Lateral Aurier explica troca do PSG pelo Tottenham: "Eu estava preso, não podia fazer nada"

Lateral-direito deixou o clube parisiense no final da última janela de transferência; jogador colecionou polêmicas em sua passagem pelo Parque dos Príncipes

Lateral Aurier explica troca do PSG pelo Tottenham: "Eu estava preso, não podia fazer nada"
Foto: Divulgação/ PSG

Jogador do Paris Saint-Germain nas últimas três temporadas, o lateral-direito Serge Aurier acertou com o Tottenham há pouco menos de duas semanas. No último sábado (9), em um vídeo gravado para um canal do Youtube, o marefinense explicou os motivos que o levaram a deixar o clube parisiense. 

“Minha decisão foi tomada em relação a um problema que todos nós sabemos", disparou. O problema à qual Aurier fez referência aconteceu em 2016, quando o atleta, respondendo a torcedores em um bate papo na internet, insultou o então técnico do PSG, Laurent Blanc, com palavras homofóbicas.

Além de expor o comandante do time, o lateral-direito, movido a um grave descontrole emocional, ofendeu três companheiros de equipe: Ibrahimovic, Di Maria e Sirigu. O ato irresponsável gerou consequências para o atleta, que acabou ‘rebaixado’ à equipe sub-23 do time de Paris. Mas segundo o jogador, a sanção foi além do afastamento do plantel principal.

"Eu estava preso e de lá eu não podia fazer nada, eu não conseguia me expressar. Eu não podia falar com a imprensa. Era uma novela que não ia ter fim. Uma história que já durou mais de um ano”, disse.

Apesar do constrangimento, Aurier reconheceu que passou dos limites, e afirmou que tentou se redimir jogando um futebol de qualidade. “Respondi com o futebol, fazendo algumas boas partidas. Eu estava em um ano de redenção, porque eu sei que eu desrespeitei o clube e foi importante para mim voltar em uma grande temporada e dar o meu máximo”, declarou.

O jogador de 24 anos não mostrou mágoas ao falar de Nasser Al-Khelaifi, presidente do PSG. Aurier agradeceu pela oportunidade de jogar no clube, mas relatou que não mais de sentia confortável para continuar em Paris.

“Minha forma de agradecer-lhe foi me dedicar e fazer uma grande temporada, dando o máximo, mas já não me sentia confortável porque tinha que ter cuidado. Tornou-se doloroso pois, antes disso, eu era uma pessoa natural.

Tinha que encontrar algo que fizesse feliz, algo que me fizesse querer fazer o que sei de melhor: jogar futebol. Houve um momento em que já não estava me divertindo. Assim que me dei conta, vi que era hora de sair", completou.

Aurier colecionou polêmicas em sua passgem pelo PSG. Na temporada 2015, ele criticou rispidamnete o árbitro holandês Björn Kuipers, do empate por 2 a 2 com o Chelsea, pela Liga dos Campeões. O marfinense acabou suspenso por três partidas pela Uefa. Ainda em Paris, o jogador chegou a ser condenado a dois anos de prisão por agredir um policial em uma boate.