Ministério Público da Espanha pede dez anos de cadeia para Eto’o por fraude fiscal

Atacante camaronês foi denunciado por fraudes fiscais, durante a sua passagem pelo Barcelona, entre 2006 e 2009

Ministério Público da Espanha pede dez anos de cadeia para Eto’o por fraude fiscal
Foto: Stuart Franklin/Getty Images

O Ministério Público espanhol segue a todo vapor. Um dia após a pedirem a prisão de Neymar, agora a bola da vez é o ex-atacante do Barcelona, Samuel Eto'o. O camaronês é acuso de fraude fiscal, em sua passagem no clube catalão entre 2006 e 2009.

De acordo com o jornal espanhol ''El Pais'', o atleta ainda teria que pagar uma multa de 14 milhões de euros (cerca de R$ 50,8 milhões) por quatro diferentes delitos fiscais.

A investigação gira em torno da transferência de seus direitos esportivos a duas empresas: uma espanhola e uma húngara. O jogador teria fraudado 3,46 milhões de euros (cerca de R$ 12,55 milhões), durante sua passagem no Barcelona. A promotoria espanhola ainda crê que Samuel Eto'o deveria ter sido tributado à alíquota máxima de imposto de renda (fixada em 45%).

Esse episódio ainda expõe a crise entre o atacante e Josep Maria Mesalles, seu homem de confiança até 2011. A promotoria acusa o atleta por ter sido “sujeito passivo da obrigação tributária” e por ter assinado todos os contratos de cessão de direitos de imagem, além de ser titular das contas usadas pelas empresas Bulte e Tradesport

Após a notícia ser divulgada, o atacante divulgou nota responsabilizando e culpando o “assessoramento desleal e fraudulento” de Mesalles, que foi seu assessor, representante e advogado e se ocupava de todos seus assuntos jurídicos, econômicos e fiscais, segundo Eto'o.

O camaronês ainda está em atividade, e joga pelo Antalyaspor, da Turquia, desde Junho de 2015, onde recebe cerca de 3,3 milhões de euros anuais. Na atual temporada o atacante disputou apenas oito partidas e marcou três gols.