Atual vice-campeão, Marseille fecha participação pífia na UEL com derrota em casa para Apollon
Foto: Reprodução/Apollon FC

Atual vice-campeão, Marseille fecha participação pífia na UEL com derrota em casa para Apollon

Mesmo sem nenhuma motivação para avançar à fase seguinte da competição, ciprianos fazem 3 no time francês ficam e alcançam melhor resultado da história do time na Liga Europa

gabriel_oandrea
Gabriel Andrea

Possivelmente no jogo de “menor valor” da tarde de desta quinta-feira (13), Apollon e Olympique Marseille se cruzaram num jogo em que os dois times cumpriam tabela na Europa League, isso porque ambas as equipes já entraram no estádio Vélodrome, na cidade de Marseille, já eliminadas da competição e nas últimas colocações do grupo H. Os já garantidos na próxima fase do torneio, Eintracht e Lazio, tinham 15 e 9 pontos, respectivamente. O Apollon, equipe visitante do Chipre, tinha 4 pontos ganhos, contra apenas 1 pontinho da grande surpresa do grupo, o grande Marseille.

O técnico Rudi Garcia escalou alguns de seus titulares para encarar o Apollon  dentro de casa. Rami, a dupla Strootman e Luiz Gustavo, além de Thauvin e o craque Payet eram os grandes nomes do Marseille para bater o Apollon e garantir a 3ª colocação final do grupo. O time cipriota, por sua vez, vinha de uma improvável vitória por 2 a 0 contra os italianos da Lazio na última rodada. O time comandado por Sofronis Avgousti foi a campo desenhado num 3-5-3 bem definido em apostar nas bolas lançadas para o camisa 9, Maglica.

A partida já começou com fortes emoções. Antes dos 5 minutos de jogo, era o time visitante quem ditava o jogo da partida. Já na primeira boa jogada de ataque, o lateral-esquerdo Kamara derrubou Schembri na grande área e o juiz assinalou penalidade máxima. Para piorar, como o atacante do Apollon era o último homem antes do goleiro, o defensor do Marseille acabou expulso direto de campo. Maglica cobrou com perfeição e fez 1 a 0,  logo aos 6 minutos de jogo.

Com um a menos, os mandantes tiveram que se virar para encontrar a formação ideal com o lado esquerdo enfraquecido. Mas não demorou muito para o gigante francês dar a devida resposta. Florian Thauvin recebeu cruzamento na pequena área e resvalou de cabeça para empatar a partida em Marseille.

Justamente quando poderia se pensar que o time da casa não sentiu a expulsão de Kamara, veio a pressão dos visitantes. Esta, que se estagnou até o final da primeira etapa, quando o time cipriota batia os 65% de possessão de bola, quase sempre em seu campo de ataque e agredindo o Olympique. Muito abatido no meio-de-campo, a equipe francesa sentia as subidas dos cipriotas, que caíam com frequência pelo lado direito da defesa deles, onde estava o japonês Sakai, que jogava quase como um terceiro zagueiro.

Depois de muito morder a defesa do Marseille, foi Anton Maglica quem fez o segundo do Apollon, em tabela com Sardinero, aos 30 minutos. Era o 2º do Apollon contra um Marseille completamente amedrontado dentro de campo. Até o final da primeira etapa, não deu outra: a equipe cipriana era quase fatal nos contra ataques e os franceses se escondiam na defesa. Não fosse as investidas de Payet e suas excelente técnica com bolas paradas, os Phocéens nem sequer ameaçaria o gol adversário.

Na volta do segundo tempo o time francês até ameaçou tentar voltar para o jogo, mas sentia o buraco que tinha em campo desde a expulsão de seu defensor nos minutos iniciais da partida e que não souberam recompor com a qualidade esperada. E o Apollon continuava martelando, até que, aos 11 minutos do returno, Stylianou pegou a sobra no lado direito da área do Marseille e mandou um pombo sem asa no ângulo, em um golaço sem chances de defesa para o goleiro Escales.

Neste momento e com 3 tentos de revés no placar, a torcida francesa já começava a perder a paciência com os jogadores em campo e o técnico Rudi Garcia, ensaiando uma leve vaia que perdurou até a metade da etapa final, quando os donos da casa melhoram seu futebol e conseguiu botar a bola no chão. Mesmo com mais qualidade, o Marseille era praticamente inofensivo e pouco levava de real perigo ao gol de Bruno Vale. A partir daí, foi o momento em que o Apollon resolveu administrar o ótimo resultado que estavam alcançando na França, até o final do jogo.

Mesmo sem mudar em nada na tabela, o poderoso Olympique Marseille foi bem expressivo para o time de Chipre, que agora pode retornar a seu campeonato nacional com bastante moral e brigar de vez pelo título do torneio. Já o Marseille tem muitos erros a corrigir. Além de tudo, seu torcedor espera uma explicação condizente e que justifique o último lugar em seu grupo na Liga Europa.

VAVEL Logo