Crise em Munique: Jupp Heynckes poderá acabar com má fase do Bayern?

No pior início de temporada dos últimos anos, lendário treinador pode animar ambiente conturbado

Crise em Munique: Jupp Heynckes poderá acabar com má fase do Bayern?
Jupp Heynckes saiu da aposentadoria para acabar com tensão do Bayern (Foto: Divulgação/FC Bayern)

Gigante da Baviera, o atual penta-campeão alemão, Bayern de Munique é um dos maiores clubes da Europa. A sala de troféus do Bayern é repleta de títulos importantes como BundesligaDFB-PokalUEFA Champions LeagueSupercopa EuropeiaMundial de Clubes da FIFA, entre outros. Porém, a equipe vive em um dos piores inícios de temporada da sua história. Sim, o gigante europeu está passando por uma crise.

A queda de rendimento do Bayern de Munique começou no ano de 2016/2017, quando o Bayern foi eliminado precocemente da UEFA Champions League diante do Real Madrid pelas quartas-de-finais do torneio, e acabou caindo também na Copa da Alemanha, no Der Klassiker, jogo realizado entre FC Bayern München Borussia Dortmund.

Apesar de apenas ter conquistado o campeonato alemão, Carlo Ancelotti recebeu diversas críticas por não ter conseguido pelo menos dois títulos na temporada, no caso a Bundesliga e a Copa da Alemanha. Os bávaros conquistaram a Bundesliga com 15 pontos de antecedência do segundo colocado, o RB Leipzig, onde o Bayern encerrou o campeonato com 89 gols marcados e 22 sofridos.

Antes mesmo de ter terminado a temporada 2016/2017, o FC Bayern anunciou a contratação de três jogadores: Gnabry (atualmente emprestado para o Hoffenheim), Rudy e Süle, ambos vieram dos Hoffs.

Pré-temporada: Onde apareceram primeiros problemas

O Bayern tinha uma pré-temporada lotada de jogos. O time de Munique disputou a Telekom-Cup, onde se saiu campeão do torneio disputado em apenas um dia. Já no Audi Summer Tour China, o Bayern começou a encontrar alguns problemas, o saldo foi de 3 derrotas e apenas uma vitória. O Milan goleou o atual campeão alemão por 4 a 0. Chegando de uma grande viagem pelo lado oriental, o FC Bayern tinha dois jogos da Copa Audi, o primeiro jogo foi contra o Liverpool (ING), onde os bávaros perderam a chance de disputar a grande final, e acabou indo para a disputa de terceiro & quarto lugar. No segundo jogo, o Bayern perdeu para o Napoli, ficando com a quarta colocação da Audi Cup.

(Foto: TF-Images|Getty Images)
(Foto: TF-Images|Getty Images)

A pré-temporada do Bayern teve um saldo negativo, assim os torcedores e grandes veículos de mídias começaram duvidar do trabalho de Ancelotti para a próxima temporada, pensando que poderia ser um reflexo na qual estava por vir. Voltando da pré-temporada, o Bayern anunciou contratação mais cara da história do clube, o jovem Tolisso, e também anunciou a chegada de James Rodríguez.

Mesmo voltando de uma pré-temporada que deixou a desejar, Bayern conquistou o título da Supercopa da Alemanha, vencendo o Borussia Dortmund nos pênaltis. Destaque para o goleiro Ulreich que defendou duas cobranças durante os pênaltis.

(Foto: TF-Images|Getty Images)
(Foto: TF-Images|Getty Images)

Início de temporada

Os bávaros ganharam a primeira partida da temporada atropelando o Chemnitzer por 5 a 0, jogo válido pela primeira rodada da DFB-Pokal

Já na Bundesliga, com o ex-técnico Ancelotti, apesar de ter conquistado 4 vitórias, o Bayern perdeu para o Hoffenheim por 2 a 0, e cedeu um empate para o Wolfsburg, no qual o Bayern estava ganhando por dois a zero, e no fim acabou tudo igual. A derrota diante do Hoffenheim não causou tanto impacto, mas o empate que antecedia o grande duelo na Champions contra o Paris Saint-Germian, começou a gerar algumas dúvidas em relação ao elenco do Bayern.

A gota d'água para Ancelotti foi a derrota na França para o Paris Saint-Germain, após o jogo acabar, o ex-técnico italiano recebeu diversas críticas por ter começado com Robben, Ribéry e Hummels no banco. A imprensa alemã caiu em cima do italiano por suas decisões na última noite. Na quinta-feira (28), o clube alemão anunciou o contrato encerrado com Carlo Ancelotti.

Após o técnico ser demitido, os jogadores começaram a falar sobre o jogo contra o Paris Saint-Germain. Em entrevista, o zagueiro Mats Hummels disse: "Os jogadores ficaram surpresos com o jogo em Paris.".

Segundo grandes jornais alemães, como BildSky - foi dito que Ancelotti não avisou ninguém sobre a escalação escolhida, os jogadores não sabiam quem ia jogar ou quem não estava relacionado para o jogo. Também foi divulgado pelo Sport1 que Ancelotti possuia brigas internas no elenco, com jogadores como: Boateng, Hummels, Robben, Ribéry e Thomas Müller.

(Foto: Jean Catuffe|Getty Images)
(Foto: Jean Catuffe|Getty Images)

Assim Willy Sagnol foi nomeado técnico interino por tempo indeterminado. A primeira partida com Sagnol, o Bayern viajou até a capital da Alemanha para enfrentar o Hertha Berlin, o Bayern começou a partida ganhando por dois a zero, mas no final o empate foi cedido e deixou o time bastante abalado.

Willy Sagnol apresentou algumas mudanças no elenco, como a volta de Javi Martínez na volância. E também Robben, Ribéry e Hummels voltaram na escalação principal do time da Baviera. No jogo continha um pequeno grupo de torcedores protestando contra a demissão de Ancelotti.

"O resultado é um pouco irritante para nós. Se você está com dois gols, tem que ser mais focado e disciplinado. Se não estivermos concentrados, não seremos mais a melhor equipe na Alemanha”, disse Willy Sagnol.

A volta de Jupp Heynckes

O Bayern estava procurando alguém à altura para substituir Carlo Ancelotti, diversos nomes foram ditos, como o de Tuchel, Klopp, Luis Enrique e Julian Nagelsmann. Porém nesta sexta-feira (06/10), o FC Bayern München anunciou oficialmente a volta de Jupp Heynckes, o seu contrato é até o final da temporada. Heynckes está pela quarta vez no clube alemão, e já conquistou diversos títulos importantes, vale lembrar que junto ao Bayern, no ano de 2012/2013 o Gigante da Baviera ficou com a tão famosa Triplíce Coroa, após grande feito, Jupp Heynckes deixou o clube nas mãos de Pep Guardiola.

(Foto: sampics|Corbis Sport|Getty Images)
(Foto: sampics|Corbis Sport|Getty Images)

"Eu não voltaria a nenhum outro clube do mundo, mas o Bayern é um assunto que mexe com meu coração", disse Heynckes ao FC Bayern TV. A primeira partida do Bayern no comando de Jupp Heynckes será contra o Freiburg no dia 14 de outubro. Partida válida pela Bundesliga.

Visão de fora

A VAVEL foi atrás de alguns especialistas em futebol alemão para saber a opinião deles sobre a má fase do Bayern de Munique. Os participantes foram: João Rafael Venâncio, do Bayern Brasil; Rainer Pompemayer, do ESPN FC; Mário André (Alemão), do Alemanha FC; Vitor Rawet, do Chucrute FC; e Daniel Cardoso, apresentador do Globo Esporte.

Má fase do Bayern

"Philipp Lahm, um dos grandes pilares do time nos últimos anos, se aposentou e isso faz muita diferença. Mas não é só por causa de Lahm que o Bayern não vive um bom momento. O elenco está envelhecido. Não tem como depender de nomes como Ribéry e Robben, por exemplo, que se machucam bastante e já estão defasados dentro do clube. Não só ele, mas Müller não está bem, Thiago Alcântara não está bem, Boateng também não consegue jogar por conta das muitas lesões. Na minha opinião, precisa de uma renovação com qualidade, o que não vem sendo feito.", disse Mario André.

"Acredito que é uma mistura de vários fatores: a pré-temporada ruim, diretoria sem contratar jogadores para posições carentes, muitos jogadores lesionados, jogadores que perderam muito da pré-temporada devido a lesões ou a Copa das Confederações, as más escolhas táticas de Ancelotti, etc. Sem contar os problemas no vestiário do Bayern entre a comissão técnica e os jogadores.", afirmou Rainer Pompemayer.

"Um dos motivos está no fato do treinador ter perdido o controle do vestiário e ausência de substitutos a altura para Robben e Ribery. Há muitos que falam que a aposentadoria de Lahm e Alonso seja um fator. Não concordo, já que há outras lideranças com experiência no time e no quesito técnico Kimmich é um dos poucos que se salvam até aqui e Alonso na minha opinião já não vinha bem.", opinião de Vitor Rawet.

Escalando "às cegas"

"Acho um erro. Essa não é a melhor maneira de se ganhar a confiança de um grupo. Aposto que Ancelotti tinha seus motivos para deixar as principais peças de fora, mas o mínimo que se espera é que ele exponha esses motivos ao grupo até para que este possa  entender o pensamento do seu comandante. Isso essencial em qualquer time.", afirmou Vitor Rawet.

Opinião de Daniel, apresentador do Globo Esporte: "Não acho uma boa ideia. É importante saber se você vai jogar ou não".

Saída de Ancelotti

"Com estas histórias recentes que foram publicadas, acredito que o melhor tenha sido a saída, mesmo. Carlo comprou briga com cinco ou seis atletas que têm influência técnica e de liderança dentro do elenco. Tava na cara que os jogadores não conseguiam aplicar o seu melhor sob o comando do treinador. Houve uma sucessão de erros no Bayern, que levou a atingir a fase ruim que o clube chegou. Acredito que os jogadores não tenham conseguido assimilar as ideias do Ancelotti.", disse João Venâncio.

"Nunca fui fã do Ancelotti e as escalações dele desde a temporada passada sempre foram contestadas. Não só nos nomes, mas também no jeito de o time jogar, bem lento e sem a verticalidade que é a marca da equipe.", disse Mário André.

"Não gosto da filosofia de demissão de técnicos por 2 ou 3 resultados ruins consecutivos. Acho que quebra com um planejamento (que deveria ser) feito no início da temporada. Mantê-lo no mínimo até a pausa de inverno seria o mais razoável a despeito do seu desempenho ruim no momento. O melhor seria então demiti-lo ao fim da temporada passada, se a diretoria não confiava nele.", finalizou Vitor Rawet.

Janela de transferências

"O maior erro, na minha visão, foi ter pecado no processo de renovação. Conseguiu trazer bons nomes, mas não soube administrar o elenco. Mesmo com um número grande, o número de opções no elenco do Bayern é raso. Ter emprestado o Gnabry, que seria usado nesta parte da temporada, com a lesão do Ribéry é um exemplo. A equipe ainda não tem um reserva para o Lewandowski. São coisas que fazem muita diferença numa temporada longa e com um elenco com média de idade alta.", afirmou João Venâncio.

"O Bayern contratou muito mal, não renovou com qualidade. De todos os reforços, Süle é, para mim, o melhor. Mas não para agora, é um zagueiro que vai crescer a médio e longo prazo dentro do clube. Rudy, Tolisso e James Rodríguez estão abaixo do que o mercado poderia oferecer.", disse Mário André.

"Com certeza não achar substitutos a altura de Ribery e Robben para as pontas e um reserva de bom nível para Lewandowski. De resto, achei bons nomes Süle, Rudy e Tolisso.", completou Vitor Rawet.

"Definitivamente não contratar um reserva para Lewandowski e mais um meia de lado de campo para compor o elenco, como ficou provado agora que Ribery se lesionou sério de novo. De resto, foi uma janela ok do Bayern.", finalizou Rainer Pompemayer.

Alemanha