Especiais La Liga 2015/16 Getafe: temporada fraca resulta em rebaixamento após 12 anos

Tradicional equipe da Região Metropolitana de Madrid deixa elite do futebol espanhol após coletânea de fracassos, troca de comando técnico no desespero e sonoras goleadas sofridas ao longo da competição

Especiais La Liga 2015/16 Getafe: temporada fraca resulta em rebaixamento após 12 anos
Especiais La Liga 2015/16 Getafe: temporada fraca resulta em rebaixamento após 12 anos

O Getafe é uma equipe que costuma estar na elite do futebol da Espanha. Embora não tenha registrado nenhum grande feito no Campeonato Espanhol, a equipe localizada na Região Metropolitana de Madrid era nome certo na Liga. Porém, a temporada 2015/2016 reservou surpresas nada agradáveis para o Geta.

Após uma campanha de fracassos e resultados negativos, a equipe foi rebaixada para a Liga Adelante, a segunda divisão nacional. Depois de 12 temporadas, o clube amargurou um rebaixamento. No pequeno resumo da temporada 2015/2016 do futebol espanhol, preparado pela equipe da VAVEL Brasil, saiba como foi o desastroso ano do Getafe, que culminou na queda da equipe azul.

Início sem grandes expectativas

Antes do Campeonato Espanhol começar, especularam o Getafe como sério candidato na luta contra o rebaixamento. Quando a bola rolou para o certame nacional, a especulação virou realidade e se concretizou. As primeiras partidas válidas pela Liga mostraram uma equipe fragilizada, com muitas deficiências, e que lutaria bastante para permanecer entre os 20 melhores clubes da Espanha.

Nos cinco primeiros jogos, quatro derrotas e uma vitória simples contra o Málaga. O cenário se repetiu por todo o campeonato. Confrontos nivelados por baixo contra os principais concorrentes no descenso e muitas dificuldades para encarar os times de maior poderio econômico e estrutural do país.

O setor defensivo era o mais afetado. O clube não parava de sofrer gols e as derrotas geralmente eram por placares numerosos. Nas 10 primeiras rodadas, 15 tentos sofridos e 10 marcados. Na reta final do primeiro turno, os empates passaram a fazer parte da rotina dos azulones. Foram quatro igualdades, mas as derrotas continuavam a acontecer. No primeiro duelo contra o Real Madrid, revés por 4 a 1 no Santiago Bernabéu.

Real Madrid não tomou conhecimento do Getafe e aplicou duas impiedosas goleadas (Foto: Victor Carretero/Real Madrid/Getty Images)

Goleadas seguidas e rebaixamento sacramentado

Se a defesa já era preocupante no primeiro turno, nos momentos mais decisivos do Campeonato Espanhol ficou evidenciada a fragilidade do setor defensivo do Getafe. O clube da Região Metropolitana de Madrid sofria de forma dupla: com a quantidade de gols sofridos e com a ineficácia em acertar a pontaria e assinalar tentos que ajudassem a equilibrar o panorama na tabela de classificação. Mas, no segundo turno, as goleadas foram companheiras do time.

Nos duelos em que o Geta poderia somar pontos, uma vez que os adversários também brigavam para não cair, a equipe perdia com considerável diferença. Nos confrontos ante Málaga, Levante e Las Palmas, foram 10 gols sofridos e nenhum gol marcado. Dessa forma, diante de adversários muito mais competentes, não houve outro resultado. Sonoras goleadas. 6 a 0 contra o Barcelona e 5 a 1 ante o Real Madrid.

Em 11 das 19 partidas no segundo turno do Campeonato Espanhol, dois ou mais gols sofridos. Desta forma, não teve escapatória. A derrota ante o Real Betis na Andaluzia na última rodada deixou o Getafe na zona de rebaixamento, e a Liga Adelante será o principal torneio dos azulones na próxima temporada.

Barcelona 6-0 Getafe: passeio do trio MSN e fragilidade do Getafe (Foto: David Ramos/Getty Images)

Estatísticas gerais

A campanha do Getafe foi decepcionante, conforme várias vezes supracitado no especial. O clube encerrou a temporada 2015-2016 do Campeonato Espanhol na 19ª colocação, com 36 pontos em 38 rodadas. Foram nove vitórias, nove empates e 20 derrotas. Ao todo, foram 37 gols marcados e 67 sofridos, como evidências das inúmeras goleadas sofridas em toda a competição.

Foram 22 atletas utilizados em todo o torneio pelos treinadores Fran Escribá e Juan Eduardo Esnáider. Ao todo, os atletas do Getafe dispararam 339 arremates, trocaram 13.941 passes. No quesito disciplina, foram 123 cartões amarelos e dois vermelhos.