Barcelona alega Neymar de 'não cumprir acordo': "Não podia negociar com outro time"

Brasileiro receberia bônus em 1º de setembro por renovação com Barça, mas não cumpriu duas condições do negocio

Barcelona alega Neymar de 'não cumprir acordo': "Não podia negociar com outro time"
Clube espanhol também acredita que PSG tenha quebrado regras do Fair Play Financeiro (Foto: Ira L. Black / Corbis via Getty Images)

Neymar foi apresentado na manhã desta sexta-feira (4) no Paris Saint-Germain, novo clube do brasileiro que pagou a cláusula de rescisão astronômica de € 222 milhões, transformando-o no jogador mais caro da história do futebol. Mas, se tudo são flores na capital francesa, em Barcelona não é bem assim.

Também nesta manhã, o porta-voz do clube espanhol, Josep Vivés, disse em comunicado que o Barça não pagará os € 26 milhões prometidos ao craque por renovar contrato na temporada passada, além de afirmar que entregará os dados da negociação à Uefa, acreditando que o PSG ultrapassou os limites do Fair Play Financeiro. 

Explicando a situação do bônus, Vivés apontou que o jogador precisava cumprir três condições antes do dia 1º de setembro deste ano para garantir o dinheiro, lembrando que o ex-camisa 11 dos espanhóis descumpriu dois. "A primeira era de não negociar com ninguém sua saída do Barcelona até o fim da janela. A segunda era de demonstrar explicitamente sua vontade de permanecer conosco", declarou. 

Neymar cria um novo desafio em Paris. E tem tudo para conquistá-lo

Além disso, o porta-voz comentou que o Barcelona colaborará com a Uefa, entregando documentos da transação, acreditando que o PSG não cumpriu as regras do Fair Play Financeiro, porém entende que a ocasião é diferente de qualquer outra já existente. "Queremos que [a Uefa] tenha todos os dados para que possa se cumprir com a legislação e que tomem medidas disciplinares necessárias", afirmou.

"Entendemos que precisamos proteger as regras do Fair Play Financeiro, mas é a Uefa que deve agir da maneira que julgar necessária. Esta é uma situação extraordinária, sem precedentes, então é preciso que a autoridade competente tenha conhecimentos", acrescentou o espanhol. 

Por fim, Josep falou em nome do Barça que a transferência foi indesejado à agremiação, mas que respeita a escolha de Neymar. "Qualquer saída de jogador contrária às vontades do Barcelona gera repulsa e mentiria se falasse o contrário. E a decepção também aumenta pela forma como a situação foi lidada pelo jogador. Com formas, digo que ele poderia ser claro desde o início", encerrou.