Bayern de Munique lança campanha "Reds Against Racism" em oposição a preconceitos
Foto: Fritz Beck/FCB

Nesta quinta-feira (5), o FC Bayern de Munique começa sua campanha "Reds Against Racism" (Vermelhos Contra o Racismo) para se posicionar contra exclusão, abuso, racismo, xenofobia e qualquer outra forma intolerância. Medida totalmente necessária para combater a ascensão do racismo nos últimos anos.

Presidente do clube, Herbert Hainer declarou: "Com a nossa campanha, queremos nos posicionar contra o ódio, a agitação e qualquer tipo de violência. O racismo é uma das piores formas de discriminação e não tem lugar no mundo. O futebol deve ser divertido. É isso que o FC Bayern defende: junto com os valores de tolerância, respeito e diversidade."

A campanha envolve jogadores dos times de futebol e de basquete, além de membros da administração do clube bávaro. Com declarações pessoais, alguns dos entrevistados contaram casos que eles mesmos passaram. 

Alphonso Davies explica sua relação à sua história de vida, de um bebê refugiado ao futebol profissional do Bayern. Oliver Kahn relata que pode facilmente se colocar no lugar de pessoas tratadas com hostilidade através da empatia. Uli Hoeneß alerta que na Alemanha 'ainda existem pessoas que banalizam a era nazista'. Lineth Beerensteyn diz sobre como as pessoas na Holanda lidam com o preconceito, e o jogador de basquete Alex King explica como ele se sentiu quando criança ao ser discriminado pela primeira vez.

Confira todos os 17 depoimentos:

Manuel Neuer: "Temos que viver de acordo com palavras positivas"

Jogador do FC Bayern

"Sempre parece tão positivo que o futebol une as pessoas. Também precisamos cumprir essas palavras positivas com ações. Nós também, como todos que querem fazer parte do futebol, jogadores, treinadores, árbitros, assistentes, torcedores. Qualquer um, não queremos que ninguém fique de fora. Eu cresci em Gelsenkirchen, onde os mineiros alemães moravam ao lado de trabalhadores migrantes de metade da Europa. Eles confiavam um no outro, não havia outra maneira. É assim que eu fui educado. Em minha juventude, nos encontrávamos durante a noite em pizzarias ou lojas de kebab. Nacionalidade não importa para nós, era cerca de pertencer a um clube. Estou contra qualquer forma de racismo. Defendo tolerância e coexistência."

Joshua Kimmich: "O racismo diz respeito a todos nós"

Jogador do FC Bayern

"Atualmente, estamos passando por um momento em que o racismo está em ascensão. Devemos tomar uma posição contra ele. O racismo diz respeito a todos. Minha imagem da Alemanha é que a diversidade e a tolerância são praticadas aqui. Essa imagem não deve e não pode ser explicada, porque faz parte de nossos valores, nossa normalidade. Para mim, não há outra imagem, nenhuma outra visão, nenhum lugar para mais nada. A Alemanha pode ser multicultural, porque a Alemanha é multicultural."

Lineth Beerensteyn: "Diversidade amplia horizontes"

Jogadora do FC Bayern

"É importante que todos mostremos que não importa qual a cor de uma pessoa, se você é homem ou mulher, que religião é e de onde vem. Em casa, na Holanda, dizemos: 'todos podemos aprender uns com os outros'. Somos todos iguais e não há espaço para discriminação, nem no campo de futebol nem na sociedade. A  diversidade amplia os horizontes."

Karl-Heinz Rummenigge: "Quem fecha a cabeça está no clube errado"

Ex-jogador e presidente do FC Bayern

"Todo caso de racismo é exagerado. Nossos estádios são repetidamente mal utilizados pelos indivíduos como plataforma. Eles não devem dar a impressão de que a maioria pensa dessa maneira. Já é hora de enviar um sinal claro. Somos o maior clube do mundo. Podemos esperar que mostre nossas cores. O FC Bayern se opõe ao racismo, anti-semitismo, exclusão de qualquer tipo e violência. Nosso clube vive essa visão de mundo, e exigimos. Qualquer pessoa que se dedique a isso (preconceito) está claramente no clube errado."

Thomas Müller: "Não nos cansamos de conscientizar"

Jogador do FC Bayern

"Em uma sociedade em funcionamento, nem sempre se pode falar de um mundo aberto e de grandes valores se isso lhe traz vantagens. Trata-se de cooperação sensata, troca comum, respeito mútuo e tolerância. Nunca nos cansamos de aumentar a conscientização sobre a questão do racismo."

Uli Hoeneß: "Pessoas banalizam a era nazista"

Ex-jogador e dirigente do FC Bayern

"Eu disse durante minha despedida na nossa assembleia geral que o FC Bayern deveria ser um navio-tanque que não deve desviar para a esquerda e certamente não para a direita. Ele deve atravessar águas turbulentas e ter espaço para todos. Enquanto assistia a um documentário recente, marca 75 anos desde a libertação de Auschwitz, eu tinha lágrimas nos olhos. É inconcebível que tais atrocidades fossem possíveis na Alemanha. Eu acho tão incompreensível que agora estamos enfrentando casos de xenofobia novamente. É incompreensível para mim que haja ainda hoje pessoas que banalizam o passado da Alemanha e o que aconteceu durante a era nazista. Esse não pode ser o futuro."

Alphonso Davies: "O futebol não conhece fronteiras"

Jogador do FC Bayern

"Meus pais fugiram da Libéria, nasci em Gana, cresci no Canadá e agora me sinto em casa em Munique. Essa é a minha história: de um bebê refugiado a um jogador de um clube de ponta da Liga dos Campeões. Sei que o futebol sabe que o racismo existe em todo o mundo, e temos que enfrentá-lo. futebol significa que nos reunimos, com nossas cores diferentes, com diferentes religiões, de diferentes nações, para desfrutar deste jogo maravilhoso juntos. O racismo não tem lugar no mundo, nem no futebol."

Thiago Alcântara: "Democracia significa tolerância"

Jogador do FC Bayern

"Infelizmente, experimentei o racismo várias vezes na minha vida, e nunca o entendi. Pergunto a essas pessoas: por que você se sente assim? Eu não penso assim. Eu não vivo assim. Você tem que ter respeito. O racismo me deixa com raiva e triste. Democracia significa viver juntos em tolerância. Trata-se de não excluir ninguém. É sobre deixar todos participarem do nosso mundo."

Serge Gnabry: "Eu  me sinto confortável em minha própria pele"

Jogador do FC Bayern

"Estamos todos na Terra pela mesma razão. Isso me decepciona quando as pessoas hoje em dia ainda pensam que ter uma cor de pele diferente significa que uma pessoa é diferente ou até pior. A Alemanha deve ser melhor que isso, o mundo deve ser melhor, deveríamos ser melhores. Meu pai é da Costa do Marfim, e tenho muito orgulho de minhas raízes! Gosto de visitar minha terra natal africana: as pessoas, a cultura, a vibração de lá, tudo me faz bem e enriquece minha vida. Quanto mais as pessoas confiam umas nas outras, se levantam e não olham para o outro lado, melhor. Esse é o próximo passo para lidar com o racismo. O objetivo é que isso não aconteça mais em nosso mundo, em nossa sociedade. Eu me sinto confortável em minha própria pele."

Niklas Süle: "São idiotas individuais"

Jogador do FC Bayern

"Vamos falar sobre o racismo: o futebol está no coração da sociedade. Jogadores, treinadores, clubes, torcedores, juntos podemos ter um grande impacto. Com o racismo, são idiotas individuais, uma minoria. Eles não devem crescer. É absurdo que o racismo ainda exista no século XXI."

Hasan Salihamidžić:  "É apenas a pessoa que importa"

Dirigente e ex-jogador do FC Bayern

"Vim para a Alemanha de ônibus da Bósnia como um jovem refugiado e me senti em casa desde o primeiro minuto. Nunca fui excluído. O racismo é totalmente estranho para mim. Minha experiência pessoal é que a Alemanha e as pessoas que moram aqui são muito positivas. Elas dão a você a chance de se tornar parte da sociedade. Se você vier aqui, aprender o idioma e se adaptar à cultura, eles o receberão como se você tivesse nascido aqui. Foi assim que eu consegui encontrar um novo lar aqui. Como a Alemanha deveria ser. Cor da pele, nacionalidade, religião, não importa. É apenas a pessoa que importa."

Leon Goretzka: "Só não quero acreditar"

Jogador do FC Bayern

"O racismo está em ascensão em nosso país há algum tempo. Essa tendência me preocupa. Mostre coragem civil, coloque os racistas em seu lugar (prisões), tanto no estádio quanto na vida cotidiana! Münster foi o exemplo perfeito: quando meu ex-colega de escola Leroy Kwadwo foi abusado, a reação dos fãs foi de primeira classe. Você não pode desviar o olhar, não pode bloqueá-lo. Na política, você precisa pegar os eleitores do protesto, ver de onde vem o protesto e resolver os problemas. Vocês conversam entre si, podem desenvolver algo juntos. Depois do passado que os alemães experimentaram, simplesmente não quero acreditar que o racismo esteja se espalhando novamente em nosso país. Todos temos que parar com isso."

Danilo Barthel (basquete): "Lar é onde a gente se sente livre"

Jogador do FC Bayern

"Há cada vez mais exemplos de racismo em público, e esta é a direção errada para a Alemanha seguir. Esse não pode ser o nosso caminho. Os incidentes também ocorrem repetidamente no basquete, embora no passado isso fosse impensável, especialmente devido ao tradição e auto-imagem do nosso esporte. A Alemanha é um país tolerante e aberto, onde devemos tratar todas as pessoas da mesma forma e não excluir ninguém. Lar é onde me sinto confortável, onde nos sentimos bem e livres. Não há problema em se orgulhar do seu próprio país, de sua cultura, mas isso não exclui a abertura para os outros. Todos devem se sentir bem e livres na Alemanha. Somos uma mistura colorida."

Herbert Hainer: "Não há desculpa para o racismo"

Gestor do FC Bayern

"Achei que o racismo havia diminuído dos anos 90 até alguns anos atrás, basicamente desapareceu, mas infelizmente está muito presente hoje, não apenas no esporte, mas na sociedade e na política, onde há cada vez mais festas de extrema-direita. No FC Bayern, temos as mais diversas nacionalidades de nossa equipe, e todos jogam juntos, ficam lado a lado, vencem e perdem juntos. Acho que esse é realmente um maravilhoso espelho do mundo."

"Nos anos 60, o campeão mundial de boxe dos pesos pesados,​​Muhammad Ali, impressionou quando ele se levantou contra o racismo e disse: 'Eu sou a América, eu sou a parte que você não reconhece'. Palavras fortes e, infelizmente, altamente atuais hoje. Alguns alemães, obviamente, também precisam aprender novamente a reconhecer todos os seres humanos como parte de nossa sociedade. Não há desculpa para racismo."

Alex King (basquete):  "Gente, o racismo saiu há muito tempo!"

Jogador do FC Bayern

"Quando eu fui confrontado com o racismo quando jovem, eu não sabia como lidar com isso. Além dos meus pais, eu não tinha ninguém com quem conversar. Você se sente sozinho, sozinho. Meus pais me disseram: 'Não ouça! Continue andando'. Mas depois de um tempo eu percebi: 'Você tem que fazer uma declaração'. Sou alemão, jogo no meu país, já faz racismo há muitos anos, abra seus olhos! Vivemos em uma sociedade madura e iluminada, na qual todo indivíduo deve ter direito de opinar. Isso inclui percorrer o mundo atentamente e participar de discussões quando você achar necessário. O racismo não pertence à nossa sociedade. Somos todos multiculturais. Gente, estou lhe dizendo: o racismo saiu muito tempo atrás!"

Lina Magull: "Acho coisas novas enriquecedoras"

Jogadora do FC Bayern

"Eu jogo futebol profissional há oito anos e já conheci colegas de várias nações diferentes. Acho coisas novas enriquecedoras. Hoje deve ser natural aceitar cada pessoa como ela é. Não há diferenças. É sobre viver um com o outro, não um contra o outro. Só assim o mundo pode funcionar. O racismo está emergindo na Alemanha é inexplicável para mim. É também apenas uma minoria, mas se se faz ouvir em voz alta, é preciso responder. Alguns se escondem em grupos maiores ou no anonimato da internet. Mas a maioria dos alemães pensa de maneira diferente. Cada pessoa deve mostrar isso."

Oliver Kahn: "É um sentimento de humilhação"

Ex-jogador do FC Bayern

"O racismo não é um problema específico do futebol. É um problema da sociedade, mas que é frequentemente visto nos estádios. Muitas pessoas assistem ao FC Bayern, não apenas nossos próprios torcedores, mas também pessoas de outras torcidas. A coisa maravilhosa do futebol é o poder unificador que ele tem, e todos nós devemos nos unir na luta contra o racismo. É importante para nós, como Bayern, adotar uma posição clara sobre essas questões. O assunto racismo está particularmente próximo de mim. Eu posso simpatizar muito bem com os jogadores que são tratados com hostilidade nas arquibancadas. É um sentimento de humilhação, humilhação e marginalização, e não queremos ver isso no campo de futebol, como não fazemos todos os dias na vida. Então: vermelhos contra o racismo! No estádio, nas ruas, em todo lugar!"

VAVEL Logo