Hungria marca no fim, empata com Islândia e se aproxima da classificação na Eurocopa

Assim como na estreia, húngaros marcaram nos minutos finais da partida

Hungria marca no fim, empata com Islândia e se aproxima da classificação na Eurocopa
Foto: Lars Baron/Getty Images
Islândia
1 1
Hungria
Islândia: Halldórsson; Saevarsson, Ragnar Sigurdsson, Árnason e Skúlason; Gylfi Sigurdsson, Gunnarsson (Hallfredsson), Gudmundsson e Bjarnason; Sightórsson e Bödvarsson.
Hungria: Király; Lang, Guzmics, Juhász (Szalai) e Kádár; Nayg; Stieber (Nikolics), Gera, Priskin (Böde) e Kleinheisler; Dzsudzsák.
Placar: 1-0, min. 39, Gylfi Sigurdsson. 1-1, min. 43, Saevarsson (contra).
ÁRBITRO: Sergei Karasev, auxiliado por Nikolai Golubev e Tikhon Kalugin (trio russo). Cartões: Gudmundsson, Finnbogason, Saevarsson (ISL); Kádár (HUN).
INCIDENCIAS: Partida válida pela segunda rodada do Grupo F da Eurocopa 2016, disputada no estádio Velódrome, em Marselha.

Na tarde deste sábado (18), Islândia e Hungria empataram em 1 a 1, em partida válida pela segunda rodada do Grupo F da Eurocopa 2016. No Velódrome, Gylfi Sigurdsson abriu o placar para os islandenses, enquanto Saevarsson (contra), deixou tudo igual.

O resultado mantém os islandenses provisoriamentamente na segunda colocação da chave, com dois pontos ganhos - a condição pode se alterar dependendo do resultado do jogo entre Portugal e Áustria. Ainda com chances de classificação, a equipe volta a atuar na próxima quarta-feira (22), quando, a partir das 13h, encara a Áustria no Stade de France. Os Magiares, por sua vez, permanecem na liderança, agora com quatro pontos. O time também volta a atuar na quarta, quando enfrenta Portugal no Stade des Lumiéres.

Disposta no esquema 4-4-2 sem o domínio da bola, a Islândia explorou os lados do campo e a alta estatura de seus atleta desde o princípio do embate. Aos oito minutos, por exemplo, a falta na intermediária de ataque já foi suficiente para que os islandeses se deslocassem em bloco para a área adversária. E a primeira chegada de perigo veio mesmo pelo alto. Nesse minuto, Sigthórsson desviou a cobrança da lateral arremessada na área e Bodvarsson completou de cabeça por cima.

Detentora da pelota na maior parte do tempo, a Hungria esbarrava nas dificuldades em penentrar na área islandesa e também recorria aos flancos. O recuo de Nagy, posicionado entre os dois zagueiros, permitiu o avanço dos dois laterais na saída de jogo da equipe. O panorama de superiodade dos magiares foi quebrado por Gudmundsson. Aos 31, ele consertou o passe torto de Bjarnason, se desvencilhou da marcação de Kádár e, cara a cara com Király, concluiu sem força, em cima do arqueiro.

Quando o cronômetro apontava a marca de 37 minutos, o lance parecia tranquilo. Após a cobrança de escanteio, Király abandonou a meta e agarrou a bola. No entanto, o experiente arqueiro deixou a redonda escapar e a ela, então, se ofereceu para Gunnarsson. O meio-campista tentou o corte em Kádár, mas foi parado com falta: pênalti. Na cobrança, Gylfi Sigurdsson bateu no canto inferior direito, enquanto Király caiu no lado oposto: 1 a 0.

Ao menos no que se refere à posse de bola, o cenário se alterou na etapa final. A Hungria, entretanto, pecava na pontaria, com uma sequência de arremates que saíram longe do alvo. O goleiro Halldórsson só trabalhou pela primeira vez na tarde aos 26 minutos, quando defendeu em dois tempos a fraca de finalização de Böde. Acomodados com o resultado, os islandeses abdicaram do ataque e raramente apareceram além da linha divisória do gramado.

O esforço dos magiares foi recompensado no fim. Depois da envolvente troca de passes pelo lado direito, Nikolics apareceu no interior da área com liberdade e cruzou rasteiro. Pressionado por SzalaiSaevarsson tentou afastar o perigo, mas desviou contra o próprio patrimônio: 1 a 1. No último lance da partida, a Islândia ainda teve uma falta frontal a seu favor, mas Sigurdsson carimbou a barreira. No rebote, Gudjohnsen soltou o pé e viu a bola tirar tinta da trave.