Serie A 2016/17 - Napoli: equipe equilibrada à procura de um novo protagonista

Mesmo com reforços e baixas, base do time deve ser a mesma da última temporada; sem Higuaín, quem assume o posto de destaque?

Serie A 2016/17 - Napoli: equipe equilibrada à procura de um novo protagonista
Foto: Divulgação/Napoli

A temporada da Serie A 2016/17 se inicia neste final de semana. Para o Napoli, mais especificamente, no domingo (21), às 15h45, no Estádio Adriático, diante do recém promovido à primeira divisão Pescara.

O clube partenopeo chega para a competição com status de atual vice campeão do torneio. Na temporada passada, os azzurri ficaram atrás na tabela apenas da pentacampeã Juventus, tendo figurado na ponta da classificação durante algumas rodadas. No  final, porém, sucumbiu à superioridade do clube de Turim, que fez um segundo turno praticamente impecável.

A expectativa para a temporada que se iniciará é de fazer mais uma bela participação no campeonato. Para isso, o Napoli foi ao mercado a fim de reforçar seu elenco, bem como para suprir algumas baixas. Foram contratados reforços para todos os setores do campo.
 
Na zaga, Lorenzo Tonelli, líder defensivo do Empoli na última Serie A e convocado para a última Eurocopa, chegou para compor elenco, já que os titulares devem continuar sendo Albiol e Koulibaly. Para o setor de meio-campo, o meia Emanuele Giaccherini, que estava emprestado ao Bologna pelo Sunderland, se juntou ao grupo napolitano, além do polonês Piotr Zielinski, que pertencia à Udinese e esteve emprestado ao Empoli nas últimas duas temporadas.

E, para o ataque, a contratação mais ansiada pelo torcedor foi a do também polonês Arkadiusz Milik. Isso porque o jovem atleta chega para substituir Gonzalo Higuaín, artilheiro da última edição da liga. Embora possa jogar em diferentes funções no gramado, Milik deverá brigar por posição com Gabbiadini, no espaço deixado pelo argentino, como já indicou o treinador Maurizio Sarri durante o último amistoso do clube, na vitória diante o Herta Berlim, por 4 a 1.
 
Mas se por um lado estão chegando reforços de ótima qualidade, por outro o clube também está perdendo peças. A principal baixa, evidentemente, é a do ex-ídolo Higuaín, vendido à Juventus por ‎€ 90 milhões. O atleta foi um dos pilares da equipe na temporada passada, resolvendo partidas e marcando gols muito importantes, além, é claro, da liderança dentro das quatro linhas.A perda de Gonzalo para a principal rival abalou o clube do sul da Itália, e evidenciou ainda mais a distância da Vecchia Signora para os demais clubes italianos.

Outro que também está de saída é David Lopez, que segundo o jornal Marca realizou exames médicos pelo Real Betis nesta sexta-feira (19). Com a saída do volante, os azzurri podem precisar se mexer para trazer um substituto.
 
Um elenco que não mudou muito alinhado à esperança em um trabalho ainda melhor de Maurizio Sarri: essa é a arma do Napoli para a temporada que começa no final de semana. O treinador vem de uma excelente temporada, na qual superou inúmeros críticos, incluindo Diego Maradona, para implantar um sistema de jogo ofensivo, com marcação alta, recomposição dos jogadores de frente e, claro, eficiente.
 
Sarri arrumou a defesa que vinha sendo o pesadelo do time nas temporadas anteriores. Armou um meio-campo técnico e de muita marcação, com Allan, Jorginho e Hamsík. Os pontas, que se revezavam entre Callejón, Insigne e Mertens, entraram muito mais no jogo, com infiltrações e jogadas de fundo. Além, evidentemente, da recomposição. Tudo isso para servir seu artilheiro, que esteve na melhor fase da carreira.
 
Sem Higuaín, a pergunta que fica é se Milik poderá se encaixar nesse sistema. Há motivos para acreditar que sim. O jogador não tem característica de ficar esperando a bola dentro da área, e sim de voltar para buscá-la, criar espaços, se movimentar e criar jogadas com seus companheiros.  Tudo indica que o Napoli que veremos será ainda mais veloz e vertical e técnico que na última temporada.

Por outro lado, o treinador pode optar por promover Gabbiadini à posição, que tem características mais parecidas com Higuaín, e mostrou serviço quando chamado – marcou quatro vezes diante do Monaco, em amistoso realizada no San Paolo, na pré-temporada. A princípio é o que Sarri deverá fazer.
 
Nesta temporada, o Napoli jogará a Uefa Champions League. A expectativa de ir longe no torneio continental é grande. Mas ser competitivo tanto na Serie A quanto na maior competição de clubes do planeta implica em um elenco grande e de qualidade.

Sarri já demonstrou que trabalha com “15 titulares”. Jogadores de confiança que quase sempre entram no segundo tempo, ou mesmo iniciam partidas de titulares para substituir lesionados ou suspensos. Funcionou muito bem na última temporada, mas a exigência contra adversários de nível técnico maior nesta, pode requerer um pouco mais.
 
Mas podemos esperar um ótimo futebol dos comandados de Sarri, Hamsík e Pepe Reina. O sonho do scudetto permanece vivo, bem como surpreender na Champions League. E, se ano passado a Itália se encantou com o futebol jogado pelo Napoli, agora, pode ser a vez da Europa.