Diego Costa desabafa após goleada: "O que mais me doía é que não estava jogando bem"

Atacante do Chelsea desencantou ao marcar dois gols no massacre espanhol diante do Liechtenstein na estreia das Eliminatórias

Diego Costa desabafa após goleada: "O que mais me doía é que não estava jogando bem"
(Foto: Divulgação/ Carmelo Rubio)

Campeã em 2010, a Espanha não obteve muitas dificuldades para estrear com vitória nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018. Nesta segunda-feira (5), a Fúria atropelou a modesta seleção de Liechtenstein, e aplicou uma sonora goleada de 8 a 0 diante de sua torcida no Estádio Reino de León. Dentre os destaques da partida, esteve o atacante Diego Costa. Junto com David Silva e Morata, o jogador do Chelsea balançou as redes em duas oportunidades. Sergi Roberto, do Barcelona, e Vitolo, do Sevilla, completaram o placar.

Vivendo um momento complicado em Londres, tal como viveram os Blues na temporada passada, a situação de Diego com a camisa da seleção não era muito diferente. Em 11 partidas pela Fúria, o atacante brasileiro naturalizado espanhol havia marcado apenas uma vez, diante de Luxemburgo, há quase um ano. Após a vitória no amistoso diante da Bélgica, na semana passada, Diego rebateu as críticas dos torcedores e jornalistas espanhóis, dizendo que o olhar sob seu futebol seria bem diferente se ele atuasse no Barcelona ou no Real Madrid, ou se tivesse nascido na Espanha.

"Disse aquilo pois havia feito uma boa partida, e todos pediam que eu fizesse um gol, algo normal, mas eles tem que entender que posso fazer uma partida boa sem balançar as redes. Nem sempre se pode marcar, antes eu não estava jogando bem e aceitava sem nenhum problema as críticas. Não foi algo diretamente contra a imprensa. Nunca tive problemas com ninguém, sempre aceito as críticas, todos fazem seu trabalho e eu procuro fazer o máximo possível no meu", esclareceu Diego Costa após a partida em León.

"Fazer o gol foi o mais importante de tudo o que aconteceu para mim hoje. No outro dia participei bastante, não pude marcar mas saí feliz com a partida que havia feito. O que mais doía era saber que estava jogando bem, porque se você está participando e trabalhando forte, um hora as coisas irão sair da maneira que você espera. Estava me adpatando aos poucos com a camisa da seleção e sabia que os gols iriam sair em certo momento. Ouvir a torcida gritando meu nome ao ser substituído me motiva ainda mais, nem todos sabem o quanto sofri para chegar até aqui", concluiu.

Com o retorno das ligas européias, a Espanha volta a campo pelas Eliminatórias apenas no próximo mês, quando encara fora de casa o, teoricamente, confronto mais complicado da fase de grupos, diante da Itália, no dia 6 (quinta-feira) de outubro.