Barcelona admite culpa e aceita pagar multa por irregularidade em transferência de Neymar

Direção da equipe catalã faz acordo com Justiça espanhola e paga 5,5 milhões de euros

Barcelona admite culpa e aceita pagar multa por irregularidade em transferência de Neymar
Josep Maria Bartomeu, presidente do Barcelona (Foto: Josep Lago/AFP/Getty Images)

Após reunião entre os diretores, o Barcelona chegou em um acordo com a Justiça espanhola sobre possíveis irregularidades na transferência de Neymar para o clube catalão. Por 14 votos a 2, além de duas abstenções, ficou decidido que o setor jurídico do clube vai pagar uma multa para encerrar as ações da Promotoria e Advocacia do Estado da Espanha, a chamada Fiscalía.

Depois da reunião extraordinária, o presidente Josep Maria Bartomeu anunciou a ação tomada pelo departamento jurídico e explicou maiores detalhes de como chegaram a esse fim. Dessa forma, o Barça afirma perante ao Judiciário espanhol que cometeu dois crimes fiscais e que, como punição, vai pagar uma multa de 5,5 milhões de euros, equivalente a R$ 21,5 mi.

"Tomamos a decisão de fechar definitivamente um processo criminal que nunca deveria ocorrer. A decisão não foi fácil, mas é o melhor para o clube. Temos pensado em razões de oportunidade. O acordo já é um fato, mas os diretores estão preocupados com o que foi dito nos últimos dias. Faremos de tudo para que o ruído acabe. Se os sócios do Barça consideram que a gestão é ruim, teremos que sair", afirmou Bartomeu.

O mandatário catalão destacou ainda que o clube assume a culpa por muitas razões. "Para evitar a incerteza e as interpretações, foi necessário definir um critério muito claro sobre as questões fiscais e evitar a possibilidade de um mal maior. Os 40 milhões em questão para o Juizado era salário, para outro era indenização, para outro era fraude. Agora sabemos que correspondem ao salário. E isso vai nos ajudar no outro processo aberto referente a Neymar. Queríamos parar tudo. Agora já sabemos como jogar", continuou.

Josep Maria Bartomeu negou que o fato de assumir a culpa e resolver as pendências com o Fisco têm relação com um possível entrave na renovação contratual do craque brasileiro. Além disso, falou com veemência que não é culpado nem que seu antecessor, Sandro Rossell, também tenha feito uma gestão ruim.

"Eu faria isso da mesma maneira, ainda que trocássemos algum conselheiro. A promotoria nos exonera. Nós não fizemos nada de errado. Não podemos apontar o dedo. Mas isso mudaria algum conselheiro. E a imagem do Barcelona não está manchada. O clube é excepcional, tem a imagem de um time admirado e respeitado", concluiu.

A atitude da diretoria atual causa polêmica e insatisfação por parte da oposição e de outros que atuaram no mesmo setor. Dirigente entre os anos de 2003 e 2010, Joan Laporta criticou ferozmente a postura dos diretores. "É uma manobra indecente. É vergonhoso que Bartomeu e Rossell utilizem a dignidade e o dinheiro do Barça para se livrarem da má gestão. A dignidade do Barcelona não se pactua com nada Se não renunciam imediatamente, temos que fazer algo para que eles passem por uma moção de censura", falou.

Diante de todo esse cenário, o presidente Josep Maria Bartomeu vai ter seu cargo julgado pelos sócios da equipe. A primeira Assembleia Geral do time na temporada 2016/2017 vai decidir se o dirigente de 53 anos vai permanecer como o mandatário blaugrana.