Hope Solo acusa Joseph Blatter de assédio sexual em evento da Fifa: "Ele me apalpou"

Goleira norte-americana fala sobre o machismo no esporte e revela ter sido agarrada pelo ex-presidente da Fifa, durante cerimônia da Bola de Ouro em 2013

Hope Solo acusa Joseph Blatter de assédio sexual em evento da Fifa: "Ele me apalpou"
Cerimônia dos melhores do mundo da temporada 2012 (Foto: Christof Koepsel/Getty Images)

Como um recorte da sociedade, o esporte também é um ambiente machista e austero para mulheres. No futebol, seja dentro de campo ou nas arquibancadas, a luta por equidade e respeito é uma bandeira feminina, erguida diariamente. Todavia, o assédio nos vestiários, o preconceito nos gramados (com atletas, treinadoras e árbitras) e as piadas nos estádios e redes sociais acabam por transformar a presença feminina no esporte em um grande ato de resistência.

O ano de 2017 pode ser considerado um marco na questão da luta feminina contra o assédio. Não foram poucos os casos denunciados por pessoas públicas: globais, atrizes de Hollywood, cantoras e outras grandes personalidades. Mesmo que estes relatos revelem um panorama assustador, a importância destes casos virem à tona é gigantesca, pois inspiram milhões de mulheres, outrora violentadas e silenciadas pelo medo, a denunciarem seus abusadores.

Na última sexta-feira (10), a goleira norte-americana Hope Solo, concedeu uma entrevista ao jornal Tribuna Expresso, onde o machismo e assédio no esporte foi o tema predominante. A atleta aproveitou o momento para dar o seu relato pessoal, acusando o ex-presidente da FIFA, Joseph Blatter, de tê-la apalpado durante uma cerimônia de premiação, em 2013.

"Ok, Joseph Blatter agarrou a minha bunda. Posso falar sobre isso? Eu estava na cerimônia da Bola de Ouro, e aconteceu por trás das cortinas, segundos antes de entrarmos no palco. Eu fiquei em choque e fui completamente desestabilizada. Eu tive que me recompor rapidamente para entregar à minha companheira, Abby Wambach, o maior prêmio da sua carreira", afirmou Hope.

Mesmo ciente da dificuldade e da sensação de impotência e vulnerabilidade, Hope Solo destacou ser fundamental que outras jogadoras consigam driblar o medo e denunciar seus abusadores, já que muitos deles ainda estão no meio do futebol: "Sim, é desconfortável trazer à tona, mas gostaria que mais mulheres, sobretudo no futebol, falassem das suas experiências, porque algumas dessas pessoas ainda trabalham no futebol", pontuou.

No mês de outubro, em uma de suas redes sociais, a goleira já havia se posicionado sobre o tema. Nas palavras de Hope Solo, o assédio sexual é algo tão rotineiro e desenfreado que já se tornou 'natural' no esporte.

"De comentários inapropriados, avanços inadequados e agarrões de técnicos e diretores, e mesmo pessoas da imprensa falando sobre os seios das jogadores e aparência física. O assédio sexual é desenfreado no mundo dos esportes. Eu sempre achei que eu lidava com isso e me posicionava nessas situações, mas nunca houve nenhuma consequência para os assediadores”, declarou em seu Instagram.

Figura controversa, Sepp Blatter já havia feito comentários machistas acerca do futebol feminino. Em 2004, o mandatário chegou a sugerir que as atletas jogassem com roupas mais curtas e mais femininas, para 'atrair popularidade'. Após a entrevista de Hope Solo, a assessoria de Blatter se pronunciou, negando veementemente as acusações da goleira.