Exclusivo: Grupo Artístico de Boedo fala sobre amor por San Lorenzo
Foto: reprodução redes sociais/ Grupo Artístico de Boedo

No coração de Buenos Aires existe um bairro de características únicas e que abriga as três das principais paixões argentinas: carnaval, tango e futebol. Boedo é a casa do San Lorenzo e da maioria de seus torcedores. No berço de tamanha cultura, em 2012 nasce o GABRA - Grupo Artístico de Boedo Roberto Arlt, uma referência em obras de arte nos muros da cidade com pinturas referentes aos Cuervos.

Time de história fantástica e que nos remete à resistência contra opressão ditadora, o San Lorenzo é um clube popular da Argentina e que durante as primeiras décadas do século XX deixou de ser um time regional para abrigar os maiores públicos do país, tendo inclusive o "velho" Gasómetro, o maior palco de futebol que o levou ao rótulo de Wembley Argentino.

Alvo de inúmeras tentativas de governos ditadores, que acreditavam que Boedo era a personificação da marginalização local, o San Lorenzo perdeu sua antiga casa ao final de 1979. Depois de amargar rebaixamento e passar por estádios de rivais até se fixar em Bajo Flores, um bairro vizinho, o clube então pôde sonhar em voltar para sua velha casa a partir de um movimento da torcida a partir de 2006.

 

Trabalho artístico

Enquanto os El Ciclón se reestruturaram fora de Boedo e até venceram uma Copa Libertadores da América no período, torcedores do bairro de origem sempre sentiram falta do clube por ali. Integrantes do Grupo Artístico, Pepi e Martí falam com exclusividade sobre toda a cultura de arte dos GABRA.

"O grupo surge a partir de uma iniciativa conjunta em criar um mural, logo conhecemos um outro e assim, durante uma breve jornada o que eram cinco tornou-se sete e aí nasce o projeto", comenta Pepi. 

Sua citação se refere aos amigos Facundo, Matías, Julian, Lopes, Cecí e Mariana, além do já citado Pepi. De acordo com o artista, a expansão dos GABRA hoje ultrapassa fronteiras e hoje somam mais de 130 muros grafitados entre Brasil, Alemanha, Uruguai, Espanha e Bélgica.

Fazemos as paredes temáticas relacionadas ao lugar de onde realizamos as obras. A gente aprecia e valoriza muito nossa arte, é muito gratificante saber que cerca de 20 mil pessoas seguem em redes sociais os trabalhos que fazemos, diz Pepi.

Já Martí comenta sobre sua identificação inicial com Los Cuervos e também a importância de Boedo para si. "Minha história com San Lorenzo começa antes mesmo de eu nascer. Meus pais me criaram em Boedo, nasci e respirei paixão por aqui. O amor pelo clube começou graças ao meu pai e avô, que me levavam ao estádio domingo atrás de domingo para desfrutar com a família vendo o Ciclón". 

Para o artista, futebol é a grande paixão do morador de Boedo: "Família, futebol e torcer são culturas respiradas por todo o bairro. Aqui é uma região de grandes pensadores, poetas, pintores, músicos e outros artistas que historicamente se juntavam em bares para reforçar essa cultura", destaca Martí.

Paixão 

Em referência à sua trajetória no Grupo Artístico, Martí fala como começou neste projeto. "O amor pelo bairro e por San Lorenzo me levaram para o GABRA. O grupo estava formado há dois anos e um de seus integrantes, Facundo, que conhecia da torcida, sempre me chamava para se juntar e ajudar a pintar no bairro. Depois que fui a primeira vez não parei, como magia, a arte vive em mim".

Nutrimos arte em geral, apreciamos cultura e gírias locais que não estamos acostumados. Da mesma maneira que viajamos o interior de nosso país, participando de eventos artísticos, onde nos conectamos com outras culturas sul-americanas, sendo sempre uma experiência enriquecedora, comenta Martí.

Próximo do retorno à Boedo, San Lorenzo presenteou seus torcedores durante o ano passado ao confirmar que voltará ao bairro depois de mais de quatro décadas. Após a oficialização, cerca de cem mil Azulgrenás celebraram nas principais vias do bairro a realização de um sonho, a volta dos Cuervos para sua casa.

VAVEL Logo