Especiais La Liga 2015/16 Levante: rebaixamento previsível após seis temporadas na elite

Granotes ficaram por apenas quatro rodadas fora da zona de rebaixamento nesta atual temporada, terminando na lanterna do torneio

Especiais La Liga 2015/16 Levante: rebaixamento previsível após seis temporadas na elite
Especiais La Liga 2015/16 Levante: rebaixamento previsível após seis temporadas na elite

Após seis temporadas entre altos e baixos no Campeonato Espanhol, o modesto Levante desta vez não conseguiu evitar o seu rebaixamento à segundo divisão espanhola. Muito pelo contrário, por mais da metade das rodadas disputadas a equipe se manteve na lanterna da competição, com apenas oito vitórias em 38 partidas disputadas.

Um fato curioso sobre a queda da equipe valencianista, é que ela veio justamente no ano de falecimento do maior jogador que passou pela história centenária do clube: Johan Cruyff. A lenda holandesa atuou pouco pela equipe, e obteve uma passagem completamente apagada, repleta de promessas não cumpridas.

O início de temporada já demonstrava um futuro "sombrio"

A estreia em casa com derrota diante do Celta de Vigo já serviu para acostumar o torcedor granote do que se repetiria por mais 21 oportunidades. A primeira de poucas vitórias do Levante na temporada veio somente na sétima rodada, diante do Villarreal, que ainda tentava se encontrar na competição. Seria talvez a recuperação da equipe até então comandada por Lucas Alcaraz? Muito pelo contrário.

Na sequência, foram duas goleadas sofridas de maneira consecutiva. Para o Real Madrid por 3 a 0 e em casa diante da Real Sociedad por 4 a 0. Em seguida viria o clássico local diante do Valencia. A estratégia tomada pela diretoria foi de demitir o comandante da equipe na época. Para seu lugar chegou Rubi, com a tarefa de mudar o rumo da equipe na temporada.

Entretanto, sua estreia no clássico foi muito pior do que o mesmo poderia imaginar. Mais uma goleada sofrida por 3 a 0 no Estádio Mestalla. À partir daquela partida, o Levante saíria somente da lanterna da La Liga para assumir a penúltima colocação, acabando com qualquer tipo de esperança de seu torcedor para o restante da temporada. Na verdade, havia uma esperança.

Nem mesmo a chegada de Giuseppe Rossi recuperou o ânimo do elenco

Sem espaço na Fiorentina, que se mantinha nas primeiras colocação da Serie A, o experiente atacante Giuseppe Rossi chegou ao Levante na janela de transferências de inverno, cedido por empréstimo. A responsabilidade do atleta de 29 anos era enorme, ser o pilar de uma mudança radical de comportamente tático e técnico de uma equipe praticamente da noite para o dia.

Sua estreia foi no Ciutat de Valencia na 21ª rodada da liga, diante do Las Palmas. O ítalo-americano entrou bem na segunda etapa e comandou a equipe que venceu naquela oportunidade somente sua terceira partida em toda a competição. Rossi ainda por pouco não presenteou a massa valencianista com um lindo chute de longa distância, defendido por Javi Varas.

Mas nem mesmo a ótima estreia de Rossi foi capaz de mudar os péssimos resultados que viriam em seguida. Foram mais cinco derrotas na seis partidas seguintes, e o Levante permaneceria na lanterna até o fim do campeonato, agora sim, sem demonstrar qualquer tipo de reação ou suspirou de que se manteria na elite do futebol espanhol.

Mais derrotas e uma vitória no clássico para manter a honra da equipe na Espanha

Nas suas dez últimas partidas antes de se despedir da La Liga o Levante venceu mais três partidas, demonstrando dentro de campo as suas melhores apresentações durante toda a temporada. Dentre as três partidas que resultaram em três pontos para os comandados de Rubi, uma delas foi extremamente especial.

Com o rebaixamento completamente claro para todos, restava apenas mais um motivo para garantir a dignidade da equipe granote: um clássico diante do maior rival. A partida seria em casa, onde diante de seus torcedores o Levante poderia manter um tabu de quatro anos sem perder para o Valencia no Ciutat de Valencia em duelos válidos pela Liga das Estrelas.

O Levante encarou a partida como uma decisão desde o início, e Giuseppe Rossi foi nome daquele confronto. Após carimbar o travessão de Diego Alves na primeira etapa, o atacante anotou o seu terceiro tento (de seis que acabaria marcando) na competição, e garantiu a vitória do Levante no clássico, dando para seus torcedores pela primeira vez um motivo para sorrir.

A despedida da equipe na La Liga atuando em casa foi com vitória. A equipe venceu de virada o Atlético de Madrid por 2 a 1, tirando qualquer possibilidade dos colchoneros de alcançarem o líder Barcelona na última rodada. Já a rodada final, foi com derrota para o Rayo Vallecano, que mesmo saindo vencedor acabou se tornando companheiro do Levante na próxima edição da Liga Adelante.