Arsenal surpreende, vence Milan sem sustos e leva vantagem para Londres

Equipes mantém tradição entre si de o vencedor não tomar gols do adversário e Gunners levam um 2 a 0 bem construído para Londres

Milan
0 2
Arsenal
Milan: DONNARUMMA; CALABRIA (BORINI), BONUCCI, ROMAGNOLI E R. RODRÍGUEZ; BIGLIA, KESSIE E BONAVENTURA; SUSO, CUTRONE (ANDRÉ SILVA) E ÇALHANOGLU (KALINIC). TÉCNICO: GENNARO GATTUSO
Arsenal: OSPINA, CHAMBERS (ELNENY), MUSTAFI, KOSCIELNY E KOLASINAC (NILES); XHAKA, RAMSEY E WILSHERE; MHKITARYAN, OZIL (HOLDING) E WELBECK. TÉCNICO: ARSENE WENGER
Placar: 0-1, MIN. 14, MHKITARYAN; 0-2, MIN. 48, RAMSEY
ÁRBITRO: CLEMENT TURPIN (FRA). Amarelos: Kolasinac 60', Ramsey 71'.
INCIDENCIAS: partida de ida das oitavas de final da uefa europa league 2017/18, realizada no san siro, em milão, itália.

Antes da partida de ida das oitavas de final da Uefa Europa League entre Milan e Arsenal, era esperado que os italianos conseguissem sair com a vitória. Contudo, não foi isso que aconteceu na tarde desta quinta-feira (8). Jogando no San Siro, os ingleses saíram com o placar a favor de 2 a 0, com gols de Mkhitaryan e Ramsey, ainda no primeiro tempo. 

Agora, para classificar, os rossoneri precisarão bater os Gunners por dois gols de diferença (desde que marque no mínimo três) ou mais no jogo da volta, que acontece na próxima quinta-feira (15), em Londres. Os comandados de Arsène Wenger passam com triunfos, empates e derrotas por um gol de diferença. Novo 2 a 0, agora para os milanistas, leva o jogo à prorrogação.

Enquanto não voltam a se enfrentar daqui uma semana, os clubes focam seu esforços nos respectivos campeonatos nacionais. O Milan irá enfrentar o Genoa, fora de casa, no domingo (11), enquanto que o Arsenal, no mesmo dia, joga contra o Watford em seus domínios. 

Arsenal tem primeiro tempo dos sonhos e abre dois de vantagem sobre Milan

Donos da casa, o Milan tentou impor um estilo de jogo bastante ofensivo no início da primeira etapa. Logo com três minutos, a equipe de Gattuso já tinha tido três escanteios cobrados e algumas meia-oportunidades criadas, mas nenhuma que levasse perigo claro de gol à meta de Ospina. Até aí, parecia que a má fase do Arsenal iria prevalecer. Parecia. Os Gunners não foram tímidos e conseguiram sair jogando em diversas ocasiões.

E, em uma dessas investidas, os ingleses conseguiram abrir o placar. Mkhitaryan recebeu boa bola na esquerda depois de ótima troca de passes, conseguiu tirar o marcador da zona de chute e plantou o arremate que acabou vencendo Donnarumma, abrindo o placar no San Siro com 14 minutos de jogo. Depois daí, os anfitriões tiveram a bola por pouco mais de tempo que o oponente (53% contra 47%), mas também não conseguiram capitalizar.

Os Gunners passaram a apostar em contra-ataques como armas para matar a partida. Mkhitaryan teve uma oportunidade de alargar a vantagem em um, quando Welbeck puxou-o e conseguiu bom passe no meio da zaga, mas o armênio acabou acertando a trave em jogada semelhante ao tento. Nos minutos finais, o Milan conseguiu colocar nova pressão, agora com alguns cruzamentos e chegadas pelas laterais, mas nada que empatasse a partida. E, no último minuto da etapa inicial, Ramsey recebe o esférico em profundidade, passa pelo goleiro e apenas empurrar para o fundo das redes, fazendo o segundo dos visitantes na partida. 

Milan não assusta, Arsenal neutraliza adversários e saem vitoriosos do San Siro

Para a etapa complementar, a partida não mudou de cara do que foi no primeiro tempo. Logo no terceiro minuto, o Arsenal teve uma oportunidade com Welbeck, que aproveitou belo passe errado de Kessié para tentar tirar de Donnarumma e ampliar ainda mais a vantagem, mas não foi feliz com a chance que teve. O inglês acabou fazendo um bom jogo para os visitantes, embora tenha sido bem criticado nos últimos tempos. 

No meio da fase, as equipes começaram a fazer suas alterações táticas. O Milan se viu obrigado a tentar deixar o time mais ofensivo, colocando em campo uma equipe que pudesse causar perigo para os adversários, que trocavam seis por meia dúzia em suas substituições. Os donos da casa não conseguiram causar nenhum perigo de gol à meta de Ospina, mesmo que estivessem com a bola por mais tempo e tentassem com vontade criar chances. 

Com 32 minutos, os milanistas bem que tiveram uma nova meia-oportunidade, com Suso, que só havia aparecido em cobranças de faltas. O espanhol recebeu a bola dentro da área, ajeitou e bateu, mas a redonda subiu muito em relação ao gol. A tática defensiva do Arsenal continuou a funcionar e, quando tinham a bola, conseguiam gastar o tempo trocando a bola, frustrando os adversários. E assim foi até o fim da etapa final.