Atlético Nacional empata com Cerro e enfrenta a Chapecoense na final da Sul-Americana

Clube colombiano segura equipe do Cerro Porteño em Medellín e será o adversário da Chapecoense na decisão da Copa Sul-Americana de 2016

Atlético Nacional empata com Cerro e enfrenta a Chapecoense na final da Sul-Americana
Atlético Nacional empata sem gols com Cerro e está na final da Copa Sul-Americana (Foto: Divulgação/Atlético Nacional)
Atlético Nacional
0 0
Cerro Porteño
Atlético Nacional: Armani; Mateus Uribe, Felipe Aguilar, Alexis Henríquez e Farid Díaz; Diego Arias, Nieto (Alejandro Guerra) e Macnelly Torres; Berrío, Rescaldani (Arley Rodríguez) e Ibargüen (Jhon Mosquera). Técnico: Reinaldo Rueda
Cerro Porteño: Anthony Silva; Raúl Cáceres (Josué Colmán), Marcos Cáceres, Júnior Alonso e Álvaro Pereira; Rodrigo Rojas, Marcos Riveros, Silvio Torales (Jorge Rojas) e Estigarribia (Pablo Velázquez); Cecílio Domínguez e Guillermo Beltrán. Técnico: Gustavo Florentin
ÁRBITRO: Júlio Bascuñán (CHI) apitou a partida.
INCIDENCIAS: Jogo de volta da semifinal da Copa Sul-Americana 2016, no estádio Atanasio, em Medellín (COL)

O título da Libertadores da América nesse ano não ficou de bom tamanho para o Atlético Nacional, que conseguiu chegar à mais uma final continental após empatar com o Cerro Porteño em 0 a 0, nessa quinta-feira (24), no estádio Atanasio, em Medellín. Como o primeiro jogo havia terminado em 1 a 1, os colombianos se classificaram com o critério do gol fora de casa.

Na decisão, o Atlético Nacional irá enfrentar a Chapecoense, que eliminou o San Lorenzo na Arena Condá, em Chapecó (SC). O primeiro jogo da decisão ocorrerá em Medellín com o mando do Atlético Nacional, e a volta ainda não tem local definido, já que o estádio da Chapecoense não tem a capacidade mínima para receber a decisão continental. As duas cidades cogitadas para receber a final são Curitiba (PR) e Porto Alegre (RS).

Jogo disputado no primeiro tempo para ambos

Era nítido que as duas equipes tinham uma vontade imensa de vencer. O Atlético tinha a vantagem do empate sem gols, mas estava com um grande problema: o artilheiro Borja não pôde jogar pois estava suspenso e isso fez uma falta tremenda para o time colombiano. O primeiro lance foi da equipe paraguaia quando Beltrán acionou Estigarribia na esquerda e cruzou para a área, mas Henríquez afastou. 

O Cerro teve que trabalhar o goleiro Silva pela primeira vez quando Ibargüen ia saindo na cara do gol, mas o goleiro do time paraguaio foi mais ágil. Álvaro Pereira estava ligado no jogo, e o atleta ex-São Paulo quase marcou em uma cabeçada após um escanteio batido por Cecílio Domínguez. 

A equipe da casa tentava se virar de qualquer custo e Ibargüen quase marcou em um chute forte de chapa, mas Rescaldani apareceu no meio da área para evitar o gol e ainda saiu jogando sozinho. A equipe do Paraguai também teve um chute interrompido quando Estigarribia cruzou para Cecílio Dominguez, que na hora de finalizar, foi interceptado por Farid Díaz.

O final do primeiro tempo foi ganhando um ritmo mais intenso e as duas equipes criaram chances claras de gol. O Atlético Nacional criou duas: a primeira com finalização de Rescaldani após jogada rápida, mas a bola acabou indo pra fora. Na segunda, Anthony Silva fez uma ótima defesa quando Berrío tentou sair de frente para o gol vazio. 

O Cerro criou uma ótima chance em cabeçada do Silvio Torales, que tirou tinta da trave do goleiro Armani. Álvaro Pereira também tentou uma cabeçada, mas essa passou longe do gol. As duas equipes foram para os vestiários com um primeiro intenso e ambas com sede de gols.

Goleiros brilham e Atlético Nacional segura empate

Os principais nomes do jogo foram de fato os goleiros Anthony Silva e Armani. Ambos fizeram excelentes defesas, mas se deu bem quem precisava do empate. No caso, Armani teve grandes dificuldades para assegurar a classificação do seu time.

Mas quem começou mais veloz  foi o Atlético Nacional. Diego Arias, Bérrio e Rescaldani assustaram os torcedores do Cerro Porteño com três oportunidades claras de gol, mas ambas sem sucesso. A primeira chegada dos paraguaios na etapa final veio em finalização de Estigarribia, mas ela saiu pela linha de fundo.

Depois disso, brilhou a estrela de Anthony Silva. Ibarüen tabelou com Rescaldani, mas na hora de fazer o gol, o goleiro do Cerro Porteño segurou a bola. Depois, Armani começou a aparecer mais ao jogo quando o time visitante foi pra cima atrás do gol.

Cecílio Domínguez deixou Beltrán na cara do gol de Armani, que bateu firme, mas o goleiro do Atlético Nacional fez uma defesa sensacional e evitou o que seria o primeiro gol do jogo. Aquilo não foi o bastante. Rodrigo Rojas chutou de fora da área e ela ia morrer dentro do gol, mas Armani espalmou e mandou pra escanteio.

Já indo para os minutos finais, Cecílio Domínguez arriscou um belo chute cruzado que Armani, novamente, aplicou mais uma bela defesa. A equipe do Nacional esperava que o jogo terminasse logo, mas o Cerro perdeu forças quando Riveros levou um cartão vermelho por falta em Berrío.

Berrío sentiu dores na hora da falta, mas logo respondeu com uma bela jogada com Mosquera e também com uma boa finalização na entrada da área, mas mais uma vez, a bola saiu para fora. A rede até chegou a balançar nos acréscimos com chute de Mosquera, mas o bandeirinha marcou impedimento e anulou o gol. Depois de muito sofrimento, o árbitro apitou o final da partida, garantindo a final para o Atlético Nacional e o título de herói para o goleiro Armani, que foi fundamental para a segurança da vaga.