Sevilla vence Atlético de Madrid fora de casa e encaminha classificação na Copa do Rei

Diego Costa marca, mas vê sua equipe sendo derrotada em pleno Wanda Metropolitano; Sevilla dá um passo enorme rumo a classificação

Sevilla vence Atlético de Madrid fora de casa e encaminha classificação na Copa do Rei
Foto: Pierre-Philippe Marcou/Getty Images
Atlético de Madrid
1 2
Sevilla
Atlético de Madrid: Oblak; Lucas, Godín, Savic, Juanfran; Koke (Fernando Torres, min. 82), Saúl, Gabi, Vitolo (Correa, min. 46); Griezmann (Carrasco, min. 68), Diego Costa. Técnico: Diego Simeone
Sevilla: Sergio Rico; Escudero, Lenglet, Mercado, Corchia (Geis, min. 90); N'Zonzi, Banega, Vázquez; Sarabia, Luis Muriel (Ben Yedder, min. 84), Joaquín Correa. Técnico: Vincenzo Montella
Placar: 0-1, min. 73, Diego Costa. 1-1, min. 80, Lucas Hernández (c). 1-2, min. 88, Joaquín Correa.
ÁRBITRO: Santiago Jaime Latre (ESP). Cartões amarelos: Gabriel Mercado (min. 58) e Saúl Ñíguez (min. 69)
INCIDENCIAS: Partida válida pela ida das quartas de finais da Copa do Rei, realizada no Estádio Wanda Metropolitano, em Madrid, Espanha.

Em jogo válido pela ida das quartas de finais da Copa do Rei, o Atlético de Madrid enfrentou o Sevilla, no Estádio Wanda Metropolitano. Os visitantes venceram de virada, com gols de Joaquín Correa e Lucas Hernández (contra). Diego Costa marcou a favor da equipe colchonera. A equipe de Andaluzia decidirá o destino do jogo na próxima terça (23), em casa, no Ramon Sánchez Pizjuán.

Partida que marcou também o retorno de Diego Costa, dono do único gol do Atlético na partida. Expulso contra o Getafe, válido pela 18ª rodada do Campeonato Espanhol 2017/18, o centroavante não atuou contra o Eibar no último sábado (13), e retornou aos gramados nesta quarta-feira (17). 

A equipe colchonera volta aos gramados no próximo sábado (20), contra o Girona, em casa, às 12h15. Já o Sevilla, volta a campo no mesmo dia, contra o Espanyol, na Catalunha, às 9h00. Ambos jogos válidos pelo Campeonato Espanhol.

Diego Costa buscando jogo e Atleti levemente superior; Sevilla apostando no contra-ataque

Durante a primeira etapa não houve nenhuma disparidade entre as equipes. Atlético controlava mais a posse de bola, apesar de não ser efetivo nos primeiros minutos. Destaque para a atuação dos goleiros no primeiro tempo, que foram importantes para a parcial manutenção do placar.

A grande válvula de escape da equipe foi o centroavante Diego Costa, que ganhou diversas vezes dos zagueiros no corpo, se projetando na área como um exímio finalizador. Sendo provenientes dos pés do espanhol as principais jogadas do Atlético.

O espanhol deu as caras na partida e foi o grande destaque no primeiro tempo. O primeiro lance de perigo surgiu em forte cabeceio do camisa 18, no meio de dois marcadores, obrigando o goleiro Sérgio Rico a fazer ótima defesa.

Diego Costa foi a principal arma colchonera no primeiro tempo | Foto: Pierre-Philippe Marcou/Getty Images
Diego Costa foi a principal arma colchonera no primeiro tempo | Foto: Pierre-Philippe Marcou/Getty Images

Logo após o lance, o jogador marcou o que seria o primeiro gol da partida, se não fosse anulado: aos 13 minutos, em cobrança de escanteio de Koke, Diego Costa em agarra com Mercado na área, ganhou da forte marcação e cabeceou para as redes. O gol foi invalidado pelo árbitro, que assinalou falta do jogador espanhol.

Não foi só a equipe mandante que ofereceu perigo nos primeiros 45 minutos. O Sevilla, em duas ótimas ocasiões de gol, conseguiu complicar para a equipe adversária em dois lances: o primeiro veio em contra-ataque do Sevilla - Sarabia carregou a bola e tocou para Joaquín Correa, que livre de marcação, finalizou sozinho e, Moyà, não teve dificuldades para fazer a defesa. Faltou calibre nos pés do atacante argentino.

Outro deslize da equipe colchonera ocorreu ao deixar Escudero livre nos minutos finais do primeiro tempo, que soltou um foguete de fora da área, acionando Moyà pela segunda vez, desta vez fazendo ótima intervenção. 

Alterações surtem efeito e mudam panorama de um jogo estático; Sevilla vira milagrosamente

No segundo tempo, domínio mais amplo em relação a primeira etapa dos mandantes, sendo detentor das principais ações. Apesar da posse de bola favorecer o Atlético, a equipe tinha dificuldades no último passe, sendo pouco incisivo e agudo, muito aquém. 

Com a entrada de Correa, passou a ter um jogo mais dinâmico e conseguir melhorar o volume de jogo, em detrimento da construção das jogadas, que era nulo entre as duas equipes. No lado visitante, Vázquez e Banega, os controladores e principais responsáveis pela criação das jogadas, parava na marcação adversária, apesar do bom volume em campo. 

Joaquín Correa marcou o gol da virada nos minutos finais | Foto: Pierre-Philippe Marcou/Getty Images
Joaquín Correa marcou o gol da virada nos minutos finais | Foto: Pierre-Philippe Marcou/Getty Images

Aos 73', em cobrança de falta de Koke, a bola circulou pela área, sobrou para Carrasco, que finalizou na marcação. A bola sobrou para Diego Costa, que de canhota, fuzilou para as redes, marcando o primeiro gol da partida. 

A virada da equipe de Andaluzia e, consequentemente, a vitória, viria após persistência: aos 80', Jesús Navas avançou pelo lado direito, cruzou na área, contando com desvio de Lucas Hernández, mudando o rumo da bola, que entrou no gol em lance displicente de Moyà, empatando a partida. 

Vázquez havia dado lugar a Jesús Navas, outro predestinado seria Ben Yedder, dando assistência pro gol de Joaquín Correa — aos 88', em recuperação da posse no meio-campo, Ben Yedder deu assistência de cabeça para Joaquín Correa, que não desperdiçou e mandou para o gol, virando a partida e sacramentando a vitória Sevillista.