Boca Juniors e River Plate duelam em Mendoza pelo título da Supercopa Argentina

Nas Malvinas Argentinas, rivais, que vivem momentos distintos na temporada, jogam pelo título inédito da Supercopa Argentina

Boca Juniors e River Plate duelam em Mendoza pelo título da Supercopa Argentina
Foto: Marcelo Endelli/LatinContent WO
Boca Juniors
River Plate
Boca Juniors: Rossi; Jara, Goltz, Magallán, Fabra; Nández, Barrios, P. Pérez; Pavón, Tévez e Cardona.
River Plate: Armani; Montiel, Maidana, Martínez Quarta, Saracchi; Fernández, Pérez, Ponzio, Martínez; Pratto e Mora.
INCIDENCIAS: Superclássico entre Boca Juniors e River Plate, válido pela Supercopa Argentina 2017, no estádio Malvinas Argentinas, em Mendoza

Nesta quarta-feira (14), Boca Juniors e River Plate duelam pela Supercopa Argentina 2018. O Superclássico será disputado às 21h10, no estádio Malvinas Argentinas, em Mendoza. Ambos os clubes tentam conquistar seu primeiro título da competição. Cada um disputou o torneio duas vezes, sendo derrotados nessas oportunidades.

Os clubes vivem momentos um tanto quanto distintos na temporada. Enquanto o Boca lidera com folga a Superliga e está perto do título, o River ocupa a 18ª posição na tabela. Talvez a única semelhança seja o fato de ambos terem empatado na primeira rodada da Libertadores, jogando fora de casa: o River, num 2 a 2 contra o Flamengo; o Boca, num 0 a 0 contra o Alianza Lima.

Nos últimos cinco confrontos entre as equipes em Mendoza, houveram duas vitórias de cada time e um empate. Todos foram de maneira amistosa, pelo possante Torneio de Verão. Destaque para a goleada dos bosteros por 5 a 0, em 31 de janeiro de 2015. Porém, na última partida no estádio, deu River: 1 a 0, com gol de Rodrigo Mora, em 30 de janeiro de 2016.

Próximo do título da Superliga, Boca tenta sua primeira Supercopa

O Boca vem de vitória heroica por 2 a 1, contra o Tigre. (Reprodução: Daniel Jayo/Getty Images)
O Boca vem de vitória heroica por 2 a 1 sobre o Tigre (Reprodução: Daniel Jayo/Getty Images)

Que os comandados de Guillermo Barros Schelotto vivem grande fase, não é novidade para ninguém. Na Superliga 2017/18, o clube é líder com folga: são oito pontos de vantagem para o vice-líder Talleres. Na temporada (contando com a última edição da Copa Argentina), são 17 vitórias, dois empates e quatro derrotas.

Na última janela, fizeram grandes contratações, como o lateral-esquerdo Emmanuel Más (29), ex-San Lorenzo e Trabzonspor, o meia Emanuel Reynoso (22), ex-Talleres e o consagrado atacante Carlos Tévez (34), que estava no chinês Shanghai Shenhua. Com esses e outros grandes nomes, o elenco bostero é uma verdadeira constelação, e por essas e outras, o time é um dos grandes favoritos em todas competições que disputa, como por exemplo, a Copa Libertadores da América.

Mas engana-se quem pensa que o gigante argentino já tem todos os títulos possíveis em sua galeria: o clube nunca conquistou a Supercopa Argentina. Em duas das cinco edições, o clube esteve presente, porém foi vice em ambas. Em 2012, chegou como campeão da Copa Argentina 2011/12, e perdeu para o Arsenal de Sarandí, nos pênaltis. Já na edição de 2015, os Xeneizes, que venceram o Campeonato Argentino e a Copa Argentina na temporada anterior, foram goleados pelo San Lorenzo (que disputou a Supercopa por ter sido vice-campeão da Primera División), por 4 a 0.

Em busca do título inédito, esses são os onze escolhidos de Schelotto para iniciarem o Superclássico: Rossi; Jara, Goltz, Magallán, Fabra; Nández, Barrios, P. Pérez; Pavón, Tévez e Cardona.

Em má fase, River tenta título que salvará emprego de Gallardo

O River também vem de vitória heroica: 1 a 0 contra o Patronato (Foto: Agustin Marcarian/Getty Images)
O River também vem de vitória heroica: 1 a 0 contra o Patronato (Foto: Agustin Marcarian/Getty Images)

Vivendo uma fase completamente distinta de seu maior rival, o River Plate entra em campo nesta quarta em busca de recuperação, e pra isso, nada melhor que um título. E o técnico Marcelo Gallardo, que vive forte pressão pelos lados de Núñez, vê nesse jogo a chance de estabilizar sua situação e manter o emprego.

Fazendo jus ao apelido de Millonarios, a diretoria do River também fez grandes investimentos na última janela. Quatro reforços totalizaram um gasto de quase 86 milhões de reais. E foram eles: o goleiro Franco Armani (31), ex-Atlético Nacional, o volante Bruno Zuculini (24), que defendia o Hellas Verona, o meia Juan Fernando Quintero (25), que estava atuando no Independiente Medellín, e o atacante Lucas Pratto (29), que tem passagens por Vélez Sarsfield, Atlético Mineiro e São Paulo.

Entretanto, mesmo com o forte investimento, o Millo faz uma decepcionante Superliga: ocupa a 18ª posição, com 23 pontos - exatamente 23 pontos atrás do maior rival, e dez atrás do G-5. Faltando somente oito rodadas para o fim do Campeonato Argentino, a maneira do clube conseguir vaga para a Libertadores de 2019 é conquistando a atual edição da própria competição ou vencendo a Copa Argentina. É complicadíssimo classificar-se via Liga.

Assim como o Boca, o River Plate nunca conquistou a Supercopa Argentina. Na edição de 2014, o clube chegou como campeão do Campeonato Argentino, mas foi derrotado pelo Huracán, por 1 a 0. Já na edição de 2016, conquistou a vaga via Copa, e foi goleado por 3 a 0 pelo Lanús.

Os onze titulares de Gallardo para o grande embate desta quarta-feira, são: Armani; Montiel, Maidana, Martínez Quarta, Saracchi; Fernández, Pérez, Ponzio, Martínez; Pratto e Mora.