Guardiola é multado em £ 20 milhões pela FA por utilização de fita em protesto político

Pep fez uso do adereço em protesto contra a prisão dos líderes do movimento pró-independência da Catalunha; Utensílio foi usado em algumas ocasiões

Guardiola é multado em £ 20 milhões pela FA por utilização de fita em protesto político
Técnico é natural de Santpedor, Catalunha (Foto: Manchester City)

A polêmica envolvendo uma fita amarela e Pep Guardiola continua na Inglaterra. Após proibir o uso do adereço na última segunda-feira (5), nessa sexta-feira (9) a Federação Inglesa de Futebol (FA) anunciou a multa destinada ao técnico espanhol por ter utilizado a fita amarela em movimento político, em apoio a políticos catalães pró-independência da Catalunha. O valor que deverá ser pago por Pep será de 20 milhões de libras, que equivale a aproximadamente 90 milhões de reais.

+ Fita amarela com efeitos políticos usada por Guardiola é proibida pela Federação Inglesa

O treinador do Manchester City utilizou o utensílio em ação contrária a prisão dos líderes do movimento a favor da independência da Catalunha, região localizada na porção leste da Península Ibérica. Jordi Sánchez, Jordi Cuixart, Joaquim Forn e Oriol Junqueras encontram-se presos preventivamente, por estarem vinculados a tal organização.

Guardiola usou a fita em partidas pela Premier League, Copa da Inglaterra e Uefa Champions League. Na última partida pelo campeonato nacional, diante do Chelsea, o técnico não utilizou o adereço, porém na entrevista após a derrota para o Basel, na última quarta-feira (7), Pep o utilizou.

 + Basel ganha de virada, mas Manchester City se classifica na Champions League

Confira o anúncio oficial da Associação de Futebol da Inglaterra, divulgado nesta sexta-feira (9): “O técnico do Manchester City, Pep Guardiola, foi multado em 20 mil libras esterlinas e alertado sobre sua conduta futura depois de admitir uma acusação da FA por usar uma mensagem política, especificamente uma fita amarela, violando as normas da FA e os regulamentos de propaganda”.

No começo da semana, o importante dirigente da FA, Martin Glenn, se manifestou com contundência em defesa da decisão de sua organização de punir Guardiola, citando outros exemplos de manifestação, indo em encontro a tentativa de Pep tentar gerar mudança expressando o seu descontentamento a partir de uma simples fita. Dias depois Glenn pediu perdão por comentários que fez a respeito de símbolos políticos e religiosos, entre os quais estão inclusos a Estrela de Davi e a suástica nazista, que deveriam ser mantidos fora dos jogos.

O presidente da organização independendista da Catalunha Òmnium Cultural, Cuixart, encontra-se preso preventivamente por suposto episódio de crime de sedição e fez agradecimentos pelo artigo que o jornal inglês The Guardian publicou nesta sexta-feira apoiando Pep Guardiola: “É simplesmente um sinal de solidariedade com pessoas que foram encarceradas de forma injusta, como as famílias dos reféns americanos retidos na crise da embaixada de Teerã em 1979 que rezavam por sua liberdade”.