França joga mal, mas supera Bulgária pelo placar mínimo e segue líder do Grupo A

Resultado mantém França com um ponto de vantagem para a Suécia; definição da vaga direta fica para a última rodada

França joga mal, mas supera Bulgária pelo placar mínimo e segue líder do Grupo A
Foto: Franck Fife/AFP/Getty Images
Bulgária
0 1
França
Bulgária: Iliev; Popov, Bodurov, Bozhikov, Zanev; Slavchev, Kostadinov, Manolev (Dimitrov, min. 87), Nedelev; Galabinov (kraev, min. 48), Delev.
França: Lloris; Sidibé, Varane, Umtiti, Digne; Kanté (Rabiot, min. 33), Matuidi, Tolisso; Mbappé (Giroud, min. 85), Griezmann, Lacazette (Payet, min. 76).
Placar: 0 x 1 - Matuidi (3')
ÁRBITRO: Mateu Lahoz (ESP). Cartões Amarelos: Slavchev, Zanev, kraev, Kostadinov e Giroud.
INCIDENCIAS: Partida válida pela 9ª rodada do Grupo A das Eliminatórias Europeias para a Copa do Mundo. Realizada no Estádio Nacional Vasil Levski.

Pressionada pelo resultado positivo da Suécia, a França visitou a Bulgária neste sábado (7), em partida válida pela penúltima rodada das Eliminatórias Europeias. Mesmo abrindo o placar cedo, os franceses tiveram muita dificuldade para vencer, passando sufoco no segundo tempo e jogando de forma medíocre mais uma vez. Blaise Matuidi anotou o tento único.

O resultado mantém o selecionado de Didier Deschamps na ponta do Grupo A com 20 pontos. Os suecos estão logo atrás com 19 pontos. As seleções encerram suas participações nestas Eliminatórias na próxima terça-feira (10). Os franceses recebem Belarus, enquanto que a Bulgária visita Luxemburgo. Na mesma data, a Suécia enfrenta a Holanda, tendo que vencer e torcer por um tropeço francês.

A França não contou com Mendy e Pogba, lesionados, e ainda teve a baixa de Kanté, que se lesionou no primeiro tempo. Além disso, vários  jogadores tiveram atuações abaixo da média. Para a última rodada, os franceses possuem a vantagem de depender apenas de si para conseguir a vaga direta na Copa do Mundo. Mas diante do nível apresentado, não há nada garantido contra Belarus.

Gol cedo tira pressão; milagre de Lloris salva a França

Com menos de três minutos, a França tirou o peso das costas e abriu o placar. Digne recebeu na esquerda e cruzou rasteiro para o meio. Griezmann ajeitou para Matuidi, que veio de trás e soltou a bomba cruzada, vencendo o goleiro e balançando as redes. Os franceses valorizavam a posse, apostando em um jogo associativo, fazendo a seleção mandante correr atrás da bola.

Em uma escapada pela esquerda, Kanté acionou Mbappé em profundidade. O atacante partiu para cima da marcação e bateu forte, obrigando o goleiro a fazer grande defesa. Pouco depois, Tolisso chutou de fora da área e mandou à direita da meta. Em transição veloz, Mbappé virou o jogo da esquerda para a direita e achou Griezmann, o camisa 7 chutou cruzado e assustou Iliev. O arremate saiu pela linha de fundo.

Mais uma vez achando espaços na defesa búlgara, Mbappé tocou para Lacazette em ótima posição na área. O jogador do Arsenal arrematou, mas foi travado no momento certo pelo zagueiro. Aos 30 minutos, uma péssima notícia para a França. Kanté sentiu uma lesão na parte de trás da coxa esquerda e foi substituído por Rabiot.

Lloris se tornou protagonista aos 36 minutos. Um bombardeio búlgaro começou com Nedelev, que arrematou de longe e o goleiro francês deu rebote estranho. Delev cabeceou para o meio e Kostadinov completou na pequena área, Lloris fez milagre. Na sobra, a defensiva afastou mal e Slavchev chutou por cima da meta. Na sequência do primeiro tempo, os bleus tentaram alguns lances individuais, mas sem sucesso.

Bulgária cresce, França demonstra um futebol pobre e aceita passivamente as investidas do adversário

Foto: Franck Fife/AFP/Getty Images

Na volta do intervalo, a Bulgária tentou impor seu ritmo de jogo, pressionando a França. Manolev bateu de fora da área e mandou à esquerda da meta de Lloris. Tal ímpeto também se refletiu na defesa. Zanev chegou forte em Tolisso e recebeu cartão amarelo. O panorama dos minutos iniciais era de uma Seleção Francesa acuada, presa em seu campo defensivo e com muitas dificuldades.

O jogo seguiu travado, muito parado por faltas e erros individuais. A França conseguia diminuir o seu nível e atuar no mesmo patamar que a Bulgária. As ações ofensivas dos bleus eram ineficazes. O tempo passava e os mandantes cresciam na partida, apostando na bola aérea. A defensiva francesa tinha dificuldades. Deschamps sacou Lacazette e colocou Payet, voltando para o 4-4-2.

A pressão búlgara era grande, Giroud entrou no final para tentar ser a referência no ataque francês, mas os contra-ataques não eram aproveitados. O lance que mais se repetiu foi o de zagueiros rebatendo a bola para longe da área. A França usava recursos rústicos, como lançamentos para ninguém e bicos para o “mato”. Os visitantes se seguraram, sofreram, mas conseguiram o resultado positivo.