Alemanha e Nigéria se enfrentam buscando vaga na final olímpica do futebol masculino

Alemães vem embalados após marcaram 14 gols nos últimos dois jogos; apesar da falta de planejamento, nigerianos surpreendem e têm chances reais de conquistarem medalha

Alemanha e Nigéria se enfrentam buscando vaga na final olímpica do futebol masculino
(Foto: Evaristo Sá/AFP/GettyImages)
Alemanha
Nigéria
Alemanha: Timo Horn, Lukas Klostermann, Matthias Ginter e Niklas Suele; Jeremy Toljan, Sven Bender, Maximilian Meyer, Julian Brandt, Serge Gnabry e Lars Bender; Davie Selke. Técnico: Horst Hrubesch.
Nigéria: Emmanuel Daniel, Muenfuh Sincere, Abdullahi Shehu, William Ekong e Stanley Amuzie; Usman Muhammed, John Obi Mikel e Okechukwu Azubuike; Sadiq Umar, Aminu Umar e Imoh Ezekiel. Técnico: Samson Siasia.
INCIDENCIAS: Semifinal da modalidade de Futebol dos Jogos Olímpicos Rio 2016, entre Alemanha e Nigéria. O jogo será disputado no estádio Itaquerão (São Paulo, SP). Capacidade de 47.605 espectadores.

Um dos grandes duelos da semifinal do Futebol Masculino nestas Olimpíadas é entre Alemanha e Nigéria, que jogam na Arena Corinthians nesta quarta-feira (17), às 16 horas, rumo ao sonhado ouro olímpico. 

Nas quartas de final, os alemães golearam Portugal, líder do Grupo D por 4 a 0, apesar da ausência de estrelas são considerados favoritos do confronto. De outro lado, os nigerianos eliminaram a Dinamarca por 2 a 0.

Ambas seleções já obtiveram a medalha dourada. Os Europeus tem no currículo uma quando ainda existia Alemanha Oriental e ainda uma prata e um bronze, a aproximadamente 40 anos atrás. Pela parte ocidental apenas o singular bronze, unificada o mesmo.

Já os Norte-Africanos sonham repetir o ouro de 1996, ou o Bronze de Pequim em 2008. Qualquer coisa que vier agora é visto como lucro, pelo histórico de terem chegado desacreditados e surpreenderem até esta fase do torneio.

Alemanha espera furar o bloqueio nigeriano, mesmo com os africanos em vantagem física

Uma das grandes vantagens dos alemães apesar da ausência de estrelas é a aplicação tática que a equipe tem. Até no Sub23 encontra-se similaridade com a seleção principal, como por exemplo a forte marcação, rapidez ofensiva e alta posse de bola.

Porém, um dos grandes entraves da equipe é a questão física, como muitos jogadores estariam começando a temporada neste momento na Bundesliga. Muitos encontram dificuldades em recompor a parte defensiva, no jogo contra os portugueses encontrava-se uma equipe superior, mas perdida defensivamente.

O encontro contra os norte-africanos irá exigir uma disposição não só tática, quanto física. Para isso, o técnico Horst Hrubesch ressalta que apesar da sua equipe estar embalada de boas sequencias (10 a 0 diante o Fiji, 4 a 0 com Portugal), os adversários possuem vantagem nesse quesito.

"A Nigéria tem um time muito forte e para mim antes do início dos Jogos já era favorita ao ouro. Os jogadores são fisicamente mais fortes que o normal da categoria de base, que é muito nivelada. Isso faz grande diferença, ainda mais se falarmos de um jogo decisivo", disse o técnico.

Mesmo com planejamento bagunçado, Nigéria surpreende e tem chances reais de Ouro

É surpreendente o futebol que os nigerianos mostraram até aqui! Principalmente se for contar os episódios que escancaram o planejamento da Confederação Nigeriana. 

O ex-técnico não durou oito meses no comando da Nigéria, Sunday Oliseh. Pediu as contas em fevereiro deste ano, após meses sem receber salários e disparou contra a federação nas redes sociais.

Problemas no vôo afetaram sua chegada ao Brasil ainda na Fase de Grupos. Em Manaus era pra terem chegado dois dias antes da partida diante o Japão no dia 4, entretanto chegaram no mesmo dia e golearam os asiáticos por 5 a 4.

O atual comandante, Samson Siasia, comentou sobre o problema que antecedeu os jogos: "É um problema que temos não só na Nigéria, mas em outros países. Os países africanos precisam ser melhor estruturados. Nosso problema não é ter bons times, mas é não ter condições de nos preparar como os outros times".

O que poucos sabem é que apesar do desgaste físico realizado no duelo na Arena da Amazonia. Os nigerianos fiseram um ótimo preparo em Atlante. Nos Estados Unidos eles realizaram aclimatação para aguentar o calor brasileiro, tanto no Amazonas, quanto no Rio de Janeiro.

Siasa, demonstrou que usará uma tática um tanto defesiva: "Vamos jogar por uma bola, como qualquer outra equipe que cruza o caminho da Alemanha. Eles são taticamente perfeitos, não costumam dar mais do que uma oportunidade ao rival por jogo e por isso mesmo precisamos ficar atentos", não escondendo sua estratégia.