Manchester City arranca grande virada diante do Aston Villa e conquista oitavo título da Premier League
Foto: Divulgação/Manchester City

Não faltou emoção para a entrega da taça da principal competição da Inglaterra. O Manchester City venceu de virada o Aston Villa por 3 a 2, no Etihad Stadium, e garantiu o oitavo título na 38ª rodada da Premier League, chegando aos 93 pontos, sendo um para o vice Liverpool. Cash e Philippe Coutinho deixaram os Leões na frente, mas Gündogan, duas vezes, e Rodri evitaram a derrota em cinco minutos. 

O resultado mantém a invencibilidade dos Cityzens sobre os Villans. São 10 vitórias nos últimos 11 jogos pela competição, sendo sete de forma consecutiva.

Volume não amedronta os Leões

Foto: Divulgação/Premier League
Foto: Divulgação/Premier League

Além da briga pelo título, de um lado, o retrospecto favorável ao City contra o Villas e os triunfos dos cinco últimos jogos na temporada, enquanto os visitantes buscavam quebrar o jejum de conquistar o primeiro triunfo no encerramento do campeonato desde a temporada 1997-98. Bola em jogo, o time azul da cidade de Manchester partia para cima, mostrando superioridade no volume de jogo, rodeando a meta dos Villans. 

Olsen tentou dar um chutão, Gabriel Jesus pressionou e o goleiro chutou em cima do brasileiro. Por sorte, a bola saiu pela linha de fundo. Apesar do domínio do adversário, os comandados de Steven Gerrard buscavam ameaçar nos lançamentos. Watkins cruzou na área, Coutinho mergulhou, mas Fernandinho se antecipou no corte. Os Cityzens chegavam com De Bruyne, em cobrança de falta fechada, porém Olsen tirou de soco.

A pressão seguia, mas a boa marcação dos Leões se sobressaiam. Mahrez deixou Cash no chão, cruzando rasteiro dentro da área. De Bruyne preparou para finalizar, mas Digne tomou à frente, impedindo a sequência. O belga até tentou ameaçar após armar contra-ataque, acabou sendo desarmado. Foden recuperou, bateu cruzado. A bola desviou em Cash e sai com perigo à esquerda do gol

O volume era notório, porém, faltava colocar a redonda dentro da rede. Em sua primeira chegada, o Villa soube fazer. Ramsey avançou pelo lado esquerdo, abrindo com Digne, que levantou no capricho para Cash acertar as redes em cabeceio nas costas de Cancelo.

Cinco minutos histórico

Foto: Divulgação/Premier League
Foto: Divulgação/Premier League

Pep Guardiola já voltou com mudanças para o segundo tempo. Tirou o improvisado Fernandinho, que se despede do clube, para colocar Zinchenko. Stones voltou para a zaga e Cancelo atuou na lateral direita. O ucraniano entrou muito bem, mostrou sua  habilidade, saiu driblando dentro da área e rolou para trás. Mahrez teve foi travado na conclusão. 

O maior desperdício veio com toque brasileiro. Cancelo levantou na pequena área, Gabriel Jesus surgiu sem marcação e bateu muito mal, mandando por cima do gol. O panorama mostrava, novamente, que o domínio não era tudo. Os visitantes sabiam chegar. Se não conseguia na troca de passes, a ligação direta virou uma opção interessante. Olsen deu um chutão. Watkins recebeu com liberdade, saiu na cara de Ederson e bateu colocado, tirando do goleiro. A bola quica e sai rente à trave.

Aos 69’, a jogada teve êxito. Olsen fez a ligação,  Watkins desviou de leve, ajeitando para Coutinho. O brasileiro tirou de Laporte e chutou rasteiro no cantinho da meta azul. Tudo se encaminhava para o fim de jejum dos Villans. No entanto, os roteiros podem mudar no desenvolver da história, melhor dizendo, partida. 

Cinco minutos. Número mágico. Suficiente para a virada e, assim, evitar qualquer susto na reta final. Sterling fez lançamento da direita. Gündogan, que saiu do banco antes do último tento sofrido, subiu nas costas de Cash, e cabeceou firme para diminuir a vantagem.

Pouco depois, Zinchenko fez boa jogada pela esquerda, invadiu a área e rolou para Rodri bater de chapa. Olsen se estica todo, mas viu a redonda morrer no canto. O alívio veio com ele, o camisa 8. Mings rebateu, mas De Bruyne ficou com o rebote. O belga deu passe espetacular, encontrou Gündogan na segunda trave, que tem apenas o trabalho de escorar .

Enceramento com chave de ouro

Foto: Divulgação/Manchester City
Foto: Divulgação/Manchester City

O Manchester City venceu todos os seis últimos jogos do final temporada sob o comando de Pep Guardiola. É o melhor recorde de na história da competição. O espanhol conquista seu quarto título da Premier League, com apenas Sir Alex Ferguson vencendo mais (13), e torna-se o maior treinador estrangeiro a erguer taças na primeira divisão inglesa, ficando à frente de Arsene Wenger (3) e José Mourinho (3).

VAVEL Logo