Com jovens destaques, Alemanha estreia na Copa das Confederações contra Austrália

Enquanto Cangurus apostam nos bom retrospecto no torneio, germânicos são apontados como favoritos graças ao Mundial conquistado e ao forte elenco convocado, mesmo sem suas principais estrelas

Com jovens destaques, Alemanha estreia na Copa das Confederações contra Austrália
Foto: Hugo Alves/Editoria de Arte/VAVEL Brasi
Austrália
Alemanha
Austrália: Mat Ryan; Wright, Degenek e Sainsbury; Milligan, Aaron Mooy, Behich, Jackson Irvine, Tom Rogic e Mathew Leckie; Tomi Juric. Técnico: Ange Postecoglou.
Alemanha: Leno; Kimmich, Ginter, Rüdiger e Jonas Hector; Emre Can, Brandt, Goretzka, Stindl e Draxler; Sandro Wagner. Técnico: Joachim Löw.
ÁRBITRO: Mark Geiger (EUA), auxiliado por Joe Fletcher (CAN) e C. J. Morgante (EUA)
INCIDENCIAS: Jogo válido pela primeira rodada do Grupo B da Copa das Confederações 2017 que acontecerá às 12 horas no estádio Olimpiyskiy Stadion Fisht, Sochi na Rússia

Na manhã desta segunda-feira (19), às 12h,  a Alemanha enfrenta a Austrália fechando a primeira rodada do grupo B da Copa das confederações. Com times distintos, ambas as seleções pregam cautela, mas não escondem desejo de começar bem a competição.

Do lado da Alemanha, o técnico Joaquim Löw fez mistério em relação a escalação, confirmando a presença apenas do goleiro Bernd Leno. Já do lado australiano, o líder da equipe Tim Cahill deu discurso otimista.

O jogo encerra a primeira rodada do grupo B na competição. No primeiro jogo do grupo, Chile venceu Camarões por 2 a 0. Com gols de Vargas e Vidal, a partida teve grande participação do recurso arbitrário de vídeo que está sendo testado na competição.

Löw prega confiança em equipe apesar da baixa média de idade

Diante da convocação de jogadores com a idade média de 23 anos, o técnico Joaquim Löw foi questionado quanto a não-convocação de grandes nomes para a competição, mas não encarou isso como um problema. Para o técnico, a competição é uma chance para a nova geração. “Todos podem evoluir, até jogadores conhecidos como Draxler e Kimmich. Eles ainda não chegaram no auge, mas podem fazer isso. Esta competição não é um risco para nós. É uma chance de vermos uma nova geração para o time”, respondeu.

Ainda elogiando sua equipe, o treinador se mostrou otimista e aproveitou para elogiar a equipe. “Todos eles têm grandes qualidades e tiveram uma grande temporada no campeonato alemão. Não falta confiança para nós”, afirmou.

Perguntado sobre a posição dos jogadores mais experientes quanto a convocação, o técnico frisou que sua equipe sabe que mudanças são necessárias e finalizou falando sobre o futuro da seleção alemã. “Essa é a competição que os novatos precisam andar pra frente. E mesmo que sejamos os atuais campeões mundiais, sempre chega o tempo em que mudanças são necessárias. Temos que fazer o time crescer durante a competição. Isso nos fará bem, será uma experiência excelente. Penso que é bom para os mais experientes saber que há jogadores que irão substituí-los no futuro”, concluiu.

Experiente Tim Cahill demonstra animação e fé para vencer a partida

Em mais de uma década com a seleção australiana, o veterano e líder da equipe Tim Cahill demonstrou otimismo para essa edição da Copa das Confederações. Para ele, sua história com a seleção de seu país mantém o seu otimismo. “Eu acredito por causa da minha história de mais de uma década com a seleção australiana. Participei de três Copas do Mundo, três Copas da Ásia, essa é a minha segunda Copa das Confederações. E pelo fato de ter estado com esse grupo pelos últimos dois anos e meio, vendo entre 20 e 60 jogadores comprando a nossa filosofia e evoluindo como jogadores, indo para o cenário mundial a nível competitivo, não apenas sendo jogadores fortes, fisicamente”, afirmou ele.

Elogiando o grupo de jogadores, o jogador destacou a evolução das últimas competições disputadas. “Na última Copa, no Brasil, eu tive a chance de jogar e testemunhar um grupo excepcional de jovens jogadores. Jogamos contra alguns dos melhores times do mundo. Não, não vencemos as partidas, mas evoluímos para um estágio diferente na Copa da Ásia, e a vencemos. Não era para nós termos sido campeões, todos estavam contra nós. Sei porque sou parte disso. Estar aqui na Copa das Confederações não é uma coisa gigante para nós. Nós acreditamos e podemos levar isso para o campo”, finalizou.


Share on Facebook