tento para os mandantes.

Suarez e Neymar letais no segundo tempo

Sem mudanças, as duas equipes retornaram para o segundo tempo com posturas diferentes. Enquanto o BATE se abriu mais e buscou o ataque, o Barça aumentou o ritmo de criação, mas cansou de perder gols. A dupla Neymar e Suarez seguiram infernizando a defesa rival e contavam com o apoio de Iniesta para chegada de trás.

A ousadia do BATE poderia ser premiada com um pênalti, num lance que foi mais falta do que o marcado no primeiro tempo. A arbitragem mandou seguir e o castigo veio na sequência. Iniesta iniciou o contra ataque, abriu para Neymar na esequerda com liberdade, levantou a cabeça, olhou a chegada de Suarez. O brasileiro finalmente tocou a bola e o uruguaio só precisou de três toques na bola. Um de direita para dominar e entortar o zagueiro, um de canhota para adiantar a bola e um chute de bico de canhota, para mandar no cantinho rasteiro de Chernik, aumentando a vantagem.

O gol não diminuiu a intensidade dos catalães, que seguiram criando, muito na base da velocidade de Neymar. Primeiro, o brasileiro recebeu na esquerda e mandou um tiro de direita, obrigando a grande defesa de Chernik. Logo depois, Sergi Roberto mandou na área, a zaga só desviou, Neymar mandou um volêio, a bola foi andando por toda a pequena área e Luisito se esticou todo para concluir, mas sem ângulo, carimbou o poste de Chernik.

O placar adverso e a busca por algo ainda dentro do jogo, obrigou o time visitante a sair mais de seu campo e atacar. Sempre pela direita, Hleb cruzou e Nikolic tentou de cabeça, explodindo em Vermaelen. A bola sobrou para o menino Gumbau, que iniciou o contra ataque, achando o passe para Sergi Roberto. O meia teve um campo todo para criar e a defesa do BATE estava totalmente aberta. Sergi abriu na direita para Suarez. O uruguaio dominou, partiu em diagonal, teve a chance de marcar, mas tocou cruzado para Neymar chegar antes do zagueiro e ampliar o marcador. O terceiro gol sacramentou a vitória catalã e diminuiu o ritmo da partida.

Daí em diante, o estilo conhecido do Barcelona se impôs ainda mais. A troca de passes, as jogadas rápidas e passagens dos laterais seguiam, mas agora mais para impedir qualquer reação do BATE, que não veio e o apito final praticamente selou a vaga espanhola na próxima fase.

VAVEL Logo