De Puskás a Cristiano Ronaldo: a trajetória do Real Madrid em Mundiais

Merengues podem conquistar terceiro título em quatro anos e se igualar ao Barcelona como maior vencedor da competição

De Puskás a Cristiano Ronaldo: a trajetória do Real Madrid em Mundiais
Arte: VAVEL

Chegar ao Mundial de Clubes não é uma tarefa fácil, principalmente para os europeus que disputam a competição de clubes mais difícil do mundo. Mas para o Real Madrid isto tem sido recorrente nos últimos anos, quando conquistou a Uefa Champions League em 2014 e o bi-campeonato em 2016 e 2017.

Com o reconhecimento da Fifa da Copa Intercontinental como Mundial, o clube da capital espanhola se tornou o maior vencedor da competição com cinco títulos e pode aumentar ainda mais a vantagem para o Milan - segundo maior vencedor com quatro conquistar - caso vença o Grêmio.

Todas as vezes que disputaram a taça, los blancos enfrentaram um time sulamericano e venceram cinco das sete finais. Na primeira participação, ainda no modelo antigo quando o campeão europeu enfrentava diretamente o campeão das Américas, o adversário de 1960 foi o Peñarol, com a primeira partida disputada no Estádio Centenário de Montividéu terminada em 0 a 0 e a segunda, no Santiago Bernabéu, em 5 a 1. O craque Ferenc Puskás marcou dois gols na goleada histórica. Mas seis anos depois, o time uruguaio daria o troco, vencendo as duas partidas por 2 a 0 e levantando o caneco.

Raúl marcou o gol do título em 98 | Foto: Matthew Ashton/Getty Images
Raúl marcou o gol do título em 98 | Foto: Matthew Ashton/Getty Images

Após um longo período sem disputar o título, 32 anos pra ser mais exato, o Real voltou em 1998 a ser campeão mundial, desta vez contra o Vasco da Gama em partida única em Tóquio vencida por 2 a 1, gols de Raúl e Nasa (contra) e Juninho Pernambucano descontando. Em 2000, mais um vice-campeonato, desta vez para o Boca Juniors, que venceu por 2 a 1 com dois gols de Palermo, Roberto Carlos diminuiu o placar. Dois anos depois lá estava o Real Madrid de novo na final. Ronaldo (o Fenômeno) e Guti fizeram os dois gols que deram o terceiro título ao clube, desta vez diante do Olimpia, do Paraguai.

De 2005 pra cá o novo formato foi adotado, contando com a participação de times de todos os continentes, mas os galácticos só figuraram na nova competição em 2014, após conquistarem a 'La Décima'. O primeiro jogo foi contra o Cruz Azul do México e os 4 a 0 (Ramos, Benzema, Bale, Isco) levaram o time a final contra o San Lorenzo. Em um jogo mais tranquilo do que o esperado, Sergio Ramos e Gareth Bale marcaram os gols do título merengue.

Bale foi um dos destaques contra o San Lorenzo | Foto: Steve Bardens/Getty Images
Bale foi um dos destaques contra o San Lorenzo | Foto: Steve Bardens/Getty Images

Em 2016, depois da conquista da 'Undécima', a semifinal diante do América do México já mostrava que o título só viria às custas de muita luta. Benzema e Cristiano Ronaldo foram às redes, dando a vitória e a passagem para enfrentar o Kashima Antlers na final. Os japoneses dificultaram bastante a vida madridista levando a partida para a prorrogação após o empate por 2 a 2 (Shibasaki [2x], Benzema e Cristiano Ronaldo) no tempo normal. Mas o português novamente fez a diferença, marcou mais dois gols e ajudou o Real a levantar o seu quinto título mundial.

Decisivo, Ronaldo marcou 3 vezes contra o Kashima | Foto: Etsuo Hara/Getty Images
Decisivo, Ronaldo marcou 3 vezes contra o Kashima | Foto: Etsuo Hara/Getty Images

'La Duodécima' foi conquistada e em 2017 Zinedine Zidane e seus comandados podem levar o clube a ser o primeiro bi-campeão consecutivo do torneio. Com o gol marcado na semifinal deste ano contra o Al-Jazira, Ronaldo se tornou o maior artilheiro da competição com seis gols marcados, um a mais que Messi, Suárez e César Delgado, que vêm logo atrás. Gareth Bale, que retornou de lesão fazendo o gol da vitória no jogo passado, marcou também nas duas partidas de 2014, deixando assim sua marca em todos os jogos que disputou.