Josep Maria Bartomeu não suporta pressão intensificada e renuncia à presidência do Barcelona
Foto: Divulgação/FC Barcelona

Após anos de administração marcada por problemas administrativos, investigações judiciais e fracassos dentro das quatro linhas, a diretoria do Barcelona, capitaneada pelo presidente Josep Maria Bartomeu, anunciou a renúncia dos respectivos cargos nesta terça-feira (27). O agora ex-mandatário afirmou na segunda-feira (26) que nunca pensou em deixar o cargo, mas a decisão veio 24 horas depois de tal fala.

A saída ocorreu após reunião extraordinária entre os diretores catalães. Embora sua administração tenha sido sempre criticada, a pressão foi intensificada após o Barcelona ser eliminado nas quartas de final da Uefa Champions League da temporada passada com uma acachapante goleada de 8 a 2 diante do Bayern de Munique e o formal pedido de Lionel Messi para deixar o clube, por não acreditar mais no projeto do clube.

Um processo chamado Moção de Censura foi aberto após mais de 20 mil sócios colherem assinaturas e poderia resultar na destituição do presidente. Informações provenientes da imprensa espanhola davam conta de que o pedido negado para adiamento da Moção de Censura pela Generalidade Catalã foi o estopim para a saída. De acordo com o estatuto do clube, após a validação das assinaturas em uma Moção de Censura, há o prazo máximo de 20 dias. A moção foi validada no último dia 4 de outubro. Com a votação, se caso dois terços dos votantes optassem pela saída, a destituição de Bartomeu e sua trupe era imediata. Com isso, a decisão é tomada para evitar uma saída ainda mais vexatória.

Os integrantes da diretoria do Barcelona tinham mandato vigente até o mês de junho de 2021 e já tinham antecipado os pleitos eleitorais para março como uma maneira de atenuar a crise. Bartomeu era vice de Sandro Rosell, que também renunciou ao cargo em janeiro de 2014 após ser investigado pela Justiça da Espanha e também apresentar ameaças à família como razão da saída. Bartomeu ocupou o restante do mandato de Sandro e foi eleito para novo mandato até 2021. Em sua gestão de pouco mais de cinco anos de duração, foram 13 títulos conquistados, mas terminou a última temporada sem conquistas, o que não acontecia desde 2008.

Abaixo, leia o discurso de renúncia

Boa noite, sócios e sócias

Venho hoje anunciar a minha renúncia e a do resto do Conselho de Administração.

Esta é uma decisão pensativa, serena, consultada e acordada por todos os colegas de gestão, que me acompanharam nos últimos anos, com fidelidade e empenho no projeto e no Clube, e que fizeram tantas demissões, sempre a pensar no Barça.

Esta manhã, como vocês bem sabem, recebi a resposta do Governo da Generalitat à carta que ontem lhes enviamos.

Sua resposta é clara. Vou ler na íntegra: “Concordamos que o Governo da Generalitat, representado pelos representantes das Secretarias da Presidência, Interior e Saúde, reitera que não há impedimentos jurídicos ou sanitários à realização da votação do Voto de Censura, desde que incluídos, no protocolo de organização do referido Voto de Censura, os requisitos que o grupo técnico do PROCICAT apresentou ao mesmo FC Barcelona na reunião celebrada no passado dia 21 de outubro”. Isso significa que eles exigem e exigem um voto descentralizado.

Plano e curto. Eles não dizem mais nada. Não mencionam o nosso pedido feito na mesma reunião e os anteriores, que consistiam em pedir cobertura legal de 15 dias para organizar a complicada logística necessária para realizar uma votação que respeite as medidas mínimas de segurança sanitária. neste momento. Votação descentralizada que, pela primeira vez, propôs a votação em 21 assembleias de voto diferentes, distribuídas por todo o território, 13 na Catalunha e no resto de Espanha.

Tampouco falam da data da votação, embora saibam que somos obrigados a convocá-los o mais tardar hoje e que, se não o fizermos, estaremos em violação dos nossos próprios Estatutos.

É por isso que solicitamos cobertura legal. Os mesmos pediram ao Governo Central que pudesse tomar medidas extraordinárias, como toque de recolher e outras. Mas eles decidiram não nos dar o que pediram e receberam do governo estadual. Eles simplesmente optaram por lavar as mãos de uma situação que os incomoda, sem pensar nas consequências que sua decisão pode ter.

Em seguida, esta tarde, foi convocada a reunião da mesa de censura. Os representantes do Conselho de Administração do Clube propuseram a realização do ato de voto, a pedido do Governo da Generalitat, em 21 assembleias de voto diferentes, mas nos dias 15 e 16 de novembro, de forma a completar a logística necessária.

Tanto os representantes dos promotores da votação, como o presidente da mesa, em representação da Federação Catalã de Futebol, não só se opuseram, mas alertaram que, se essas datas fossem definidas, iriam mover as ações judiciais cabíveis contra Conselho de Diretores do Clube. E isso ficou refletido em ata lavrada em cartório.]

Ontem, na minha aparência, falava da perplexidade que algumas decisões nos causavam. Hoje devo dizer que essas decisões, além de contraditórias, nos parecem irresponsáveis.

Eu sei que é um qualificador forte, mas não vejo outro que reflita melhor o que eu penso. Num momento em que o próprio Governo está a implementar dolorosas medidas cidadãs com graves repercussões sociais e económicas para as pessoas, famílias e empresas. Onde, desde ontem, se insinuam medidas ainda mais severas, como o confinamento aos fins-de-semana. Onde os técnicos consultados falam do perigo de colapso do nosso sistema de saúde. Quando os mesmos especialistas também recomendam confinar toda a população. Onde vemos versões contraditórias, de membros do mesmo Governo, como a obrigação ou recomendação de que todas as empresas façam teletrabalho... Neste momento e com todo este cenário, não encontro outro qualificador para definir esta decisão, o de irresponsável.

Mas devemos agir com responsabilidade. É por isso que não podemos convocar o voto de censura nas atuais circunstâncias. Era preciso garantir que fosse feito nas condições certas para preservar a saúde de todos, para que ninguém parasse de fazê-lo por medo, problemas de mobilidade ou porque fazem parte de um grupo altamente vulnerável. Não podemos e não queremos estar em posição de ter de escolher entre a proteção da saúde e o exercício do direito de voto. Por isso decidimos não convocar a votação e renunciar imediatamente às nossas funções.

Sabemos que deixaremos o Clube nas mãos de uma Comissão Gestora que, nas atuais circunstâncias de pandemia, não tem garantias de poder realizar eleições a curto prazo. Nós sabemos isso. E espero que o Conselho de Administração possa levar a cabo nossas decisões para adaptar o Clube à crise pandêmica.

A vontade deste Conselho de Administração nunca foi de se perpetuar na governança do Clube, como ouvimos várias vezes durante meses. Eu te asseguro.

E então por que não renunciamos antes?

Depois da eliminação da Champions League, o mais fácil foi sair. O mais fácil era renunciar. Mas a partir do dia seguinte àquela dolorosa derrota, foram necessárias decisões incontornáveis, fundamentais para garantir o futuro desportivo e a sustentabilidade imediata do Clube. E, além disso, tivemos que fazer isso em meio a uma crise global sem precedentes como resultado da pandemia que vivemos. Não podíamos deixar o Clube nas mãos de um Conselho de Administração com poderes limitados.

Quem teria contratado o novo treinador? Quem iria decidir e negociar no mercado do futebol? Quem defenderia a continuidade de Leo Messi? Quem implementaria as medidas de redução de custos? Quem enfrentaria o reajuste salarial proposto para todos os atletas profissionais?

Como Conselho, entendemos que, por responsabilidade, tínhamos que tomar todas essas decisões. A maioria dessas decisões são estranhas e impopulares.

E o sinal mais óbvio de que não tínhamos intenção de nos agarrar ao poder é que convocamos as eleições para o mês de março, na primeira data permitida pelos Estatutos. Porque acreditamos que isso poderia ajudar a pacificar o meio ambiente, facilitar o trabalho das equipes e possibilitar uma transição ordenada com a nova Diretoria que emergiu das urnas.

Uma demissão antecipada no final da temporada teria levado o Clube a um processo eleitoral e, como disse, a um vácuo de poder, sob a direção de um Comitê de Gestão, com poderes limitados, e em poucas semanas onde decisões esportivas deveriam ser tomadas e econômica inevitável e poderosa.

E foi o que expliquei na apresentação de segunda-feira: não tínhamos motivos para renunciar com uma eleição convocada em março e com trabalhos relacionados à nossa gestão ainda por fazer. Obra que, por responsabilidade, não poderíamos fugir, apesar de todo o desgaste pessoal que poderíamos sofrer, nós e nossas famílias.

Um clube como o Barça deve ser capaz de fazer transições ordenadas entre governo e governo. Muitas vezes no passado nos encontramos na circunstância de terminações repentinas, que não nos permitiram fazer este exercício, que é essencial em uma entidade do nosso tamanho. É justamente por isso que nossos estatutos preveem uma margem de tempo tão ampla para fazer as convocações eleitorais: para poder realizar esse trânsito da melhor maneira possível.

Em vez disso, insinuou-se que temos interesses ocultos, coisas a esconder, e até se disse que queríamos evitar o endosso... Todas as insinuações falsas e, infelizmente, muitas delas justificadas por interesses políticos ou eleitorais.

Sempre aceitei críticas. Dizem que tenho uma grande capacidade de resiliência. Eu não sei. O que sei é que estou acumulando experiência suficiente, junto com meus colegas da Diretoria, para saber que realidade conviver desde a direção do Clube.

E sempre defendi que a nossa autocrítica nos torna mais fortes e que o Barça é sempre reforçado por episódios críticos. Mas o que vivemos nos últimos meses ultrapassa qualquer limite. Meus companheiros de conselho e eu fomos desrespeitados; fui insultado, ameaçado, até eu e minha família. Também a todos os meus colegas membros do Conselho.

Hoje em dia há quem me pergunte o que me motivou a entrar para o Conselho de Administração do Barça, primeiro como dirigente e depois como presidente, e se realmente valia a pena.

Na verdade, é uma honra servir ao meu clube com essas responsabilidades.

Durante todos esses anos como gerente e como presidente tenho procurado exercer a função em nome dos sócios do Clube, com respeito, humildade e honestidade.

Hoje, porém, somos forçados a renunciar. E devemos fazer isso sem ter concluído as medidas econômicas em curso para reduzir nossas despesas imediatas e continuar a garantir o crescimento de nossa receita. Espero que nos próximos dias possa ser encerrada a implementação de uma medida, a do reajuste salarial de uma parte da força de trabalho e dos nossos trabalhadores. Uma medida que, se não implementada, pode ter consequências muito graves para o futuro imediato do Clube. Confio e confio em todo o Conselho de Administração, que o Comitê de Gestão pode concluir este processo, e espero que com a concordância de todas as partes. Para o bem do Barça.

Hoje posso anunciar uma notícia que mudará drasticamente as perspectivas de receita do Clube nos próximos anos.

Ontem, o Conselho de Administração aprovou a aceitação dos requisitos para a participação numa futura Superliga Europeia de Clubes de Futebol, projeto promovido pelos grandes clubes da Europa.

Os detalhes destes requisitos estarão à disposição do próximo Conselho de Administração, e a decisão sobre a participação neste concurso terá de ser ratificada pela próxima Assembleia de Parceiros Comprometidos.

E também quero anunciar que aprovamos a aceitação do futuro novo formato da Copa do Mundo de Clubes.

Podemos dizer com orgulho que somos o melhor clube esportivo do mundo em termos de valor da receita de patrocínio. Conseguimos isso competindo com clubes que são propriedade de grandes magnatas, corporações e até mesmo estados, e conseguimos isso mantendo nosso modelo de propriedade nas mãos de parceiros, mantendo nosso caráter popular, sem aumentar os preços de ingressos para a temporada desde 2011 e mantendo-os como os mais baratos dos grandes clubes europeus.

A Superliga Europeia de Clubes vai garantir a sustentabilidade económica do Clube e que este continua a pertencer aos seus membros. Nunca uma corporação esportiva.

Nossa singularidade significa que não temos que distribuir dividendos entre nossos membros e que os quase 200 milhões de lucros acumulados por este Conselho desde 2010, os maiores lucros da história do Clube alcançados por um Conselho de Administração, s 'foram capazes de alocar para esportes e investimentos em patrimônio.

O Clube tem uma solidez indiscutível, apesar das dificuldades que vivemos hoje. Nos últimos três anos, desenvolvemos novos canais de negócios, como a nossa estratégia digital, com projetos como o novo OTT, Barça TV+, desenvolvimento de conteúdo através do Barça Studios, a plataforma 'online' de comércio eletrônico ou o procura de novos conhecimentos e novos rendimentos através do Barça Innovation Hub.

O projeto Barça Corporate aprovado ontem, e pendente de conclusão e a ser ratificado na próxima Assembleia de Membros Comprometidos, irá gerar mais valor para estes novos projetos e para a atividade normal do Clube.

Também gostaria de me referir ao Espai Barça, um projeto de clube aprovado pelos sócios em referendo e que deve ser uma das principais novas fontes de receita para o Barça no futuro. O Espai Barça está em curso, já investimos nele, temos a primeira peça do projeto, o Estádio Johan Cruyff, acabado e operacional, e deixamos à disposição da nova Direção o acordo político, os projetos técnicos e uma proposta de financiamento para custear as obras sem afetar a gestão normal da Instituição com Goldman Sachs sem qualquer garantia que ponha em risco a viabilidade do Clube.

Vale a pena levantar a cabeça e lembrar que desde 2004 nós, jogadores do Barça, nos sentimos privilegiados. Vivemos uma era extraordinária de sucesso, uma era sem precedentes no futebol europeu. Os ciclos foram renovados, com novos treinadores e novos jogadores, e continuamos a ganhar. Já conquistamos 34 títulos, à frente de Bayern, Porto, Madrid e PSG.

Destes 34 títulos futebolísticos, 22 foram conquistados sob o mandato deste Conselho de Administração nos últimos 10 anos. Uma média de títulos por ano sem precedentes na história do Clube.

A reforma dos equipamentos que temos feito nos últimos meses deveria ter sido feita um ano antes, admito e assumi minha cota de responsabilidade. Como? Convocando as eleições para o mês de março de 2021, no período mais próximo aos estatutos, como fim de mandato.

E por que o Estatuto prevê essa opção?

Para garantir, como eu disse antes, uma transição ordenada com o novo presidente e a diretoria. O que é o que mais convém à Instituição, dado seu porte, o alto grau de competitividade do setor e o contexto econômico que gerou a atual crise de saúde.

Tivemos que rejuvenescer o staff, renovar as nossas esperanças, mudar a nossa inércia e dinâmica... e conseguimos. Isso significou a saída de jogadores que foram fundamentais para o sucesso dos últimos anos. A todos eles, gostaria de reiterar nossa gratidão por sua contribuição ao Clube nos últimos anos. Também incorporámos jovens do Barça B com grande futuro e jovens talentos estrangeiros.

Como disse na segunda-feira passada, a decisão de contratar o novo treinador, Ronald Koeman, teve que ser tomada pelo Conselho de Administração, da mesma forma que enfrentámos o mercado de verão. E o Conselho de Administração está muito feliz com essa decisão.

Espero que o tempo confirme e continue valorizando os ativos renovados e gerados nos últimos anos. Somos o clube mais querido do mundo, o maior em número de torcedores, torcedores nas redes sociais, nossa globalidade é indiscutível, com sede em Hong Kong e Nova York.

Queríamos ser uma referência na promoção do papel da mulher na sociedade, tendo como padrão a profissionalização da seleção feminina de futebol, já consagrada como referência no estado e na Europa. E também reivindicando o papel das mulheres em nosso clube ao longo da história e no mundo dos esportes.

Orgulhamo-nos do caminho percorrido, no qual o Barça se tornou um clube comprometido com a sociedade, com o seu país, com as crianças mais vulneráveis, com uma Fundação que é uma grande referência no mundo do esporte e que está sendo um ator humanitário fundamental nesta pandemia.

Temos orgulho de ter trabalhado e consolidado programas sociais ao longo dos anos como: os ‘T’Acompanyem’, os Partit Solidari, os Desplaçaments do Barça, os Espai d’animació e os Espai jove; ter empurrado a lista de espera dos ingressos para a temporada ou sido implacável na luta contra a fraude.

E por ter dotado os clubes de torcida de uma organização como a Confederação Mundial de Clubes de Torcida, que reúne 30 federações e tornou o movimento dos torcedores mais forte, eficiente e global hoje do que nunca.

Posso também assegurar que La Masia se consolidou como uma referência no modelo desportivo e de formação humana, com um programa que presta assistência a mais de 600 atletas das nossas equipas de formação.

Também é um orgulho ter academias do Barça em todo o mundo que ensinam meninos e meninas a jogar futebol com nosso estilo e nossos valores.

Nossa vocação poliesportiva está mais viva do que nunca. A Área Social tem feito um grande trabalho de divulgação do nosso esporte amador, que reúne mais de 1.500 atletas de todas as idades, e está especialmente comprometida com a promoção do aspecto do treinamento.

Desde 2010, conquistamos um total de 149 títulos de outras equipes profissionais: 19 no basquete, 52 no handebol, 31 no hóquei em patins, 27 no futsal e 20 no futebol feminino.

Já disse por vezes que tivemos de liderar o Barça numa das épocas mais turbulentas do país e também no clube.

Tivemos que lidar com todos os tipos de situações, desde um contexto político histórico em que sempre estivemos ao lado de nossas instituições, defendendo dois princípios inegociáveis ​​como o direito à liberdade de expressão e o direito de decidir, superando a morte de Tito Vilanova.

Também vivemos com descrença a prisão injusta de um presidente do Barça, Sandro Rosell.

Ou insultos, às vezes críticas irracionais e cruéis, por parte de alguns meios de comunicação, que vão além do permitido.

Mas agora, meus colegas e eu queremos virar a página. Espero que cada um faça suas próprias reflexões e tire suas próprias conclusões.

Só espero continuar a desfrutar do nosso Barça, à distância. Desejo ao presidente e ao novo Conselho o melhor na escolha dos membros do Clube. Eles sempre terão o meu respeito e colaboração se julgarem necessário. Minha e de todo o Conselho de Administração.

São os parceiros que decidem nosso futuro. Ninguém mais. Esta é uma das principais características e identidade do Barça, o clube mais querido do mundo. E essa era a missão do nosso Plano Estratégico quando iniciamos o mandato de 2015: fazer do Barça a entidade mais admirada, amada e global, e acho que alcançamos esse objetivo ao máximo.

Agradeço a todos os sócios, torcedores, torcedores, atletas, secretários técnicos, técnicos e integrantes de todas as equipes, executivos e funcionários do Clube, funcionários permanentes descontínuos, membros dos comitês, patrocinadores da Fundação, e especialmente aos meus colegas do Conselho de Administração, atuais e antigos.

Em suma, gostaria de agradecer a toda a família Barça, todo o trabalho realizado e o seu apoio ao longo dos anos, desde que chegamos em 2010, com Sandro Rosell como presidente.

Agradeço também por suas críticas construtivas e os incentivo a continuar a desfrutar do melhor clube do mundo.

Muito obrigado,

Viva o Barça e viva a Catalunha.

VAVEL Logo