Espanyol faz apelo público sobre situação na Catalunha

Clube catalão pede responsabilidade e calma diante do tenso momento vivido na Espanha

Espanyol faz apelo público sobre situação na Catalunha
Foto: Divulgação/RCD Espanyol

A região da Catalunha, uma das comunidades autônomas da Espanha, vive dias de tensão com a luta pela sua independência se intensificando cada vez mais. No último domingo (1º), os catalães foram às urnas participar do referendo e houve muita confusão nas ruas, confronto entre manifestantes e polícia e mais de 800 feridos.

Mas este imbróglio está longe do fim. Apesar dos mais de 90% de votos a favor da independência, o primeiro ministro espanhol, Mariano Rajoy, não reconhece oficialmente a votação e a decisão provavelmente estará nas mãos do Parlamento Espanhol.

O Barcelona, maior clube da região e grande apoiador da separação, vem sempre se manifestando juntamente com sua torcida em campanha pela liberdade e que o governo espanhol reconheça a emancipação.

E nesta terça-feira (3) foi a vez do Espanyol, um dos mais importantes clubes da região, também se manifestar através de um comunicado oficial. Nele, o clube expressa  o seu desejo de que “valores como o respeito ao próximo e o jogo limpo estejam presentes também nos âmbitos politico, social e institucional”.

Manifestantes vão às ruas da Catalunha após o referendo | Foto: David Ramos/Getty Images
Manifestantes vão às ruas da Catalunha após o referendo | Foto: David Ramos/Getty Images

No que chamaram de ‘apelo’, ficou manifestado o desejo do clube de que as pessoas pensem na “responsabilidade, reflexão, sensatez, generosidade e calma por parte de todos”. Confira o texto na íntegra:

“Somos uma entidade esportiva com uma trajetória mais que centenária e fortes raízes sociais desde que uns estudantes catalães nos fundarão nas aulas da Universidade de Barcelona. Com este longo caminho percorrido e desde o mais estrito respeito a todos os pensamentos existentes em nossa sociedade, chamamos, como entidade esportiva de referência na nossa terra, para que os princípios de respeito ao próximo e ao jogo limpo, tão presentes no mundo do esporte, rejam também os âmbitos político, social e institucional, em benefício de todos.

A situação que se vive na Catalunha nestes âmbitos  nos entristece e nos comove a todos os esportistas, dirigentes e profissionais de nossa entidade e a nossa fiel torcida. Isso porque mexe fortemente com as convicções pessoais de todos nós, sejam quais sejam, todas respeitáveis. O atual conflito nos coloca como sociedade em uma situação indesejada de risco e crescente confronto. A neutralidade política obrigatória de um clube desportivo, que temos preservado, preservamos e preservaremos acima de tudo, pretende, com absoluta boa fé, não violentar nem por ação nem por omissão os sentimentos mais profundos de todos e cada um de nossos sócios, já que pertencem ao seu âmbito mais íntimo e pessoal.

Dito tudo isto, e diante do evidente e elevado risco de que uma escalada de ação e reação de nossos representantes públicos e dos diferentes agentes sociais, possam nos levar a uma situação irreversível, o RCD Espanyol de Barcelona faz um apelo público à  responsabilidade, a reflexão, a sensatez, a generosidade, e a clama por parte de todos. E assim, manifestamos nosso desejo de que os graves acontecimentos dos últimos dias e semanas não voltem a acontecer nunca mais na Catalunha, nem se vivam outros com consequências piores.

A democracia, as instituições de autogoverno e a convivência cívica têm sido o marco de onde nossa sociedade tem podido progredir e, nela, os clubes e entidades esportivas têm podido trazer sentimentos, prazer e paixão pelo esporte aos catalães. Essa tem sido nossa contribuição para conseguir uma sociedade plural e aberta como a nossa. Estas importantes realidades, que custaram muito para ser conseguidas, não se podem perder. Por isso, exortamos a todos a contribuir novamente para a harmonia e o diálogo”.

Que o respeito prevaleça e que a violência não faça parte de um processo que por si só já é tão complicado. Que, independente da decisão final, a liberdade e o bem comum a todos esteja acima das vontades particulares.