PSG sofre no fim, mas derrota Rennes e garante vaga na final da Copa da Liga Francesa

Mbappé é expulso, Rennes marca duas vezes na reta final da partida, tenta assustar, mas defesa do PSG consegue segurar pressão e garantir vaga na final

PSG sofre no fim, mas derrota Rennes e garante vaga na final da Copa da Liga Francesa
Foto: Loic Venance/AFP
Rennes
2 3
PSG
Rennes: Diallo; Gelin, Gnagnon, Baal, Traore; Prcic, André; Sarr (Hunou), Gourcuff (Diafra Sakho), Bourigeaud; Khazri (Siliki)
PSG: Trapp; Meunier, Marquinhos, Kimpembe, Yuri Berchiche; Verratti, Rabiot (Lass Diarra), Pastore (Lo Celso); Di María (Nkunku), Mbappé, Neymar

Foi sofrido, mas o Paris Saint-Germain conseguiu superar o Rennes no Roazhon Park nesta terça-feira (30), em partida válida pela semifinal da Copa da Liga Francesa, por 3 a 2, garantindo a vaga na grande final. Os gols da equipe de Unai Emery foram marcados por Thomas Meunier, Marquinhos e Giovani Lo Celso, com Diafra Sakho e Sanjin Prcic diminuindo para os comandados de Sabri Lamouchi.

A partir dessa vitória, a equipe parisiense apenas esperará a definição do vencedor na partida entre Monaco e Montpellier, na outra semifinal, para descobrir quem será o seu adversário na grande final, que será disputada no dia 30 de março. As duas equipes lutarão por essa vaga na decisão na próxima quarta-feira (31).

As duas equipes voltarão aos gramados no próximo fim de semana, por compromissos válidos pela 24ª rodada do Campeonato Francês: no sábado (3), o PSG enfrentará o Lille, que briga contra o rebaixamento, no Stade Pierre-Mauroy, enquanto que no domingo (4), o Rennes voltará a jogar no Roazhon Park, mas contra o Guingamp.

PSG abre o placar com golaço de Meunier

Diferentemente da maioria das equipes que enfrenta a equipe parisiense, o Rennes tentou, nos primeiros minutos da partida, atacar e tentar assustar o PSG de alguma maneira. Nos primeiros minutos, Hamari Traoré teve uma chance de abrir o placar após uma rebatida de Yuri Berchiche, mas acabou chutando por cima da meta de Kevin Trapp.

Apesar das tentativas da equipe da casa, o PSG, com o tempo, foi imprimindo sua maior qualidade técnica dentro de campo e começou a assustar o Rennes, flertando com um primeiro gol, apesar de não ter criado, até certo momento, chances reais que pudessem colocar a defesa adversária em risco, mas passava a dominar a posse da bola e tentar encontrar seus jogadores abertos pelos lados do campo, que tentavam criar jogadas por meio de cruzamentos.

(Foto: Jean Catuffe/Getty Images)

Aos 23 minutos, a primeira jogada de perigo construída pelo PSG e o primeiro chute em direção à meta de Diallo resultou em gol: Thomas Meunier saiu do lado direito do meio-campo costurando toda a defesa do Rennes em um movimento diagonal, até que a bola subiu e ele, sem se importar com isso, finalizou com a pelota ainda no ar, que acabou morrendo no fundo das redes da equipe mandante para abrir o placar, com um golaço do defensor belga.

Após o gol, o Rennes, que até então tentava manter uma postura ofensiva, passou a se concentrar na defesa e tentar aproveitar alguma chance de contra-ataque. O PSG, sabendo dessa possibilidade e notando que seu adversário possuía adversários rápidos, passou a controlar ainda mais a posse a bola, sem dar chances para os comandados de Sabri Lamouchi, que chegaram a marcar, aos 41 minutos, com Khazri, mas o gol foi anulado após uma checagem no árbitro de vídeo, que indicou um toque de mão do tunisiano antes de sua finalização.

Equipe parisiense começa com tudo, sofre no fim, mas garante classificação

Com a entrada de Lo Celso, a equipe de Unai Emery ficou mais organizada no campo ofensivo, construindo melhor as jogadas. Ainda nos primeiros minutos, o goleiro Diallo saiu errado, deu a bola nos pés de Neymar, que chutou cruzado e contou com um desvio no meio do caminho de Mbappé, que estava impedido, o que acabou anulando o gol. Sem preocupações, já que, quatro minutos depois, o zagueiro Marquinhos ampliaria o placar, pegando o rebote de um chute de Di María.

Os visitantes sentiram o bom momento e não pararam de atacar: aos nove minutos, Diallo fez boa defesa após chute de Yuri Berchiche e, aos 13, o PSG ampliaria o placar, com um gol de Giovani Lo Celso. Di María tentou passar de um marcador do Rennes, acabou caindo, mas, mesmo no chão, esticou seu pé para conseguir tocar para Lo Celso, que driblou alguns marcadores e chutou cruzado. A bola ainda desviou antes de balançar as redes.

(Foto: Jean Catuffe/Getty Images)

O Paris Saint-Germain, porém, teria uma baixa importante logo após o gol do meio-campo argentino. Dois minutos após a bola ter voltado a rolar, Mbappé deu uma entrada com a sola de sua chuteira, acertando diretamente a perna de Ismaila Sarr, que avançava em um contra-ataque. Após a revisão do árbitro de vídeo, o árbitro Mikael Lesage deu um cartão vermelho direto para a grande joia francesa.

Os minutos após a expulsão foram de bastante equilíbrio, mas, com o passar do tempo, o PSG voltou a controlar as ações do jogo, tendo as melhores chances, apesar de um jogador a menos, de marcar. Porém, com a aproximação do fim da partida, o Rennes passou a pressionar demais, obrigando Trapp a fazer algumas defesas. Aos 39 minutos, toda a insistência deu resultado: Baal deu um cruzamento perfeito para Diafra Sakho diminuir.

Aos 47 minutos, o Rennes balançaria a rede mais uma vez, dando esperanças de um possível empate e, consequentemente, uma disputa de pênaltis. Após uma tentativa de jogada trabalhada, Marquinhos afastou a bola com um carrinho e ela saiu da área pelo chão, onde Sanjin Prcic chegou batendo de primeira, sem chances de defesa para Trapp. Os minutos seguintes seriam de pressão por parte dos mandantes, mas a equipe de Paris soube se defender, garantindo a vitória e a classificação para a final.