Acervo VAVEL: Old Firm e o sectarismo em Glasgow

Entenda a história do Old Firme, o clássico que vai muito além das quatro linhas

Após viajar pela Alemanha e conhecer uma parte da grandiosa história do Bayern de Munique, o ACERVO VAVEL desta semana seguirá na Europa, mas fará uma grande viagem. Da Espanha, para a Escócia. Tão pouco falado país do Reino Unido, a Escócia abriga uma das maiores rivalidades do futebol internacional. Onde, aqui, se encaixará várias frases clichês como: "não é só futebol" ou "além das quatro linhas".  Hoje, falaremos, como convidado da coluna ACERVO VAVEL, do grandioso Old Firm e toda a história do sectarismo em Glasgow.* 

Existe um dizer entre os mais sábios de Glasgow que fala o seguinte: "O rio Clyde não seria tão importante se não separasse o Celtic do Rangers". Nada tão verdadeiro para definir a rivalidade entre os dois maiores clubes da Escócia, conhecida como Old Firm, visto que o tempo mostrou a importância que a distância e obstáculos entre eles têm. E é desse dérbi, que envolve sectarismo e discordâncias políticas, que o ACERVO falará essa semana. 

A história 

Para entender o começo da rivalidade, é importante saber um pouco da rivalidade histórica que existe entre Católicos e Protestantes, vindo do século XVI, na Reforma Protestante, que foi um movimento de protesto contra doutrinas da Igreja Católica. Martinho Lutero, um monge agostiniano e professor teológico, protestou com as suas “95 teses”, propondo uma reforma no catolicismo romano. Alguns governantes pela Europa adotaram a ideia e apoiaram o movimento, porém Roma não aceitou tais reformas, resultando numa separação entre os Católicos Ocidentais e os Protestantes.

Reforço policial se mostrou sempre necessário durante a história do clássico; imagem da final da Copa da Escócia em 1980 (Foto: Mark Leech / Offside via Getty Images)
Reforço policial se mostrou sempre necessário durante a história do clássico; imagem da final da Copa da Escócia em 1980 (Foto: Mark Leech / Offside via Getty Images)

Passados alguns anos, chegamos ao século XIX. Durante a metade desse século, a Irlanda atravessvou um período bastante conturbado, passando pela época da Grande Fome e conflitos internos. Falava-se com todo gás sobre a independência do Reino Unido (parece, aqui, um tanto anacrônico, não?) e, procurando fugir de todos esses problemas, alguns habitantes migraram para o leste de Glasgow. Anos mais tarde, a Irlanda do Sul, sendo mais tarde República da Irlanda (predominantemente católica) conseguiu a independência, enquanto a Irlanda do Norte (predominantemente protestante) optou continuar entre as linhas britânicas.

Nessa migração para o leste da maior cidade escocesa, fundou-se o Celtic, na época uma 'fundação do futebol' para arrecadar dinheiro e ajudar as pessoas que chegaram em terras de William Wallace. Um ano mais tarde, esse time passou a jogar oficialmente e, por tabela, recebeu simpatia dos católicos, sejam irlandeses ou escoceses. Em contrapartida, os conservadores e protestantes da cidade adotaram o outro grande clube da cidade para apoiar: o Rangers. Nascia a rivalidade entre Celtic e Rangers, o tão conhecido Old Firm.

Brigas e trâmites envolvendo o Old Firm

Em uma parte do globo que gerou conflitos religiosos tão forte quanto se vê no oriente médio nos dias atuais, o futebol foi usado como um artifício para embates entre as duas religiões. No Gers, por exemplo, há o boato que o clube não aceitava jogadores católicos defendendo as cores da equipe, e, mesmo sem nenhuma prova concreta no papel de que havia uma lei interna pra definir o assunto, um jogador dito católico foi vestir a cor azul da cidade apenas em 1989, e só dez anos mais tarde, teve o primeiro capitão católico.

O Celtic, por sua vez, aceitava os protestantes andando nos corredores do Celtic Park. Tanto aceitava que o seu maior ídolo, a lenda Jock Stein, o responsável pelo título europeu, era protestante. O homem tem uma arquibancada em seu nome no Celtic Park, a sua frase famosa dita aos torcedores de “Futebol não é nada sem os torcedores” (Football is nothing without the fans) no corredor de acesso ao gramado e uma estátua na entrada do estádio erguendo a orelhuda. E bem no meio, colocando Brother Walfrid, fundador do time, ao seu lado direito. Kenny Dalglish, outra lenda do 'folclore celta' também era protestante.

Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Mas, quando levado para o lado de fora das quatro linhas, a situação fica bem mais 'pesada'. Brigas e até mortes por causa do sectarismo aconteciam e acontecem em sua grande maioria antes ou depois do clássico Old Firm. Em um dado extraído de documentos da BBC News Scotland e Guardian, nos anos de 2004 e 2005 as ocorrências tidas nas delegacias do país tiveram um aumento de 50% em 18 meses para casos sectaristas. Dos 726 casos desse período, 64% eram contra Católicos e a maioria do resto (31%) contra protestantes. O ponto máximo dessa briga talvez tenha sido em 1996, quando o jovem torcedor dos Bhoys, Mark Scott, foi assassinado por Jason Campbell, torcedor dos Gers. Com essa morte, a caridade contra o sectarismo Nil by Mouth foi criada.

Também há de se lembrar da grande invasão que teve no Hampden Park, na final da Copa da Escócia de 1980. Na ocasião, o Celtic venceu com gol na prorrogação e, no fim da partida, os jogadores foram comemorar com os torcedores. Alguns deles acabaram saindo da arquibancada para comemorar com os seus 'heróis', até que um torcedor dos Hoops foi até o lado da torcida do Rangers e chutou a bola no gol daquele lado. Isso resultou em invasão dos Gers e uma briga foi instaurada no gramado do estádio. Tijolos, canos e garrafas fizeram parte da disputa. 

O rivalidade - ou, pode-se dizer, ódio - existente entre as partes é tanta, que contos dizem que algumas muitas famílias não deixavam seus filhos se relacionarem de maneira nenhuma com quem era 'do outro lado', seja em qualquer tipo de relacionamento afetivo. 

Guerras Civis, o IRA (grupo terrorista separatista irlandês), apontamentos políticos e o ódio antigo se juntaram e culminaram no sectarismo em Glasgow e em toda a Escócia. O futebol, como já foi aqui mencionado, apenas foi usado como um intermédio para que isso tomasse proporções físicas. Isso, junto com as grandes partidas entre os dois lados, colocam o Old Firm como um dos maiores clássicos do mundo, seja em respeita ou no que diz respeito ao principal assunto que se envolve um clássico: o desgosto pela outra parte. 

A rivalidade exacerbada do Old Firm repercute no campo; clássico é um dos mais faltosos (Foto: Getty Images)
A rivalidade exacerbada do Old Firm repercute no campo; clássico é um dos mais faltosos (Foto: Getty Images)

VAVEL Brasil espera que você, caro leitor, tenha gostado dessa viagem histórica pela Escócia, conhecendo mais o Old Firm! Outras, certamente, virão.

*texto a ser realizado pelo convidado especial do ACERVO VAVEL, Gerson Barbosa, coordenador do Futebol inglês e cearense VAVEL Brasil. 

 

Próximo texto do ACERVO VAVEL (1/5): "Copas do Mundo: 1934 e a Itália de Mussolini"