Sem Falcao García, Monaco empata com Besiktas e segue sem vencer na Champions League
(Foto: Divulgação/Besiktas)

Em duelo válido pela quarta rodada da fase de grupos da Uefa Champions League, Besiktas e Monaco ficaram no empate por 1 a 1 na Vodafone Arena, na Turquia, nesta quarta-feira (1°). O conjunto do principado francês protagonizou uma de suas mais sólidas atuações defensivas na temporada, abrindo o placar e superando a pressão dos locais. No entanto, a agressividade ofensiva dos turcos resultou em diversas ocasiões de marcar e isto gerou igualdade no placar. Os gols foram anotados por Rony Lopes e Cenk Tosun.

Deste modo, o grupo G do torneio continental mais renomado do planeta segue marcado pelo equilíbrio entre as equipes que fazem parte da chave, com a exceção do Monaco, que praticamente deu adeus à disputa com este resultado somado hoje em combinação com a vitória do Porto diante do Leipzig.

Neste sentido, o Besiktas lidera o grupo e está confirmado nas oitavas de final da competição, com 10 pontos ganhos em quatro partidas realizadas. Logo em seguida, Porto e Leipzig estão com possibilidades reais e com pontuações similares: enquanto os portugueses acumulam seis pontos, os alemães têm quatro anotações. Por fim, o coletivo gerido por Leonardo Jardim é o lanterna da chave, com 2 pontos somados - podendo sonhar com acesso para Europa League através de uma possível terceira colocação.

Na próxima rodada dentro da UCL, o Besiktas receberá o Porto, em jogo crucial para os acontecimentos pendentes no grupo, no dia 21, ás 15h, novamente na Vodafone Arena. Em contrapartida, os monegascos jogarão em seus domínios frente ao Leipizig, na mesma data do outro confronto, às 17h45, no Stade Louis II.

Por outro lado, ambas equipes voltam atenções para os respectivos campeonatos nacionais. Sendo assim, o Monaco atuará em casa diante do Guingamp, nesse sábado (4), às 17h, pela 12° rodada da Ligue 1. Já os turcos terão confronto direto dentro da Super Lïg, diante do Göztepe, fora de casa, no domingo (5). 

Resistindo defensivamente, Monaco encontrou vantagem ainda na etapa inicial

Nos últimos anos, a equipe do Besiktas se caracterizou pela forma elaborada como representava perigo ao adversário em situações onde condicionava duelos individuais. Neste contexto, os turcos iniciaram a partida com linhas adiantadas e com bastante atletas em campo rival para gerar superioridades posicionais quando atacava.

Sobretudo, a estratégia era evidente: direcionar a posse ao lado esquerdo, produzir tabelas naquele costado e atrair o visitante para o flanco em questão, com intenções de inverter o esférico em sentido contrário em prol de propiciar condições favoráveis para o ponta português Ricardo Quaresma desequilibrar contra menos marcadores do Monaco. De maneira simples, com as passagens escoradas de Özyakup para associar junto de Babel, os locais criaram diversos problemas para a defesa rival nos primeiros minutos da partida, sempre com pressão alta e coordenada. 

Entretanto, a partir dos 20 minutos em diante, os visitantes conseguiram equilibrar as ações, somando incríveis 45 recuperações de posse apenas no primeiro tempo. Neste papel específico, o volante brasileiro Fabinho teve papel fundamental, roubando a bola em onze oportunidades, sendo objetivo para ligar contra-ataques e complementando as características do belga Youri Tielemans.

A grosso modo, o 4-2-3-1 implantado recentemente na equipe francesa está representando novos modos de competir, com uma demonstração clara dada neste jogo em especial, argumentando com bases táticas reativas e resistindo a pressão constante dos mandantes. Quando possuía a possessão, o ritmo baixo imposto para concluir transições afetou diretamente as ambições do time na partida, contando com a participação inativa de seus laterais no jogo como epicentro de tal problema. No momento derradeiro do período inicial, o ASM chegou a vantagem: Rony Lopes recebeu de Moutinho e finalizou no canto do goleiro adversário, premiando a postura dos visitantes.

Com um adversário mais passivo, Besiktas chegou ao empate

Percebendo as desvantagens de sua equipe nos costados para atacar com projeções dos laterais em combinações com os meias, o consagrado técnico Senol Gunes alterou o posicionamento dos fluxos ofensivos para explorar as debilidades defensivas do lateral-esquerdo Jorge, que sofreu para resistir contra o jogo vertical do Besiktas e concebeu oportunidades para criar perigos atacando os espaços vazios no seu flanco.

Deste modo, os locais acusaram a falta de continuidade para transformar construções objetivas em gols e esbarraram em uma brutalidade tremenda da defesa do Monaco para desarmar e interceptar de forma posicional.

No geral, as setenta prestações defensivas confirmaram versão mais dominante do sistema monegasco, porém este número perde ênfase se falarmos do aproveitamento após roubar a posse: com apenas 67% de efetividade nos passes, faltou coesão para conectar contra-ataques. Deste modo, o pênalti feito por Jorge e convertido por Tosun deu resultado final ao duelo, passando impressões que ainda há esperanças por parte dos franceses e principalmente, provando a competitividade do Besiktas.

VAVEL Logo