"O poder da diversidade" é tema de discussão na Equal Game da Uefa
(Foto: Reprodução/Uefa)

"O poder da diversidade" é tema de discussão na Equal Game da Uefa

Conferênia que acontece esta semana em Londres, reúne profissionais do futebol de todas as categorias e discute a importância do respeito dentro e fora de campo

marinaaleite
Marina Leite

Em mais um dia de conferência, a Equal Game discutiu nesta quarta-feira (3) “O poder da diversidade”. O painel chamado “Voices from the pitch” (vozes do campo), em Wembley, contou com alguns convidados: Yaya Touré, ex-jogador de Barcelona, ​​Manchester City e Costa do Marfim, o treinador da seleção da Bélgica, Roberto Martínez, Rachel Yankey, ex-jogadora de futebol da Inglaterra, a treinadora do London Bees e Bibiana Steinhaus, primeira mulher a arbitrar em jogos da Bundesliga. Jason Roberts, diretor de desenvolvimento da CONCACAF (Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caribe), também estava presente.

"Gênero não importa"

Sobre o tema do gênero, Bibiana Steinhaus falou de forma impressionante sobre seus esforços para se mostrar como uma oficial feminina na Bundesliga masculina, dizendo: "Tudo se resume a liderança, se resume em tomada de decisões, comunicação, inteligência emocional, com os jogadores e seus problemas, e por que uma mulher não poderia fazer da mesma maneira que um homem? Eu realmente tenho que dizer que os jogadores e os treinadores de minhas experiências não se importam. Você quer ter a melhor pessoa possível nessa função, e o gênero não importa."

"Eu amo a diversidade do futebol, e um dos pontos fortes do futebol é que temos diversidade no campo, e eu gostaria de ter isso ainda mais fora de campo", acrescentou.

"A diversidade é poderosa"

Roberto Martínez falou sobre como as equipes de futebol se beneficiam da diversidade — de diferentes culturas e nacionalidades — ao transmitir suas experiências supervisionando vestiários multi-nacionais na Premier League inglesa e, mais recentemente, com a seleção da Bélgica. Ele disse: "Não há dúvida de que a diversidade é poderosa. Na Bélgica, temos um grupo incrivelmente diversificado, temos três idiomas oficiais e funciona. Não há um ponto de interrogação - funciona porque todos sabem que existem origens diferentes, e você precisa ser respeitoso com isso."

"Precisa mudar no topo"

Rachel Yankey elaborou a necessidade de respeito em todos os níveis do jogo - e disse que os jogadores de elite do futebol tiveram um papel importante a desempenhar como exemplo. "Eu trabalhei no futebol de base, e alguns dos [comportamentos] são inacreditáveis", disse ela. "No nível mais alto, você acha que os árbitros são maltratados? Vá e olhe para o futebol de base, é terrível. Precisa mudar no topo, então ajuda o fundo."

Houve um testemunho forte e poderoso de Jason Roberts, como ele refletiu sobre o papel pioneiro de seu tio Cyrille Regis e como um jogador de futebol negro que sofreu abuso racista na Inglaterra nas décadas de 1970 e 80: "ele teve que ficar e suportar esse cenário". Roberts questionou o problema atual da falta de oportunidades em cargos de gerência para candidatos BAME (negros, asiáticos e minoritários étnicos) no jogo inglês.

"Nós realmente precisamos olhar para a tomada de decisões e a oportunidade para treinadores, gerentes, para aqueles cargos de liderança e administração”, disse ele, citando o fato de que havia “mais de trinta por cento dos jogadores são BAME, mas quatro por cento em coaching e gerenciamento. funções em nossas quatro ligas na Inglaterra. Você está limitando as oportunidades das pessoas de continuar suas carreiras", finalizou o diretor.

Um ponto reforçado por Yaya Touré, que se entusiasmou com os primeiros passos do seu irmão Kolo no treino como assistente de Brendan Rogers no Leicester City FC, mas encontrou motivos para preocupação em recentes incidentes de discriminação em estádios de futebol. "Eu não vi progresso", disse ele, antes de chamar de "diversidade no topo" e "mais e mais comunicação" — incluindo entre os companheiros de equipe que sofrem abuso.

"Vamos chegar lá"

A discussão terminou em uma nota positiva, no entanto, com Roberts citando a forma articulada como alguns jovens jogadores ingleses responderam ao abuso recentemente, e acrescentando:

"Os jogadores agora têm seus próprios canais de mídia. Eles não estão esperando para falar com um repórter. Eu acho que a mídia não fez o suficiente e agora eles estão olhando para si mesmos. Eu acho que o futebol está olhando para si mesmo. Estamos todos olhando para nós mesmos. O que podemos fazer? Todos nesta sala podem perguntar, eles estão sendo inclusivos? É isso que podemos fazer hoje, e fora disso, que políticas podemos implementar para garantir que estamos dando uma chance a todos, independentemente de seu gênero, deficiência, raça, cor, credo? Isso é algo que pode ser feito hoje e, por isso, estou aqui entusiasmado com o futuro. Há muito trabalho a ser feito, mas chegaremos lá."

VAVEL Logo