Barcelona
vence Dínamo Kiev em jogo de superação ucraniana na Champions League
Foto: Divulgação/UEFA

O Barcelona derrotou o Dínamo Kiev pelo placar de 2 a 1 nesta quarta-feira (4) pela terceira rodada da fase de grupos da Liga dos Campeões, Grupo G. No Camp Nou, Messi e Piqué anotaram para o mandante, e Tsygankov diminuiu. O visitante teve, ainda, um polêmico gol anulado.

A equipe do craque Lionel Messi entrou em campo como líder do grupo, com duas vitórias nos dois jogos até então: 2 a 0 contra a Juventus e 5 a 1 contra o Ferencvaros. Já a ucraniana vinha em terceiro lugar, ainda sem vencer: um empate e uma derrota. Entretanto cenários invertidos nos campeonatos nacionais: o Barça ocupa apenas a 12ª colocação, enquanto o Dínamo ostenta a liderança.

Estratégias

Ronald Koeman não quis saber de poupar Messi visando a recuperação na LaLiga, como havia sido especulado. Mas o técnico não pôde contar com Philippe Coutinho por lesão do brasileiro. Esquema tático: 4-2-3-1. No gol, Ter Stegen. A zaga contou com Piqué e de Jong. Nas laterais, Dest pela direita e Alba pela esquerda. O meio-campo tinha Sergio Busquets e Pjanic no primeiro combate; mais à frente, Pedri, o craque Messi e a promessa Ansu Fati eram os responsáveis pela criação ofensiva. Mais isolado no ataque, Antoine Griezmann.

Mircea Lucescu precisou lidar com uma série de ausências por conta de contaminação pelo coronavírus. Apenas 19 jogadores foram relacionados, e atletas da base precisaram recompor o elenco, inclusive no time titular. Esquema tático: 4-3-3. Neshcheret no gol. Zabarnyi e Popov formaram a dupla de zaga, enquanto Kędziora na direita e Shabanov na esquerda cuidaram das laterais. No meio-campo, Buyalskiy, Shepeliev e Andriyevskiy compuseram a trinca de transição e construção ofensivas. E, no ataque, Tsygankov subia pela direita, Rodrigues pela esquerda, e Supryaha centralizava na área.

Barça marca no início, mas passa sufoco no fim

O Barcelona iniciou o confronto com o domínio esperado, apesar da má fase na competição nacional. Durante os primeiros minutos, o Dínamo não conseguiu tocar na bola. Na Marcação, uma última linha de cinco na tentativa de bloquear o ímpeto de Messi e companhia. No entanto, logo aos três minutos, o argentino foi derrubado na área, e o árbitro não teve dúvida na marcação da penalidade. O próprio camisa 10 bateu e converteu, abrindo o placar cedo.

Aos seis, o time catalão já havia perdido mais dois gols, com Messi e Griezmann. O Barça chegava bem ao ataque, trocando passes curtos, principalmente pela esquerda com Alba e Ansu Fati. Do outro lado, destaque para Rodrigues pela ponta-esquerda nas raras subidas. Mas quem mais chamava a atenção, mais uma vez, o jovem Ansu Fati no ataque pela esquerda, com habilidade, passe e finalização.

Apenas na metade da primeira etapa, a equipe ucraniana ficou com a bola e construiu no campo de ataque pela primeira vez. Messi se posicionava entre as linhas de marcação na frente da área, conseguindo os passes característicos que deixam o companheiro na cara do gol. Aos 28 minutos, eram 66% de posse de bola e 8 a 0 em finalizações, ambos os números para o Barcelona.

Quando o Dínamo voltou a pegar a bola, o mandante adiantou a marcação, empurrou o adversário e retomou a posse. Faltava a qualidade no passe aos ucranianos no último terço do campo. Griezmann estava sumido do jogo, tanto dentro da área como no início, quanto depois na ponta-direita, com Messi virando o mais adiantado. Na ida para os vestiários, 57% em posse a favor do Barça, mostrando certa recuperação ucraniana, mas ainda 13 a 2 em chutes.

Logo na volta do intervalo, Tsygankov quase empatou a partida em jogada individual de velocidade, porém Ter Stegen saiu bem do gol para defender. E, na sequência, gol anulado do Dínamo na cobrança de escanteio resultante da oportunidade anterior (segundo a arbitragem, a bola fez a curva por fora durante o cruzamento, mas o lance foi polêmico).

Após o retorno entusiasmado do adversário, que acreditava poder superar tantas ausências em campo, a equipe espanhola retomou o ritmo do jogo, trabalhando no campo de ataque. Griezmann voltou a ocupar a área, mas sem protagonismo. Ter Stegen começou, então, a ser um dos principais nomes, impedindo chances reais do time visitante. Ótima atuação do goleiro alemão após três meses fora dos gramados.

Ronald Koeman resolveu mexer: Pjanic e Griezmann saíram para as entradas de Sergi Roberto e Dembélé. Com isso, Messi ficou mais responsável pela área, como um falso 9. Aos 18, 58% de posse de bola para o Barça. Até que, com 19 minutos, Ansu Fati cruzou a bola da esquerda na cabeça de Piqué de frente para o gol, que se aproveitou da marcação desatenta e colocou no canto do goleiro, ampliando a vantagem.

Trocas no Dínamo: Rodrigues e Supriaha deram lugar a Carlos De Pena e Verbic. Do outro lado, Trincão e Lenglet entraram nas vagas de Ansu Fati e Busquets. Assim, de Jong saiu da zaga e foi para o meio-campo. E um dos técnicos teve resultado. Aos 29, bola na área, Verbič recebeu e finalizou, Ter Stegen espalmou no reflexo, mas Tsygankov concluiu para dentro do gol livre no rebote, evidenciando antigas falhas no sistema defensivo catalão.

Trincão posicionava-se na ponta-direita, enquanto Dembélé foi para a esquerda. Mas a noite era dos goleiros. Destaque para a atuação do jovem Neshcheret, um dos nomes que precisaram recompor o time às pressas. Indo para os minutos finais, o Dínamo havia finalizado cinco bolas no gol durante a segunda etapa, performance muito melhor que a do primeiro tempo.

Pedri ainda deu vez a Carles Aleñá, e Buyalskiy, a Lednev. A pressão era total por parte dos ucranianos, conseguindo ameaçar dentro da área adversária e chegando perto do empate que teria gosto de vitória dadas as circunstâncias. Mas o placar não foi mais alterado: 2 a 1 Barcelona. Finalizações finais: 22 a 9 a favor dos espanhóis.

Classificação e próximos compromissos

Com a vitória, o Barcelona se manteve na primeira posição do Grupo G, agora com nove pontos. O próximo compromisso do time catalão é contra o Real Betis pelo Campeonato Espanhol no sábado (7) às 12h15. Já pela Champions, visita o próprio Dínamo Kiev apenas no dia 24 de novembro às 17h.

Já o Dínamo Kiev permaneceu na terceira colocação com apenas um ponto conquistado. Volta a campo no domingo (8) às 12h, quando recebe o Shakhtar Donetsk no Campeonato Ucraniano.

VAVEL Logo