Análise: mesmo sem Shaqiri, Suíça mostra consistência para vencer amistosos contra Grécia e Panamá

Buscando manter o ritmo de jogo para disputa da Copa do Mundo, as seleções aproveitaram essa última data Fifa para realizar amistosos. A Suíça, adversária do Brasil na estreia no dia 17 de junho em Rostov, foi a campo em duas oportunidades. Os suíços saíram com saldo positivo, vencendo Grécia e Panamá, por 1 a 0 e 6 a 0, respectivamente.

Para os confrontos, não teve a presença de dois jogadores titulares, os volante Zakaria e meia Shaqiri. O armador, inclusive, é a principal peça do setor ofensivo, uma vez que comanda maioria dos lances de ataque e teve grande destaque na última edição do torneio, realizado em 2014 no Brasil.

Contra os gregos, o técnico Vladimir Petkovic entrou com a equipe dita titular, apesar de ter a base tática alterada pela ausência de atletas que não foram convocados por lesão. O time iniciou no 4-1-4-1: Sommer; Lichtsteiner, Schär, Akanji e Ricardo Rodríguez; Behrami; Freuler, Xhaka, Embolo e Dzemaili; Seferovic.

Dzemaili marcou o único gol sobre os gregos (Foto: Dimitrios Karvountzis/Pacific Press/LightRocket/Getty Images)
Dzemaili marcou o gol diante dos gregos (Foto: Dimitrios Karvountzis/Pacific Press/LightRocket/Getty Images)

Na ocasião, Xhaka atuou mais solto pela cabeça de área, com Behrami fazendo a função de primeiro volante. O meio-campo, por isso, não era dinâmico e tinha apenas Embolo dando o gás. Após sair em vantagem, Petkovic até manteve a tática, porém reforçou a consistência da zona de marcação e deu sequência também à linha de quatro na defesa, tal como a velocidade do meio para frente.

Ante os panamenhos, em casa, o treinador decidiu testar novos nomes e manter o esquema: Bürki; Lang, Elvedi, Djourou e Moubandje; Xhaka; Gelson Fernandes, Dzemaili, Embolo e Zuber; Gavranovic. Agora Xhaka voltou a fazer a função de origem, com Gelson fazendo cobertura pela direita e Dzemaili caindo pela esquerda junto a Zuber ou centralizando para voltar ao 4-2-3-1 usado nas Eliminatórias.

Foi nessa variação que saiu o primeiro gol e abriu a porteira adversária no duelo. Assim, ficaram mais à vontade para ir ao ataque e puderam neutralizar melhor. Boa parte das jogadas foram pelo meio, mantendo os laterais mais na linha defensiva. Algumas mexidas foram realizadas, mas com intuito de descansar os atletas e sem novos testes.

VAVEL Logo