Lanús fez história ao ser campeão da Copa Conmebol em 1996

Finalista da Copa Libertadores pela primeira vez em seus 102 anos, clube argentino fez história em uma das competições mais importantes da América do Sul nos anos 90

Lanús fez história ao ser campeão da Copa Conmebol em 1996
Divulgação / Lanús

Com uma virada histórica sobre o River Plate por 4 a 2 pela semifinal da Copa Libertadores, o clube argentino está a dois jogos de conquistar um título inédito. Após uma grande repercussão pelo continente sul americano depois de eliminar um dos times mais respeitados da Argentina, nós da VAVEL iremos relembrar a conquista inédita do clube granate em 1996, onde teve seu primeiro reconhecimento pelo continente vencendo a extinta Copa Conmebol.

O ano era 1996, o Lanús completava 91 anos de existência e participaria da Copa Conmebol daquele ano sem causar grande temor nas outras equipes. Naquele ano Fluminense, Vasco e Palmeiras eram os times mais temidos pelos clubes que estavam disputando a competição, porém nenhum dos três estavam dando grande importância naquele momento, focando no Campeonato Brasileiro. Outro fato importante, é que não havia nenhum clube renomado da Argentina e nem do Uruguai, o que fez os clubes de menores expressões se empenharem ao máximo para conquistar um titulo importante.

Nas oitavas de final, o clube granate enfrentou o clube boliviano Bolivar, colocando força total para se classificar às oitavas de final. Com a altitude em seu favor, o clube boliviano ganhou a partida em La Paz pelo placar magro de 1 a 0 com o gol do argentino Antonio Vidal Gonzalez. Porém, na revanche que ocorreu jogando na província de Buenos Aires, o time argentino não tomou conhecimento do clube boliviano e aplicou uma goleada por 4 a 1, garantindo a sua classificação para as quartas de final, criando preocupação no Fluminense e no Guaraní-PAR, que decidiriam a vaga no chaveamento para enfrentá-los. A  vitória acabou sendo do clube paraguaio, que não teve muita dificuldade em eliminar o Fluminense que na época era comandado por Renato Portaluppi.

Já nas quartas de final, o clube paraguaio jogou a primeira partida diante de sua torcida no estádio Manuel Ferreira em Assunção, esperando vencer o jogo com uma boa vantagem como havia sido contra o Fluminense. Mas o resultado foi outro, o Lanús aos 35 minutos fez o primeiro gol de pênalti com Óscar Mena e sacramentou a vitória aos 22 minutos do segundo tempo com o gol de Walter Coyette.

Com um elenco unido e decidindo o segundo jogo no seu estádio o La Fortaleza ,  os argentinos novamente não tomaram ciência do clube paraguaio e aplicaram uma goleada por 6 a 2, levando os torcedores à loucura e também grande destaque nos jornais esportivos da época com uma classificação praticamente sem esforço.

Com a classificação do também clube argentino Rosário Central sobre o River Plate do Uruguai, a semifinal seria uma verdadeira batalha de quem iria representar a Argentina na competição. Já no outro lado da chave, o fortíssimo Vasco de Edmundo na época, disputaria a semifinal contra o Santa Fe da Colômbia.

No dia 30 de outubro de 1996, o Rosario Central enfrentaria o Lanús à procura do bicampeonato, enquanto o Independiente Santa Fe e o Vasco da Gama tentavam conquistar o seu primeiro título internacional oficial para suas vitrines.O Vasco havia vencido em 1948 o Campeonato Sul-Americano, considerado pela Conmebol como o torneio precursor da Copa Libertadores de América, mas ainda não havia um reconhecimento oficial. A primeira partida entre argentinos aconteceu no estádio Néstor Díaz Pérez da equipe do Lanús, onde o clube comandado na época por Héctor Cúper goleou o Rosário Central na partida de ida por 3 a 0.

Na outra semifinal, o Vasco de Edmundo jogaria a primeira partida no Maracanã. O time colombiano acabou perdendo por 2 a 1, tendo como destaque o meio-campista Ranielli que marcou os dois gols na vitória do clube cruzmaltino.

Na partida de volta, o Rosário Central precisava fazer um bom resultado dentro casa evitando tomar gols, já que o time de Héctor Cúper tinha uma boa vantagem no placar. Porém, aos 6 minutos de jogo, o zagueiro Serrizuela abriu o marcador e diminuiu as esperanças do bicampeonato dos "canallas"'. Mesmo empatando o jogo aos 13 minutos no Gigante de Arroyito, o Rosário central não jogou bem e acabou tomando dois gols nos minutos finais da partida que sacramentaram a classificação inédita do Lanús à final da competição. Já na partida de volta entre Vasco e Independente Santa Fé que ocorreu no Estádio El Campin na Colômbia, o clube carioca acabou sofrendo gol aos 35 minutos do primeiro tempo e segurou o placar que levaria a decisão nas penalidades máximas. Nas cobranças de pênaltis, o goleiro venezuelano Rafael Dudamel se tornou herói ao defender o pênalti de João Luis, que classificou o clube colombiano para sua primeira final em uma competição sul-americana na história.

A primeira partida entre Lanús e Independiente Santa Fe foi realizada na Argentina, onde Héctor Cúper colocou um time ofensivo buscando uma boa vantagem jogando em casa. Com gol de Oscar Mena na primeiro tempo e outro de Ibagaza no segundo permitiu que Lanús  pudesse ficar mais calmo no jogo de volta no estádio  El Campín em Bogotá. Na partida de volta, a torcida de aproximadamente 45 mil pessoas, trazia esperança para o time colombiano, que havia perdido na Argentina por 2 a 0.

Com 4 minutos de jogo, o estádio foi à loucura com o gol de Wittingham que gerou uma enorme expectativa para o resto da partida. Todavia com o resultado geral, o Lanús ficaria com a Copa caso não sofresse mais um gol. O time comandado por Héctor Cúper resistiu à pressão dos colombianos e acabou conquistando um título inédito para o clube logo após a comemoração de 90 anos de existência, passando a ser um clube respeitado na América do Sul. No ano seguinte, o técnico argentino conseguiu levar novamente o time da província de Buenos Aires para final, mas não acabou vencendo o Atlético Mineiro comandado Emerson Leão que deu o bicampeonato para o clube de Minas Gerais.

Elenco do Lanús: Carlos Roa como goleiro; Juan José Serrizuela, Gustavo Falaschi, Gustavo Siviero e Andrés Bressán; Oscar Mena, Daniel Cravero, Ariel Ibagaza e Walter Coyette; Ariel López e Claudio Enría. 

Revista ElGráfico comentando sobre a conquista inédita do clube argentino, onde diz na parte superior: ''Ganó la Copa Conmebol y se metió en la historia''. (Ganhou a Copa Conmebol e entrou para a história).