País de Gales supera Irlanda do Norte em clássico britânico histórico e segue na Eurocopa

Zagueiro McAuley marcou gol contra e garantiu galeses nas quartas de final da competição de seleções; norte-irlandeses encerram inédita participação no torneio

País de Gales supera Irlanda do Norte em clássico britânico histórico e segue na Eurocopa
(Foto: Divulgação/Uefa)
País de Gales
1 0
Irlanda do Norte
País de Gales: Hennessey; Chester, Ashley Williams e Davies; Gunter, Allen, Ledley (Jonathan Williams - 17'/2ºT), Aaron Ramsey e Taylor; Sam Vokes (Robson-Kanu - 09'/2ºT) e Gareth Bale. Técnico: Chris Coleman.
Irlanda do Norte: McGovern; Hughes, McAuley (Magennis - 38'/2ºT), Cathcart e Jonny Evans; Corry Evans, Steven Davis, Norwood (McGinn - 34'/2ºT), Jamie Ward (Washington - 23'/2ºT) e Dallas; Kyle Lafferty. Técnico: Michael O'Neill.
Placar: 1-0, McAuley [contra], 30'/2ºT.
ÁRBITRO: Martin Atkinson (ING), auxiliado por Michael Mullarkey (ING) e Stephen Child (ING) | Cartões amarelos: Dallas (IRN - 43'/1ºT), Taylor (GAL - 13'/2ºT), Davis (IRN - 22'/2ºT) e Aaron Ramsey (GAL - 49'/2ºT).
INCIDENCIAS: Partida válida pelas oitavas de final da Eurocopa 2016. Jogo realizado no Parc des Princes, em Paris, na tarde deste sábado (25).

O clássico britânico entre País de Gales x Irlanda do Norte não é novo, já é disputado há 132 anos. Porém, era o primeiro duelo das nações pertencentes ao Reino Unido na Eurocopa 2016. Na primeira participação de ambos no torneio europeu de seleções, um jogo equilibrado, com poucas oportunidades de gol, onde o detalhe seria decisivo.

E aconteceu exatamente desse jeito. Pelas oitavas de final da Euro, no Estádio Parc des Princes, em Paris, os galeses levaram a melhor e venceram por 1 a 0. O gol foi marcado pelo zagueiro McAuley, que balançou as próprias redes.

Com o resultado, o tabu permanece. País de Gales não perde para a Irlanda do Norte desde 1980. Os galeses alcançam ainda mais feitos na histórica participação na Eurocopa. Os norte-irlandeses se despedem do torneio.

O adversário de Gales será definido após o confronto entre Hungria x Bélgica. A seleção volta a entrar em campo pelas quartas de final às 16 horas da próxima sexta-feira (1º), no Estádio Pierre-Mauroy, na região metropolitana de Lille.

Primeiro tempo equilibrado

Na etapa incial, as duas equipes tiveram oportunidades de balançar as redes. A primeira boa chance veio aos nove minutos, quando a Irlanda do Norte avançou em contra-ataque e Dallas foi acionado após troca de passes. O meia chutou no canto e o goleiro Hennessey espalmou. A resposta foi eficiente. Aos 18, Sam Vokes escorou cruzamento da direita e Aaron Ramsey deu um simples toque para abrir o marcador, mas a arbitragem anulou o lance ao alegar impedimento do atleta galês.

O jogo ficou aberto. As duas equipes alternavam em finalizações. Aos 22, Jamie Ward arriscou chute de muito longe e Hennessey desviou com as pontas dos dedos para evitar o primeiro gol norte-irlandês. A defesa galesa apresentava um pouco de insegurança e isso contribuía para o equilíbrio nas ações ofensivas da partida. Com o tempo, as oportunidades deixaram de aparecer. País de Gales não conseguia dominar, e a Irlanda do Norte apresentava um desempenho no ataque superior à campanha na fase de grupos.

Embora tivesse mais posse de bola nos 45 minutos iniciais, País de Gales não foi efetivo nas finalizações. A seleção não acertou nenhum chute no gol. O tento assinalado por Ramsey e anulado em seguida veio de uma jogada aérea.

Gol contra decide classificação do País de Gales

A Irlanda do Norte começou o segundo tempo com o objetivo de pressionar a saída de bola e apresentou mais confiança, no entanto, País de Gales levou mais perigo em jogadas ofensivas. Aos sete minutos, Aaron Ramsey cruzou no lado direito de ataque e Vokes subiu com espaço, mas errou o cabeceio. Aos 12, Gareth Bale cobrou falta com efeito e muito perigo da intermediária, mas o goleiro McGovern defendeu. Aos 16, Gareth Bale evitou a saída de bola na esquerda, tentou cruzar de trivela, mas a zaga afastou. Na sobra, Aaron Ramsey chutou, mas a bola bateu na defesa.

Enquanto a Irlanda do Norte chegava ao ataque com bons toques de bola, mas encontrava dificuldades para finalizar as jogadas, País de Gales tinha mais posse de bola e, ao decorrer da segunda etapa, aproveitava os espaços cedidos pela defesa adversária para tentar deixar sua marca. As alterações realizadas pelo treinador norte-irlandês tinham como principal objetivo reequilibrar o setor de ataque. A entrada de Washington como companheiro de Kyle Lafferty tinha como objetivo evitar que a defesa galesa sempre levasse a melhor nas disputas de bola.

Mas uma infelicidade mudou todo o panorama do confronto. Aos 30 minutos, Aaron Ramsey lançou Gareth Bale na esquerda e o principal craque da geração galesa cruzou na área com o objetivo de acionar Robson-Kanu. Na tentativa de impedir que a bola chegasse no atacante, o zagueiro McAuley desviou contra o próprio gol e abriu o marcador em Paris.

A Irlanda do Norte tentou aumentar as peças no ataque e os últimos minutos foram de pressão da equipe, principalmente nas jogadas aéreas e nos lances de bola parada. Ainda assim, País de Gales conseguiu controlar a bola, reforçou a marcação e obteve o resultado positivo ao fim das contas.