Com boa atuação coletiva, Lyon derrota Guingamp e assume vice-liderança da Ligue 1

Em outra visita ao folclórico Stade du Roudourou, os Gones saíram com os três pontos; por outro lado, Guingamp desperdiçou a oportunidade de diminuir a diferença para o Nice

Com boa atuação coletiva, Lyon derrota Guingamp e assume vice-liderança da Ligue 1
Foto: Fred Tanneau/AFP
Guingamp
0 2
Lyon
Guingamp: Johnsson; Ikoko, Sorbon, Kerbrat, Tabanou; Blas, Diallo (Ngabakoto, min.54); Briand, Benezet (Giresse, min.82), Salibur; Thuram (Phiri, min.67).
Lyon: Lopes; Rafael, Marcelo, Morel, Mendy; Ndombélé (Ferri, min.74), Tousart; Aouar, Fekir, Cornet (Traoré, min.88); Mariano (Gouiri, min.81).
Placar: 0-1, min.25, Nabil Fekir. 0-2, min.58, Houssem Aouar.
ÁRBITRO: Nicolas Rainville (FRA). Cartões amarelos: Ndombélé, Tousart, Diallo, Tabanou.
INCIDENCIAS: Partida válida pela vigésima primeira rodada do Campeonato Francês, realizada no Stade du Roudourou, na Bretanha.

Em um de seus melhores jogos na atual temporada, o Lyon derrotou o Guingamp com contundência, nesta quarta-feira (17), em partida válida pela 21ª rodada da Ligue 1, realizada no Stade du Roudourou. Mantendo suas bases táticas, Bruno Génésio escalou seus jogadores mais aptos fisicamente e conseguiu completar uma grande exibição na Bretanha. Sem ir mais longe, os gols de Nabil Fekir e Houssem Aouar, com assistências de Maxwel Cornet e Ferland Mendy, deram a vitória incontestável para o OL.

Com o resultado positivo, os Gones voltaram a assumir a vice-liderança da liga, superando Marseille e Monaco na tabela de classificação, alcançando os 45 pontos. Dito isso, o clube heptacampeão nacional na década passada está na zona de acesso direto a próxima Uefa Champions League e 11 pontos atrás do absoluto Paris Saint-Germain. Em contrapartida, o Guingamp segue na sétima posição, com 29 anotações somadas e ainda sonhando com competição continental. Porém, analisando as circunstâncias, para atingir tal feito, os comandados de Antoine Kombouaré precisariam contar com resultados indiretos, especialmente em caso de título um dos quatro primeiros colocados nas copas nacionais.

Em seu compromisso seguinte, o Lyon receberá o PSG no Parc Olympique Lyonnais, no próximo domingo (21), às 18h no padrão de Brasília. Por outro lado, o EAG fará uma visita ao Stade de la Licorne, para enfrentar o recém-ascendido Amiens, no sábado (20), no horário em que acontecem seis jogos simultâneos, às 17h.

Dominando a posse de bola, Lyon controlou o primeiro tempo com tremenda autoridade

Em suas últimas partidas, o Lyon transmitiu mais certezas que dúvidas. Porém, estas certezas estiveram relacionadas ao seu estilo de jogo dependente de peças específicas. Neste contexto, se encaixam os casos de Ferland Mendy e Tanguy Ndombélé. Sem ir mais longe, durante a primeira etapa, ambos foram simplesmente cruciais para estabelecer vantagens táticas e produzir ocasiões de gol através de uma circulação fluída. 

Com relação ao antigo jogador do Amiens, sua capacidade para somar recuperações de bola, conduzir, eliminar marcadores e posteriormente chegar aos metros finais representou um argumento ofensivo concreto a cada participação do mesmo em campo rival. Em sentido idêntico, está Mendy, que apesar de aparentar ser um lateral mais dotado fisicamente que em aspectos técnicos, provou em outra oportunidade em se trata de um atleta capaz de criar um sistema próprio. Sendo assim, com Aouar jogando desde uma posição aberta partindo para dentro, Ferland encontrou espaços para atacar e acelerar a posse do OL em seus ataques.

No transcorrer dos minutos, as ocasiões foram aparecendo e com uma versão impactante de Fekir utilizando sua mobilidade, o Lyon apresentou um mecanismo claro. Entre Mariano, Cornet e o próprio Nabil, surgiram as principais chances de marcar por parte dos visitantes. Para início de conversa, com Aouar e Mendy enfocados em combinar movimentos na esquerda, Cornet voltou suas atenções para entrar nas costas do sistema defensivo do Guingamp, enquanto Mariano esteve desprendido para jogar fora da área e contar com Fekir vindo de frente para a baliza adversária.

O primeiro gol se tratou de um verdadeiro exemplo de como os franceses podem criar perigos. Em uma transição ofensiva, Cornet assistiu Fekir e o mesmo finalizou no canto para ultrapassar o goleiro Johnson.

Com o jogo controlado, Lyon confirmou outro triunfo

Para o retorno do intervalo, Kombouaré ordenou que o Guingamp tivesse mais agressividade e jogo exterior para tentar incomodar a defesa adversária. Nisto, os primeiros sete minutos do EAG na segunda etapa estiveram marcados por uma incessante busca em superar os defensores rivais, seja através de dribles ou em cruzamentos laterais a partir de desmarques de seus pontas. Porém, a resposta tática de Bruno Génésio foi imediata. Percebendo a dificuldade para ter continuidade em campo contrário com Aouar encaixotado, o comandante deslocou Mendy ao centro, com Houssem oferecendo altura estando bastante aberto na esquerda. A partir disto, o Lyon subiu suas linhas e pressinou o Guingamp em seu próprio terreno, com destaque para Ndombélé, que com suas pernas potentes somou roubos e construiu ataques.

Para finalizar uma atuação muito positiva, os Gones chegaram ao segundo gol em uma demonstração de todo seu talento por parte de Ferland Mendy, que deixou Aouar em plenas condições para fazer o segundo tento da equipe. Ademais, as oportunidades continuaram sendo criadas com os mecanismos citados sendo utilizados e uma partida antes do duelo difícil contra o PSG, o OL saiu do outro lado do país deixando sensações significativas.