Especiais La Liga 2015/16 Valencia: Muita expectativa, mas pouco resultado

Valencia não foi nem sobra da equipe que todas esperavam, após terminar em quarto na temporada passada, equipe chegou a flertar com a zona de rebaixamento

Especiais La Liga 2015/16 Valencia: Muita expectativa, mas pouco resultado
Especiais La Liga 2015/16 Valencia: Muita expectativa, mas pouco resultado

O Valencia foi a equipe que mais decepcionou na temporada 2015/16. Depois de ficar na quarta colocação do espanhol em 2014/15 e garantir vaga na primeira fase da Champions League, todas esperavam mais do Valencia. Era o segundo ano após a chegada do novo proprietário, o magnata singapurense Peter Lim, que despejou milhões de euros na equipe Che.

Para a temporada o Valencia manteve o técnico Nuno Espírito Santo e sendo uma das equipes que mais gastou na Europa. Trouxe alguns jogadores e contratou em definitivo outras que estavam no elenco. Entre esse jogadores estavam os goleiros Matthew Ryan (Brugge-BEL) e Yoel (Celta-ESP), o lateral-direito João Cancelo (Benfica-POR), o zagueiro Aymen Abdennour (Monaco), o volante Danilo (Braga-POR), o meia André Gomes (Benfica-POR), além dos atacantes Santi Mina (Celta-ESP), Álvaro Negredo (Manchester City-ING), Zakaria Bakkali (PSV-HOL) e Rodrigo (Benfica-POR). 

Resultados ruins, eliminação na fase de grupos da Champions League resultaram na demissão do treinador

A equipe valencianista começou a temporada se classificando para a fase de grupos da Champions League, depois de vencer o Monaco em casa, no Estádio Mestalla por 3 a 1 e perder o jogo de volta por 2 a 1. No Campeonato Espanhol o iniciou já fez com que todos desconfiassem, o Valencia viveu de muitas altos e baixos, mesclando muitas derrotas e vitórias.

O técnico português Nuno Espírito Santo passou a ser muito contestado pela imprensa e principalmente pelos torcedores, que pediam sua demissão. O treinador também entrou em conflito com o experiente atacante Álvaro Negredo, contratado em definitivo junto Manchester City para ser o principal jogador.

Nuno Espírito Santo dirigindo equipe contra o Lyon pela Champions (Foto: Jean Catuffe - Getty Images)
Nuno Espírito Santo dirigindo equipe contra o Lyon pela Champions (Foto: Jean Catuffe/Getty Images)

A pressão sobre o comandante aumentou e ficou insustentável com a campanha fraca no grupo H da Champions League. O Valencia estava em um grupo equilibrado, sendo considerado como a principal força e favorito para ser o primeiro colocado. Estreou perdendo em casa para o Zenit, nos dois jogos seguintes venceu o Lyon fora e o Gent no Mestalla. Na liga espanhola Nuno Espírito Santo comandou a equipe Che nas goleadas sobre o rival Levante por 3 a 0 e no 5 a 1 fora de casa, contra o Celta de Vigo.

Quando tudo parecia melhor, o Valencia perdeu para Gent e Zenit na Champions, acabando sendo eliminado de forma precoce. No espanhol foi derrotado pelo Sevilla, na 13° rodada, revés que fez com que o técnico português fosse demitido.

Nada mudou com a chegada do novo comandante; eliminação na Copa do Rei, da Europa League e risco de rebaixamento culminaram em mais uma demissão

Salvador "Voro" González assumiu de forma interina, dirigiu a equipe em duas partidas, no empate em 1 a 1 contra o Barcelona e na vitória sobre o Barakaldo na Copa do Rei. De forma surpreendente Peter Lim contratou o ex-lateral direito do Manchester United, o inglês Gary Neville para técnico. Era o primeiro trabalho de Neville como treinador, que tinha apenas experiência como auxiliar técnico de Roy Hodgson na seleção inglesa, cargo que continuou exercendo.

Agora com Gary Neville, o Valencia se despediu da Champions League com derrota para o Lyon por 2 a 0 em casa. Mesmo assim se garantiu na Europa League por ter ficado em terceiro lugar do grupo H. Apesar da troca pouco coisa mudou, o futebol da equipe continuava similar ao de antes, muito criticado. No Campeonato Espanhol os valencianistas passaram por um jejum de vitórias incrível, chegando a 12 partidas sem vencer, nove sob comando de Neville. Isto fez com que a equipe ficasse muito perto da zona de rebaixamento.

Neville e Negredo. De nada adiantou a chegada do novo treinador (Foto: Alex Caparros -Getty Images)
Neville e Negredo. De nada adiantou a chegada do novo treinador (Foto: Alex Caparros - Getty Images)

Na Copa do Rei foi diferente, o Valencia eliminou o Barakaldo, Granada, Las Palmas até chegar as semifinais para enfrentar o Barcelona. Acabou sendo humilhado no Estádio Camp Nou depois de ser derrotado por 7 a 0. Com o Mestalla vazio e com muitos protestos, o Valencia empatou o jogo de volta por 1 a 1, sendo assim desclassificado.

Pela fase de dezesseis avos da Europa League a equipe Che não teve dificuldades, eliminou o Rapid Viena após golear em casa por 6 a 0 e fora por 4 a 0. Nas oitavas de final sucumbiu perante ao Athletic Bilbao, mas uma vez sendo desclassificado em uma competição.

Valencia se despediu da temporada de forma melancólica (Foto: NurPhoto - Getty Images)
Valencia se despediu da temporada de forma melancólica (Foto: NurPhoto - Getty Images)

Com as eliminações a crise aumentou ainda mais. Neville por fim, foi demitido no final de março, fazendo uma campanha de 3 vitórias, 5 empates e 8 derrotas no Campeonato Espanhol. Faltando oito rodadas para o fim da liga, Pako Ayestarán assumiu interinamente até o fim. Conseguiu somar dez pontos consecutivos, com uma vitória incrível sobre o Barcelona, no Camp Nou. Isto fez com que o Valencia escapasse definitivamente do rebaixamento com três rodadas para o espanhol acabar. 

No final o Valencia terminou a temporada de uma forma melancolica com três derrotas nos últimos três jogos, na 12° colocação da Liga espanhola com 44 pontos, 11 vitórias, 11 empates e 16 derrotas.