Seleções tradicionais em período de reconstrução, Itália e Holanda empatam em amistoso

Seleções estão ausentes da Copa do Mundo; Zaza abriu o placar para os italianos, mas Nathan Ake buscou o empate para os holandeses nos minutos finais

Seleções tradicionais em período de reconstrução, Itália e Holanda empatam em amistoso
NurPhoto/Getty Images
Itália
1 1
Holanda
Itália: Perin; Zappacosta (De Sciglio, min. 59), Romagnoli, Rugani e Criscito; Cristante, Jorginho (Baselli, min. 78) e Bonaventura (Pellegrini, min. 87); Verdi (Chiesa, min. 61), Belotti (Zaza, min. 63) e Insigne (Bonucci, min. 70). Técnico: Roberto Mancini.
Holanda: Cilessen; Hateboer (Janmaat, min. 46), De Ligt (Nathan Ake, min. 71), Van Dijk, Blind (Weghorst, min. 78) e Vilhena; Vormer (Berghuis, min. 70), De Roon (Promes, min. 78) e Wijnaldum; Babel (Elia, min. 82) e Memphis Depay. Técnico: Ronald Koeman.
Placar: 1-0, Zaza, min. 67. 1-1, Nathan Ake, min. 88
ÁRBITRO: Vladislav Bezborodov (RUS) | Cartões amarelos: De Roon (HOL, min. 28), Vorner (HOL, min. 43), Chiesa (ITA, min. 75), Zaza (ITA, min. 89) e Janmaat (HOL, min. 92)| Cartão vermelho: Criscito (ITA, min. 69)
INCIDENCIAS: Amistoso disputado no Allianz Stadium, em Turim, Itália

Um amistoso que poderia muito bem ser preparatório para a disputa da Copa do Mundo. Mas, pelo insucesso nas Eliminatórias Europeias, Itália e Holanda já pensam em reconstrução, uma vez que se ausentam do Mundial. As equipes se enfrentaram na tarde desta segunda-feira (4), no Allianz Stadium, em Turim. Iguais na situação em que se encontram, iguais também no placar. Zaza abriu o placar para a Squadra Azzurra, enquanto Nathan Ake igualou o marcador para a Laranja Mecânica nos minutos finais.

O primeiro tempo foi melhor trabalhado pela anfitriã da partida. A Itália começou a partida com uma postura ofensiva e chegou a balançar as redes aos três minutos com Belotti, mas a arbitragem anulou o lance ao alegar impedimento do atacante. O próprio jogador teve outra boa chance de deixar sua marca quando recebeu ótimo passe no meio da defesa e emendou chute baixo. O goleiro Cilessen defendeu no meio da meta. No minuto seguinte, foi a vez de Verdi ser acionado na entrada da área e arrematar. A bola subiu e passou perto.

O segundo tempo foi mais movimentado e mais parado, por mais paradoxal que possa parecer. As muitas modificações promovidas por Roberto Mancini e Ronald Koeman para observarem suas equipes deixaram o panorama da partida mais modificado, com o entrosamento dos jogadores que estavam em campo. Para a Itália, a mais efetiva foi a entrada do atacante Simone Zaza. Com apenas quatro minutos no gramado, o atacante recebeu na área e finalizou para abrir o marcador. Porém, a Azzurra ficou com um jogador a menos quando Criscito cometeu falta violenta e recebeu cartão vermelho.

A partir desse instante, a Holanda, que já apresentava melhor eficácia no campo ofensivo, ficou mais solta. Com um jogador do setor defensivo a menos, os donos da casa adotaram uma estratégia mais defensiva, tradicional de sua escola. A Laranja Mecânica teve três boas oportunidades. Na primeira, Memphis Depay ficou com a sobra depois de falta cobrada e arrematou com perigo, para a boa defesa do goleiro Perin. Na segunda, Vilhena arriscou e tirou tinta da trave. Na terceira, Berghuis arriscou de longe e Perin defendeu. Apenas na quarta finalização, veio o empate. Aos 43 minutos, Berghuis cruzou e Nathan Ake completou para as redes e definiu o placar do amistoso.