Alemanha bate Ucrânia e mantém invencibilidade em estreias da Eurocopa

Gols de Mustafi e Schweinsteiger fazem germânicos darem sequência ao tabu, vencendo sete e empatando cinco em todos os duelos de abertura no torneio continental

Alemanha bate Ucrânia e mantém invencibilidade em estreias da Eurocopa
Foto: Denis Charlet/AFP/Getty Images
Alemanha
2 0
Ucrânia
Alemanha: Neuer; Höwedes, Mustafi, Hector e Boateng; Kroos, Khedira, Müller, Özil e Draxler (Schürrle, min. 77); Götze (Schweinsteiger (min. 89). Técnico: Joachim Löw
Ucrânia: Pyatov; Khacheridi, Rakitskiy, Svevchuk e Fedetskiy; Stepanenko, Sydorchuk, Yarmolenko, Kovalenko (Zinchenko, min. 73) e Konoplyanka; Zozulya (Seleznyov, min. 66). Técnico: Mykhaylo Fomenko
Placar: 1-0, min. 19, Mustafi; 2-0, min. 92, Schweinsteiger
ÁRBITRO: Martin Atkinson (ING). Cartão amarelo: Konoplyanka (min. 68)
INCIDENCIAS: Partida válida pela 1ª rodada do Grupo C da Eurocopa 2016, disputada no Pierre-Mauroy, em Lille, na França

A noite deste domingo (12), em Lille, marcou a estreia da campeã do mundo Alemanha na Eurocopa 2016. Em jogo válido pelo Grupo C, no estádio Pierre-Mauroy, os alemães até perderam muitos gols, mas bateram a Ucrânia por 2 a 0, com Mustafi Schweinsteiger sendo os responsáveis pelo triunfo. A vitória faz os alemães manterem um tabu histórico de nunca terem perdido na abertura do torneio, com o total de sete êxitos e cinco empates

Por conta do resultado positivo, os germânicos assumem a liderança do grupo, pois a Polônia derrotou a Irlanda do Norte por um tento de diferença. Os ucranianos, porém, ficam na lanterna, uma vez que possuem saldo inferior. Agora, as equipes voltam a campo somente na próxima quinta-feira (17). A Alemanha enfrenta os poloneses, às 16h, no Stade de France em Saint-Denis, já a Ucrânia encara os norte-irlandeses, às 13h, no Stade des Lumières, em Lyon.

Alemanha é mais eficente e sai em vantagem

Desde a conquista do tetracampeonato da Copa do Mundo em 2014, a Alemanha não vem apresentando bom futebol, seja nos amistosos ou nas Eliminatórias para 2018. No classificatório à Eurocopa, a situação não foi diferente, bem como na estreia do torneio continental, diante da Ucrânia, que iniciou com mais disposição e criou o primeiro bom momento. Konoplyanka recebeu cruzamento de Fedetskiy e obrigou Neuer a fazer boa defesa, colocando para escanteio.

Apesar da criatividade, os alemães sentiram a falta de uma peça na referência, mesmo indo frequentemente na intermediária adversária e pouco levando perigo. Em um desses lances, depois de cruzamento de Draxler, Müller ficou pressionado e serviu Hector, que bateu mal e perdeu boa chance de abrir o placar.

Se trocar passes não era a melhor tentativa a favor dos germânicos, a solução foi apostar na bola parada para surpreender a marcação dos ucranianos, que estava sólida. Toni Kroos levantou na pequena área e, surgindo no meio dos defensores, Mustafi testou com qualidade e mandou para o fundo da meta, deixando sua equipe em vantagem no marcador.

Mesmo atrás, o time do Leste Europeu não se acovardou em campo e foi buscar o empate, mas esbarrou no camisa 1. Konoplyanka cobrou escanteio no meio do tumulto, Khacheridi subiu mais alto que todo mundo e cabeceou em direção ao gol, porém parou no arqueiro, que afastou a bola.

Dois minutos depois, a atual campeã mundial teve uma oportunidade de ampliar, contudo não conseguiu demonstrar eficiência. Do círculo central, Kroos deu lançamento em profundidade para Khedira, que ficou de frente com Pyatov. Sem o cacoete de centroavante, o volante finalizou em cima do goleiro e não conseguiu marcar o segundo tento do jogo.

Tentando mostrar que estava viva, a seleção azul e amarela teve duas boas jogadas para deixar tudo igual, entretanto não conseguiu ser tão exitosa conforme esperava. Yarmolenko achou um passe milimétrico para Konoplyanka, que tentou completar e viu Boateng mandar para longe, ao afastar quase em cima da linha. Em sequência, Sydorchuk encontrou Fedeskiy, que empurrou para o gol, todavia a arbitragem já havia paralisado e anotando impedimento, invalidando o tento.

Schweinsteiger marca no fim e confirma vitória alemã

Para a etapa final, os treinadores optaram por não realizar mexidas nas respectivas equipes e, com isso, o panorama seguiu imprevisível. Com apenas dois minutos, Boateng inverteu para Draxler, que estava sem marcação pelo lado esquerdo e arrematou forte, mas Pyatov foi na bola e a colocou para escanteio.

Seguindo no ataque, a Alemanha teve nova oportunidade de fazer o segundo gol, contudo dessa vez a finalização foi para fora. Depois de boa troca de passes, a sobra ficou na intermediária, com Kroos. Livre e com condição de chutar, o meia não se intimidou e arriscou, porém muito próximo ao travessão.

Mesmo perdida no segundo tempo, a Ucrânia demonstrou que estava viva e resolveu atacar, fazendo Neuer trabalhar. Rakitskiy chutou de primeira tentando supreender, com chute à longa distância, todavia o goleiro alemão estava atento ao lance e cortou, evitando o empate em Lille.

Melhor em campo nos últimos 45 minutos, o selecionado alemão foi mais perigoso e criou as melhores oportunidades, sem dar liberdade aos ucranianos. Após nova longa troca de passes, Khedira ficou com a bola fora da área e resolveu testar o arqueiro adversário, que fez a intervenção e impediu o tento.

Já nos últimos instantes, nem mesmo as mudanças foram suficientes para que o time do Leste Europeu conseguisse segurar a pressão dos germânicos. Em dos lances na reta final, Özil saiu de frente para o arqueiro, no entanto bateu em cima dele. Na última chance, o mesmo Özil virou garçom e cruzou com perfeição para Schweinsteiger, que acabara de entrar. O camisa 7, livre, só teve o trabalho de empurrar à meta, que estava sem ninguém.