A vida sem Neymar: como fica o Barcelona após saída do astro brasileiro

Contratação mais cara da história do futebol, Neymar deixará sérias consequências no futebol, na mídia e na maneira de ser catalã

A vida sem Neymar: como fica o Barcelona após saída do astro brasileiro
Foto: Chris Trotman/Getty Images

Fim da novela. Depois de algumas semanas, muitas especulações, acusações e previsões, Neymar finalmente foi anunciado como novo reforço do PSG. Após o time francês pagar a multa de 222 milhões de euros, nada restou ao time catalão para manter seu astro no elenco.

À partir de agora, teremos muitas análises e a expectativa daquilo do que se espera do camisa 10 da Seleção Brasileira e também agora do time da capital francesa. No entanto, uma pergunta martela a cabeça dos espanhóis, principalmente torcedores do Barcelona: Como será o futuro sem Neymar.

Abaixo, listamos as mudanças dentro de campo, na mídia local e na forma de se comportar sem a malandragem, a ginga e a leveza brasileira.

Fim de um trio histórico

A chegada de Neymar em 2013 marcou o início daquele que se transformou em dos maiores ataques de todos os tempos. O brasileiro, ao lado de Luis Suárez e Lionel Messi, formou o famoso trio MSN, anotando mais de 220 gols em pouco mais de 100 jogos.

Mas o legado fica acima dos gols, títulos e recordes. O ataque era a junção perfeita de eficiência com futebol bonito. A máquina catalã não poupava ninguém e destruía quem enfrentasse. Messi era o gênio e o mais armador do trio. Suárez, quem dava o sangue, a raça, o físico, além de artilheiro e Neymar, o individual, o drible, a velocidade e leveza.

Tudo isso encantou, fazia quem admirava o bom futebol ter o brilho no olho. Como não se arrepiar nos dois jogos contra o Bayern de Munique pela semifinal da Champions League em que o trio destruiu a potência alemã. Ou então as várias goleadas na liga espanhola.

Além disso, lances plásticos, passes, assistências, dribles, a amizade mostrada em campo e fora dele.... O trio MSN deixará saudades.

Carência na ponta esquerda

Se tem uma posição no Barcelona que é digna de tradição é a ponta esquerda no 4-3-3 tradicional. Ronaldinho Gaúcho tinha sido o último a brilhar no setor e, logo após sua saída, Pedro brilhou com Guardiola, mas, mais no feijão com arroz, do que pelo encanto tradicional de quem ocupa o espaço ofensivo.

Neymar então chegou do Santos com a expectativa de tomar conta e dar o brilho individual dos tempos de R10. O camisa 11 pareceu não ter sentido a responsabilidade e se tornou rapidamente um dos pilares da equipe, mas sua saída deixará enormes problemas.

O Barça perderá o talento individual aliado ao faro de gol, do drible, da velocidade e capacidade de improviso do atacante. Especula-se contratações para suprir a saída de Neymar, como Dybala (Juventus), Dembelé (Borussia Dortmund), Mbappé (Monaco) e Coutinho (Liverpool), mas a realidade é que apenas o jovem francês do Monaco pode se assemelhar à função de Ney.

Dybala - argentino como Messi, daria um desafogo ao camisa 10 por ter uma qualidade de armação maior. Atua um pouco mais centralizado e caindo pela direita. Seria mais um parceiro para Messi do que um substituto de Neymar.

Dembelé - o franzino e veloz francês é desejo de gigantes europeus, se assemelha à Neymar, mas atua pela direita. Além disso, tem uma recomposição maior e não tem a mesma capacidade física e de finalização do brasileiro.

Mbappé - desejado pelo Real Madrid, é quem mais se aproxima das funções de Neymar. Atuando pela esquerda, com bom porte físico, individualmente rápido e habilidoso, seria o mais próximo naquilo que Neymar foi no Barcelona.

Coutinho - a força que os catalães fazem por ele é enorme, mas, apesar de cair mais pela esquerda, joga mais centralizado e é mais meia que ponta. Além disso, oscila muito.

Força da mídia

Neymar, recentemente, foi eleito o mais caro jovem jogador do mundo. Seu valor (222 milhões de euros) também se acumula ao analisar o potencial de marketing do brasileiro. As camisas, os jornais, as propagandas, as vendas televisivas, o aumento de seguidores nas redes sociais, o crescimento da liga... Neymar fará crescer tudo isso na capital francesa. Mas a Catalunha perderá esse astro, ainda mais levando em conta o apaixonado e clubista jornalismo espanhol, que ama polêmicas e não esconde suas preferências esportivas.

Ousadia e alegria

O fim da dinastia MSN acaba com uma das maiores amizades recentes no esporte. Não se falava de um sem o outro, juntos sempre dentro e fora de campo.

Neymar, o mais solto e moleque de todos, influenciava seus companheiros de clube, seja na música, nas comemorações, no estilo ou até mesmo na tatuagem. Messi pode negar, mas depois da chegada do brasileiro, o camisa 10 se tatuou e mudou seu estilo algumas vezes.

O futuro

Agora é esperar para os primeiros resultados de Neymar em Paris. A sua contratação já foi anunciada e o impacto imediato já é sentido. Em Barcelona, cartazes de mercenário são vistos pela cidade, enquanto a capital francesa prepara a Torre Eiffel para a apresentação do brasileiro.

Além disso, jornalistas de todo o mundo viajam para Paris na cobertura da apresentação do mais caro jogador do mundo. Nem tão distantes assim territorialmente, mas a Catalunha e Paris estão longe demais no quesito auto-estima e felicidade. A "Cidade Luz" ficará ofuscada pelo brilho de Neymar, enquanto um pedaço da Espanha se escurece no rancor e na raiva de uma torcida furiosa.

Espanha