'Cuqui' Márquez marca duas vezes, Defensa bate Boca e esquenta briga pelo título

'Cuqui' Márquez marca duas vezes, Defensa bate Boca e esquenta briga pelo título

Antes de enfrentar o Palmeiras pela Libertadores, Xeneize tropeça em casa e pode ver San Lorenzo e Talleres se aproximarem

leonardodomingues
Leonardo Domingues
Boca JuniorsRossi; Buffarini (Benítez, min. 85), Goltz, Magallán, Fabra; Reynoso (Maroni, min. 71), Barrios, Nández; Pavón, Bou (Ábila, min. 71) e Cardona. Técnico: Guillermo Schelotto.
Defensa y JusticiaUnsain; Molina, Gissi, Martínez, Almeida; Cristaldo (Cubas, min. 61), Bareiro, Pochettino (Kaprof, min. 73); Rius, Márquez e Fernández (Tijanovich, min. 43). Técnico: Juan Pablo Vojvoda.
Placar0-1, min. 5, Márquez. 1-1, min. 32, Gissi. 1-2, min. 76, Márquez.
ÁRBITROFernando Rapallini. Amarelou Pochettino (min. 72) e Márquez (min. 77).

Após vencer o Talleres, o 33º título argentino parecia questão de tempo para o Boca Juniors. Entretanto, neste sábado (07), o clube recebeu o Defensa y Justicia e saiu derrotado por 2 a 1. No primeiro tempo, Fernando Márquez abriu o placar. Minutos depois, Dylan Gissi, contra, empatou para os bosteros. Mas o mesmo Márquez voltaria a marcar mais tarde, fechando o placar.

A equipe de Guillermo Barros Schelloto entrou em campo com um misto entre cansaço, adormecimento e desatenção, após duas partidas de alta tensão contra Talleres e Junior Barranquilla, ambas em La Bombonera - o Boca venceu as duas. 

O Defensa y Justicia, que não tinha nada com isso, tratou de abrir o placar depois de uma das tantas jogadas em que a defesa do Boca ficou exposta. Aos 5 minutos, o ponta-esquerda Nicolás Fernández escapou pelo outro lado, recebeu grande bola de Nahuel Molina e serviu o camisa 9 Fernando Márquez, que, sem marcação, dominou e bateu no canto de Agustín Rossi.

O Boca tentava levar perigo, mas esbarrava na faltava de criação. Os diversos cruzamentos serviam apenas para consagrar os zagueiros Lisandro Martínez e Dylan Gissi. Até que aos 32', Cristian Pavón cruzou para Walter Bou, mas antes dele completar para o gol, o suíço Gissi marcou contra: 1 a 1.

Segundos depois, após nova falha bizarra da defesa do Boca, Fernández teve o 2 a 1 em seus pés, mas Rossi fez grande defesa.

O Boca corria muito, mas jogava pouco. Os pibes formados na Casa Amarilla, Franco Cristaldo e Tomás Pochettino, iam controlando o jogo para os visitantes. O goleiro Ezequiel Unsain não realizou nenhuma defesa nos 45 minutos iniciais, já que com exceção ao gol, a bola praticamente não chegou à área do Defensa. 

Já na segunda etapa, o Boca poderia ter vencido. Pavón teve duas chances claras, mas foi infeliz finalizando. À essa altura, o Halcón se sentia cada vez mais satisfeito com o empate. A entrada de Andrés Cubas por no lugar de Franco Cristaldo reforçou ainda mais o sistema defensivo.

Aos 31', erro terrível do capitão Lisandro Magallán. Ao tentar sair jogando, o zagueiro deixou a bola de bandeja - em uma releitura do lance protagonizado por Rolando Schiavi e Emerson Sheik, na final da Libertadores de 2012 - para Fernando "Cuqui" Márquez, que cara a cara com Rossi, marcou seu segundo gol na partida: Defensa 2 a 1.

Cuqui foi, sem dúvidas, o grande protagonista da noite. Sempre perigoso, incomodou a defesa do Boca, foi oportunista e converteu suas chances mais claras. Além disso, cometeu pênalti no zagueiro Paolo Goltz, mas o árbitro Fernando Rapallini deixou o jogo seguir, para revolta dos xeneizes.

Nos minutos finais, uma verdadeira aula de como se defender. O Defensa correu, pressionou na saída de bola e não deu um centímetro ao Boca, conquistando uma vitória histórica que pode mudar o futuro do campeonato.

Na próxima rodada, o líder, com 50 pontos, Boca Juniors visita o Independiente - domingo (15), às 20h. Antes disso, pode ver San Lorenzo (que tem 42) e Talleres (que possui 41) se aproximarem e voltarem à briga pelo título, já que ainda jogam nesta rodada.

Contudo, o foco do Boca agora é na Libertadores. Na próxima quarta (11), os argentinos enfrentam o Palmeiras, no Allianz Parque. Os brasileiros lideram o Grupo H com seis pontos, enquanto os comandados de Schelotto possuem quatro.

Após três tropeços consecutivos, o Defensa y Justicia volta à vencer e sobe três posições. O clube agora é o 12º, com 32 pontos. Para entrar na zona de classificação à Copa Sul-Americana de 2019, recebe, também no próximo domingo, o Racing, às 20h.

VAVEL Logo