'Para sempre sua': Fiorentina e Cagliari aposentam camisa 13 em homenagem a Astori
Capitão se junta a grandes nomes do futebol e do esporte dos quais receberam tal homenagem (Foto: Divulgação/ACF Fiorentina)

Com diversas manifestações feitas nos últimos dias em homenagem à morte do zagueiro  Davide Astori, nesta terça-feira (6), Cagliari e Fiorentina se juntaram em redes sociais para fazer um comunicado em homenagem ao falecido defensor.

O comunicado trata-se do gesto póstumo com a frase 'Para sempre sua' da qual ambos os clubes, em consenso, se juntaram e decidiram aposentar a camisa de número 13, usada por Astori durante suas passagens pelas equipes.

No Cagliari, o defensor atuou por 179 partidas entre 2008 e 2014, onde marcou três gols e era visto como um ídolo da equipe da Sardenha. Já na Fiorentina, não foi diferente: Astori era o atual capitão e líder da equipe na qual estava desde 2016 atuando em 67 partidas marcando também o mesmo número de gols feitos no time sardo.

Uefa confirma respeito de minuto de silêncio nas partidas de UCL e UEL em homenagem a Astori

Meia da Fiorentina, Saponara relembra Astori: "Quem vai nos aquecer todo dia com um sorriso?"

Tal homenagem é destinada à jogadores que fizeram história por onde passaram, além de ser vista como o ápice do carinho de um clube para com o seu ídolo. No esporte o gesto é visto frequentemente, como a camisa 14 de Johan Cruyff, aposentada pelo Ajax (HOL), na Serie A, a número 10 do Napoli, que fora usada por Diego Maradona. Fora do âmbito do futebol, o mais recente foi Kobe Bryant, onde teve a camisa de números 8 e 24 aposentadas pelo Los Angeles Lakers na última temporada.

Davide Astori, 31 anos, foi encontrado morto na manhã deste domingo (4). As informações divulgadas pelo clube dão conta de que ele teria sofrido uma parada cardiorrespiratória enquanto dormia, no hotel La di Moret, em Údine, onde a Viola estava concentrada para enfrentar a Udinese, pela Serie A. Todas as partidas da rodada do fim de semana na Itália foram adiadas.

Nesta segunda-feira (5), o promotor de Údine, Antonio Di Nicolo, revelou que a polícia local abriu investigação sobre homicídio culposo - quando não há intenção de cometer um crime - para descobrir o motivo que levou à morte do jogador. Di Nicolo afirmou que as autoridades tem o "dever de verificar se a morte de Astori foi uma fatalidade trágica ou se alguém sabia alguma coisa. Por enquanto, ninguém é responsável, e nem há alguém que possa responder a qualquer coisa".

VAVEL Logo