Sevilla bate Shakhtar com dois de Gameiro e avança à terceira final consecutiva da UEL

Espanhóis vencem com dois do atacante francês e vão em busca do seu quinto título da competição

Sevilla bate Shakhtar com dois de Gameiro e avança à terceira final consecutiva da UEL
Sevilla
3 1
Shakhtar Donetsk
Sevilla: David Soria; Mariano, Rami, Carriço e Trémoulinas (Escudero, Min. 74); Krychowiak e N'Zonzi; Coke, Banega (Cristóforo, Min. 89) e Vitolo; Gameiro (Iborra, Min. 82). técnico: Unai Emery
Shakhtar Donetsk: Pyatov; Srna, Kucher, Rakitsky e Ismaily; Malyshev e Stepanenko; Kovalenko, Marlos (Wellington Nem, Min. 84) e Taison (Bernard, Min. 76); Eduardo da Silva (Dentinho, Min. 84). técnico: Mircea Lucescu
Placar: 1-0, Gameiro, Min. 9; 1-1, Eduardo da Silva, Min. 44; 2-1, Gameiro, Min. 47; 3-1, Mariano, Min. 59
ÁRBITRO: Bjorn Kuipers (HOL); cartões amarelos: Marlos (Min. 11), Rakitskiy (Min. 14), Kucher (Min. 20), Banega (Min. 30), Srna (Min. 49), Eduardo da Silva (Min. 61), Stepanenko (Min. 76), Vitolo (Min. 87), Ismaily (Min. 90)
INCIDENCIAS: partida de volta das semifinais da uefa europa league 2015/16, realizada no ramon sanchez pizjuan, em sevilha, espanha

Nesta quinta-feira (5), o Sevilla mostrou porque realmente combina com a Uefa Europa League. No jogo de volta das semifinais da segunda maior competição europeia, os espanhóis não deram chances ao Shakhtar Donetsk e venceram por 3 a 1, com dois de Gameiro e um do brasileiro Mariano. O também brasileiro Eduardo da Silva marcou para os ucranianos. Essa é a terceira final seguida dos espanhóis, que são os maiores vencedores com quatro conquistas.

Ainda em êxtase com a classificação para mais uma final, o Sevilla retorna aos gramados no próximo domingo (8), às 12h, quando recebe o desesperado Granada pela penúltima rodada do Campeonato Espanhol. O Shakhtar também volta a campo no domingo, só que às 13h30, quando visita o Karpaty Lviv.

Sevilla é melhor, abre o placar, mas um brasileiro deixa tudo igual

Esperava-se um domínio bem grande dos espanhóis, principalmente por serem fortes nos seus domínios. E logo aos 9', esse domínio se tornou em gol, quando Malyshev errou na saída de bola, Gameiro roubou, avançou, invadiu a área e bateu cruzado, na saída de Pyatov, abrindo o placar no Ramon Sanchez Pizjuan para os rojiblancos: 1 a 0 Sevilla.

Mesmo após marcar e deixar a boa vantagem que já tinha melhor ainda, os donos da casa seguiram pressionando em busca de ampliar a vantagem. Aos 18', Banega cobrou falta, a bola foi desviada e Pyatov salvou os ucranianos. O Shakhtar chegou bem pela primeira vez aos 24', quando Ismaily recebeu após escanteio, bateu cruzado, mas ninguém apareceu para mandar ao gol.

Mesmo melhor na partida, o Sevilla dava espaços para os ucranianos, que iam gostando cada vez mais da partida. E depois de um momento onde todos acharam que o primeiro tempo ia acabar com a vantagem dos atuais bicampeões, o Shakhtar tratou de deixar tudo interessante no Pizjuan. Aos 44', Marlos recebeu na direita, avançou pelo meio com muito espaço e deu um toque perfeito em profundidade pra Eduardo da Silva, que tocou na saída de David Soria e deixou tudo igual em Sevilha: 1 a 1. Jogo prometia na segunda etapa.

Sevilla marca dois e garante vaga para terceira final seguida

O segundo tempo começou e o Shakhtar, que precisava vencer com aquele resultado, voltou desorganizado e foi punido com isso logo aos 2', quando Krychowiak recebeu no meio, avançou com espaço e deu um belo passe em profundidade para Gameiro, que cortou o goleiro Pyatov e mandou para o fundo do gol, marcando seu segundo gol e deixando os espanhóis na vantagem mais uma vez: 2 a 1 Sevilla.

Os donos da casa voltaram com uma gás incrível para o segundo tempo, simplesmente dominando e chegando com muito perigo ao gol do Shakhtar, que não conseguia fazer nada. Aos 14', saiu o terceiro e de maneira sensacional, quando o brasileiro Mariano recebeu na direita, ajeitou e acertou um belíssimo chute cruzado, com efeito, e a bola foi no canto de Pyatov: 3 a 1 Sevilla.

Após o gol, tudo ficou ainda mais complicado para os ucranianos, que não tinham forças para, pelo menos, diminuir a vantagem dos atuais bicampeões da competição. Aos 25', quase que Eduardo da Silva deixou o jogo bem nervoso, quando recebeu cruzamento de Srna, cabeceou, mas mandou para fora, com muito perigo.

Depois disso, ambos os times mostraram que estavam conformados com o resultado de 3 a 1. O Sevilla não fazia esforços para chegar a mais um gol, tendo em vista que aquele resultado já estava de ótimo tamanho. O Shakhtar não tinha forças para furar o bloqueio formado pelos comandados de Unai Emery e a partida ficou nisso.