Honduras: da desigualdade social às semifinais dos Jogos Olímpicos Rio 2016

Eliminando seleções de tradição, hondurenhos surgem como "elemento surpresa" nas fases finais do futebol masculino na Olimpíada Rio 2016

Honduras: da desigualdade social às semifinais dos Jogos Olímpicos Rio 2016
Brasil é o próximo adversário de Honduras nas semifinais dos Jogos Olímpicos Rio 2016 (Foto: Celso Junior/ Getty Images)

Algumas pessoas dizem que no mundo do futebol não há time favorito em uma partida, que "jogo é jogado", outras, apontam os mais tradicionais e possivelmente com uma galeria de títulos em número considerável, como aquele que tem mais chances de surpreender. E nos Jogos Olímpicos, podemos observar uma variedade de equipes, de níveis opostos, mas que possuem um único objetivo: honrar seu país.

Conhecido pela miscigenação, não poderia ser outro país a não ser o Brasil, a sede de mais uma Olimpíada, onde personagens principais e coadjuvantes se concentrassem na busca pelo ouro olímpico. Onde o futebol, principal esporte entre os brasileiros, ficasse sujeito a surpresas. Com um futebol "humilde", a equipe masculina de Honduras tem surpreendido a todos. Entre seleções de tradição, os hondurenhos tem se tornado um "problema" para as "grandes equipes". 

Uma das nações mais pobres da América, Honduras sofre com a desigualdade social, tendo a agricultura como fonte de renda, sendo a maior parte destinada à exportação para os EUA. Sem muito apoio financeiro para o futebol, as classificações do país surpreenderam a Fenafuth (Federação Nacional Autônoma de Futebol de Honduras), que precisará desembolsar uma boa quantia para manter a seleção na competição. A entidade de fato não esperava pela permanência da delegação até às fases finais. 

Adversário do Brasil nesta quarta-feira (17), em partida válida pelas semifinais da Olimpíada Rio 2016; Honduras pode se tornar uma verdadeira "pedra no sapato" dos brasileiros. Pertencente ao grupo D juntamente com Portugal, Argentina e Argélia, a seleção seguiu firme na primeira fase, eliminando concorrentes de peso.

Na primeira rodada, Honduras venceu a seleção da Argélia por 3 a 2. Em seguida, foi derrotada por Portugal com o placar por 2 a 1. E de forma heroica, empatou com os hermanos argentinos por 1 a 1, eliminando a seleção do polêmico Diego Maradona da Olimpíada. Terminando a primeira fase na segunda posição do grupo, atrás de Portugal.

Pelas quartas de final, encontrou uma seleção que também surpreendeu ao chegar nas fases finais da competição. Coreia do Sul, primeira colocada do grupo C, vencendo o atual campeão olímpico (Londres 2012) México; disputaram vaga para as semifinais neste sábado (13), no Mineirão. Com um placar mínimo de 1 a 0, com gol de Alberth Elis, os hondurenhos marcaram o nome de seu país na história dos Jogos Olímpicos.

Agora, o Brasil é alvo do futebol de Honduras, que sem holofotes, chegou às semifinais de uma das maiores competições esportivas do mundo. Vencendo ou não a partida, uma nação hoje possui brilho nos olhos, e sem dúvidas, carrega no peito um orgulho que ferve a cada simples gesto de amor à pátria.