Presidente da La Liga anuncia uso do VAR para próxima temporada e critica 'trapaceiros' City e PSG

Javier Tebas promete denunciar ambos os clubes à União Europeia caso não cumpram o Fair Play Financeiro

Presidente da La Liga anuncia uso do VAR para próxima temporada e critica 'trapaceiros' City e PSG
Árbitro de vídeo será uma novidade na próxima edição do Espanhol, garante Tebas

O presidente da La Liga, Javier Tebas, anunciou nesta terça-feira (14), durante um encontro promovido pela Europa Press, que a próxima edição da liga espanhola utilizará o VAR (árbitro assistente de vídeo, em tradução livre). Dos cinco principais campeonatos europeus, apenas a Bundesliga e a Serie A usam a tecnologia.

"Estamos avançando muito em reuniões e estará pronto em breve", Tebas disse brevemente durante o evento.

+ Ancelotti exalta uso do VAR: "Só um tolo pode pensar que não é necessário"

O chefe da La Liga também comentou sobre o Fair Play Financeiro, sistema da Uefa que visa melhorar a saúde financeira dos clubes europeus, disparando críticas aos milionários Manchester City e Paris Saint-Germain. De acordo com o cartola, ambos estão trapaceando para equilibrar as contas. Anteriormente, ele havia denunciado as duas agremiações à Uefa.

"Denunciamos PSG e Manchester City. Somos muito transparentes: não é um problema de Neymar. Mantive em março uma reunião com Nasser [Al-Khelaïfi, presidente do PSG] e lhe disse que íamos denunciá-los pelas trapaças que fazem no Fair Play Financeiro", assegurou.

"O PSG recebe muitos milhões de turismo do Catar que inflam seus patrocínios para não dar perdas. O City, em menor escala, faz o mesmo. São os dois clubes do mundo que mais contrataram nos últimos anos. Estou certo de que estão fazendo trapaças", reiterou Tebar, que ainda prometeu: "E se a Uefa não faz nada, teremos que levar o problema à União Europeia".

Na última janela de transferências, o PSG movimentou o mercado da bola ao tirar Neymar do Barcelona por incríveis € 222 milhões (cerca de R$ 814 milhões). A transação obriga o clube de Paris a arrecadar € 75 milhões (aproximadamente R$ 287 milhões) para não ficar no vermelho e ser punido pela Uefa.

"A postura do PSG neste verão produziu um efeito de inflação em jogadores, por exemplo, do Atlético de Madrid. E os clubes que não fazem trapaças têm que ir com a água no pescoço para poder seguir sendo competitivos. Também a nova divisão da Champions vai gerar graves diferenças entre uns clubes e outros", finalizou o dirigente.