Com gol nos acréscimos, Atlético Nacional se classifica e enfrenta São Paulo na Libertadores

Equipe verdolaga chegou a estar perdendo a partida, mas virou o jogo e conseguiu o gol da classificação aos 49 minutos do segundo tempo

Com gol nos acréscimos, Atlético Nacional se classifica e enfrenta São Paulo na Libertadores
Foto: Raul Arboleda/Getty Images
Atletico Nacional
3 1
Rosario Central
Atletico Nacional: ARMANI; BOCANEGRA, SÁNCHEZ, HENRIQUEZ, DÍAZ; MEJÍA, PÉREZ (BERRÍO, MIN. 34); GUERRA, TORRES (CASTAÑEDA, MIN. 86), COPETE (IBARGUÉN, MIN. 45), MORENO. TÉCNICO: REINALDO RUEDA.
Rosario Central: SOSA; SALAZAR, BURGOS, DONATTI, ÁLVAREZ (VILLAGRA, MIN. 43); MUSTO, MONTOYA (GIL ROMERO, MIN. 53), FERNÁNDEZ, CERVI; HERRERA (LO CELSO, MIN. 72), RUBEN.
Placar: 1-0, MIN. 8, RUBEN. 1-1, MIN. 45, TORRES. 2-1, MIN. 50, GUERRA, 3-1, MIN. 94, BERRÍO.
ÁRBITRO: DANIEL FEDORCZUK (URU). CARTÕES AMARELOS: BURGOS (MIN. 39), RUBÉN (MIN. 59), HENRIQUEZ (MIN. 59), IBARGUÉN (MIN. 66), VILLAGRA (MIN. 68), MEJÍA (MIN. 79). CARTÕES VERMELHOS: BURGOS (MIN. 91), BERRÍO (MIN. 97), LO CELSO (MIN. 100).
INCIDENCIAS: PARTIDA VÁLIDA PELOS JOGOS DE VOLTA DAS QUARTAS-DE-FINAL DA COPA LIBERTADORES DA AMÉRICA 2016, REALIZADA NO ESTÁDIO ATANASIO GIRARDOT, NA CIDADE DE MEDELLIN, NA COLÔMBIA.

A torcida verdolaga de Medellín sabia que o jogo seria dificílimo. Mas lotou o estádio Atanasio Girardot na noite desta quinta-feira (19) e viu o Atletico Nacional vencer de forma espetacular o Rosario Central por 3 a 1 após ter levado um gol no início da partida que quase tira as esperanças de classificação. Mas Macnelly Torres, Alejandro Guerra e Berrío foram os herois da noite.

Como a partida de ida terminou em 1 a 0 para os canallas, a equipe colombiana conseguiu passar para as semifinais da Copa Libertadores da America 2016 com o resultado de 3 a 1 e agora enfrenta o São Paulo, que no dia anterior havia eliminado o Atlético Mineiro ao empatar em 1 a 1 jogando em Belo Horizonte. A outra semifinal será realizada entre o Boca Juniors, que bateu o Nacional/URU nos pênaltis, e o vencedor de Pumas e Independiente Del Valle.

Susto inicial, pressão e gol no finalzinho

Pressionada por estar em desvantagem após perder o jogo de ida na Argentina, a equipe do Atletico Nacional começou o primeiro tempo buscando desesperadamente o ataque, e logo nos primeiros minutos já havia chegado na área do Rosario e conseguido dois escanteios. Mas aos 7 minutos um lance mudou toda a história da partida. O zagueiro colombiano Copete, após tentar um carrinho na grande área, tocou a mão na bola. Pênalti para o Rosario, que Marco Rubén cobrou tirando do goleiro Armani.

Com o gol dos argentinos, o Atletico precisava fazer três gols para conquistar a classificação, e foi para cima do adversário. Aos 13 minutos Copete tocou para Alejandro Guerra chutar de primeira, assustando o goleiro Sebastian Sosa. Aos 17 minutos, mais um lance de perigo através de Sebastian Perez, que recebeu um passe de Guerra e chutou por cima do gol.

Com o passar do tempo, os Canallas foram aos poucos segurando o ímpeto do ataque colombiano, porém em duas jogadas o gol de empate não saiu por muito pouco. Primeiro aos 30 minutos, num passe milimétrico de Guerra para Macnelly Torres que, do lado direito da pequena área, cara a cara com o goleiro, chutou enviesado e a bola saiu do lado esquerdo do gol. E um minuto depois Marlos Moreno fez boa jogada pelo lado direito, se livrou da marcação e chutou para a boa defesa de Sosa.

O grande destaque do primeiro tempo foi realmente o meiocampista Alejandro Guerra. Além dos passes espetaculares, o camisa 18 também assustou por várias vezes a defesa argentina com chutes de média e longa distância. Um desses lances foi aos 35 minutos, após receber a bola na intermediária e ela passar perto do travessão do arqueiro Sosa. Um minuto depois, novo arremate, dessa vez mais próximo da grande área, novamente por cima. Aos 42 foi a vez de Bocanegra tentar do meio de campo, também por cima.

A insistência verdolaga somente veio dar resultado aos 46 minutos de jogo. Berrío fez uma excelente jogada pelo lado direito, passando pelo meio da defesa canalla, e cruzou rasteiro para a pequena área. Torres foi oportunista, ganhou de outro defensor argentino, e empurrou para o fundo da rede, decretando o empate do Atletico e dando esperança para a torcida colombiana na etapa final.

Virada no início e classificação heroica no fim

Como era de se esperar, o Nacional começou o segundo tempo em cima do adversário. Nos dois primeiros minutos a bola praticamente não saiu do lado argentino e os colombianos criaram vários lances de perigo. Tanto que aos cinco minutos o inevitável aconteceu. Após falha do zagueiro Donatti, Moreno pegou a bola pelo lado direito da grande área e lançou Guerra, que não perdoou e bateu na saída do arqueiro do Central. Explosão da torcida verdolaga no Atanasio Girardot, o time de Medellin finalmente passou à frente no placar.

Após o gol a pressão do Atletico Nacional continuou forte, fazendo com que o time do Rosario Central recuasse cada vez mais para seu campo de defesa. O gol da classificação quase saiu aos 11 minutos, num lance de Berrío pelo lado direito em que ele cortou para o meio e bateu para o gol. Sosa deixou a bola escapar e ela quase entra, mas o arqueiro conseguiu se recuperar a tempo. Num dos poucos lances de perigo do Central na segunda etapa, Marco Ruben desviou um cruzamento e a bola bateu na trave, mas o assistente assinalou impedimento do centroavante canalla.

Com o passar do tempo o embate caiu um pouco de produção, mas o domínio do Nacional continuava evidente. Aos 26 minutos Sosa evitou mais uma vez o terceiro gol ao entrar numa dividida com Marlos Moreno. Na sequência do lance a zaga canalla afastou. Outra intervenção de Sosa ocorreu aos 36 minutos, defendendo uma boa cabeçada de Berrío. Um minuto depois foi a vez de Mejía chutar forte de fora da área. A bola passou muito perto da trave direita do goleiro verdolaga.

O tempo ia passando e o Nacional, precisando de mais um gol para se classificar, foi para o tudo ou nada. Colocou mais um atacante em campo e foi cada vez mais para cima do adversário. Aos 43 minutos Díaz cabeceou do lado esquerdo para a grande área, mas a bola passou por todo mundo e saiu pela linha de fundo. Aos 45 minutos o Central passou a jogar com um homem a menos, após Burgos ser expulso devido a um carrinho por trás em Moreno.

A partir daí o que se viu foi o final de jogo mais eletrizante dessa edição da Libertadores. Na cobrança de falta, Bocanegra mandou a bola por cima do gol. Logo depois a bola já estava na grande área do Nacional, nos pés de Marco Rubén que poderia ter feito o gol de empate e liquidado a fatura, mas ao invés de chutar para o gol decidiu tentar o passe para Cervi e Armani conseguiu defender e evitar a tragédia.

O castigo veio dois minutos depois. Ibarguén cruzou para a pequena área, a bola foi desviada e sobrou para Berrío fazer o gol da classificação verdolaga, levando os milhares de torcedores presentes ao Atanasio Girardot ao delírio. Depois do gol se viu uma confusão generalizada e a expulsão do autor do gol por ter provocado o goleiro Sosa.

No reinício, por muito pouco Rubén não classifica o Central ao receber livre na entrada da grande área e chutar, mas a bola passou perto do travessão. Ainda houve tempo para mais uma expulsão, do meia Lo Celso que deu um soco em Mejía. Aos 56 minutos do segundo tempo, finalmente o árbitro Daniel Fedorczuk apontou para o centro do campo e a torcida verdolaga pôde invadir o gramado e comemorar a classificação heroica.